Efeito da frequência de passada na variabilidade da frequência cardíaca de corredores fundistas

Caroline Luciane Carneiro, Letícia Martins, Marcos Roberto Queiroga, Marcos Vinícius Soares Martins, Paulo Henrique Pauli, Marcus Peikriszwili Tartaruga

Resumo


Introdução: A variabilidade da frequência cardíaca (VFC) pode ser considerada como preditora do desempenho esportivo aeróbico, apesar de poucos estudos relacionarem suas respostas a parâmetros mecânicos. Objetivo: Analisar a influência da frequência de passada (FP) na VFC, representada pelos intervalos RR (iRR), de corredores recreacionistas fundistas. Materiais e Métodos: Quatorze corredores (7 homens e 7 mulheres - idade: 37 ± 4 e 30 ± 5 anos; massa corporal: 74,9 ± 7,7 e 56,1 ± 3,6 kg; estatura: 1,76 ± 0,05 e 1,63 ± 0,05 m; consumo máximo de oxigênio: 51,8 ± 2,5 e 46,3 ± 6,6 ml.kg-1.min-1) correram a uma FP confortável (FPc), em esteira rolante, a uma velocidade auto-selecionada, seguida de duas corridas na mesma velocidade com FPs correspondentes a ± 10% da FPc (FP+10% e FP-10%) durante 5-min cada. Resultados: Não foram verificadas diferenças estatisticamente significativas entre os iRR (homens e mulheres: 397,3 ± 40,8 e 416,5 ± 63,4 ms; 381,2 ± 37,4 e 378,6 ± 34,9 ms; 382,2 ± 39,8 e 393,0 ± 52,0 ms) nas condições de FPc, FP+10% e FP-10%, respectivamente, apesar da tendência de existirem maiores valores de iRR durante a corrida realizada na FPc. Discussão: Estudos têm demonstrado que a relação em questão é dependente da intensidade de esforço e do condicionamento físico. Conclusão: A VFC parece não ser dependente da técnica de corrida em baixas e moderadas intensidades, porém representa uma alternativa simplificada para obter informações a respeito do metabolismo aeróbico durante o exercício.

 

ABSTRACT 

Stride frequency effect on heart rate variability of long distance runners

Introduction: The heart rate variability (HRV) may be considered as a predictor of aerobic exercise performance, although few studies relate their responses to mechanical parameters. Objective: Analyze the influence of stride frequency (SF) on HRV, represented by RR interval (RRI), in recreational endurance runners. Materials and Methods: Fourteen runners (7 men and 7 women - age: 37 ± 4 and 30 ± 5 years; body mass: 74.9 ± 7.7 and 56.1 ± 3.6 kg; height: 1.76 ± 0.05 and 1.63 ± 0.05 m, maximal oxygen uptake: 51.8 ± 2.5 and 46.3 ± 6.6 ml.kg-1.min-1) running at a confortable SF (SFc) on treadmill at a self-selected running speed, followed by two stages of 5-min each at the same speed with corresponding to ± 10% of SFc (SF+10% and SF-10%). Results: No significant differences were found between RRI (men and women: 397.3 ± 40.8 and 416.5 ± 63.4 ms; 381.2 ± 37.4 and 378.6 ± 34.9 ms; 382, 2 ± 39.8 and 393.0 ± 52.0 ms) for SFc, SF+10% and SF-10%, respectively, despite the tendency there higher RRI values in SFc. Discussion: Studies have shown that this relation is dependent of physical activity intensity level and physical fitness. Conclusion: HRV does not seem to be dependent on running technique at low and moderate intensities, but represents a simplified alternative for information about the aerobic metabolism during exercise.

Palavras-chave


Corrida; Exercício aeróbico; Exercício físico; Treinamento físico; Sistema nervoso

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui