A interferência do levantamento STIFF na flexibilidade dos músculos da cadeia posterior de coxa

Lucas Pereira De Oliveira, Gilberto Reis Agostinho Silva

Resumo


A flexibilidade é a capacidade física que permite a uma articulação movimentos amplos, com grande amplitude de movimento (ADM), sendo assim, existem atualmente diversas técnicas de alongamento para se alcançar uma boa flexibilidade. No entanto, o objetivo deste estudo foi analisar a capacidade do exercício Levantamento Stiff (LS) no aumento da flexibilidade dos músculos da cadeia posterior da coxa, especificamente os isquiotibiais (IT). Este estudo de caso foi realizado com um homem de 57 anos, peso corporal de 83 kg, altura de 1,62 metros, saudável, que pratica atividades físicas regulares. O voluntário foi submetido a doze semanas de treinamento, sendo, duas vezes por semana, três séries de dez a treze repetições máximas de (LS) com uma carga de 75% de 1RM, o descanso entre as séries foi de cinquenta e cinco segundos a um minuto e dez segundos. No teste de (1RM) o individuo conseguiu realizar o movimento com 80 quilos sem comprometer a técnica. Sendo assim, o mesmo realizou o experimento com 60 quilos, equivalentes a 75 % de (1RM). Para a avaliação da flexibilidade antes e após o experimento, foi utilizado o banco de Wells. O resultado do teste aplicado no indivíduo fisicamente ativo mostra que houve uma pequena diferença na flexibilidade dos músculos (IT) quando comparado o primeiro (12,3) e o ultimo teste (14,1). O voluntário não praticava alongamento muscular, porém este pequeno aumento da flexibilidade pode se dar realmente pelo exercício (LS).

 

ABSTRACT

The stiff survey interference In the flexibility of coxa's back chain muscles

Flexibility is the physical ability that allows a joint to move wide, with great range of motion (WMD), So there are currently several stretching techniques to achieve good flexibility. The aim of this study was to analyze the ability of the Stiff Lifting exercise (LS) to increase the flexibility of the muscles of the posterior thigh chain, specifically the hamstrings (IT). This case study was carried out with a 57 year old male, 83 kg body weight, 1.62 meters tall, healthy, who practices regular physical activities. The volunteer underwent twelve weeks of training, two times a week, three sets of ten to thirteen maximal repetitions (LS) with a load of 75% of 1RM, rest between sets was fifty-five seconds a One minute and ten seconds. In the (1RM) test the individual was able to perform the movement with 80 kilos without compromising the technique. Therefore, the experiment was performed with 60 kilos, equivalent to 75% of (1RM). For the evaluation of flexibility before and after the experiment, the Wells bank was used. The test result applied to the physically active individual shows that there was a slight difference in muscle flexibility (IT) when compared to the first (12.3) and the last test (14.1). The volunteer did not practice muscle stretching, but this small increase in flexibility can actually occur through exercise (LS).

Palavras-chave


Flexibilidade; Isquiotibiais; Levantamento stiff

Texto completo:

PDF

Referências


-Alter, M. J. Ciência da flexibilidade. 2ª ediçao. São Paulo. Phorte. 1996. p. 96-15.

-Alter, M. J. Ciência da flexibilidade. 3ª. edição. Porto Alegre. Artmed. 1999. p. 109-123.

-Araújo, S. S.; Oliveira, H.; Paz, A. A.; Santos, C. A. S. Avaliação da flexibilidade de adolescentes através do teste sentar e alcançar. Revista Digital Vida & Saúde, Vol. 1. Num. 1. 2002. p. 5-10.

-Ben, M.; Harvey, L. A. Regular stretch does not increase muscle extensibility: a randomized controlled trial. Scand Journal Medicine Science Sports. Vol. 20. Num. 1. 2010. p. 44 - 136.

-Bezerra, E. S.; Simão, R.; Fleck, S. J.; Paz, G.; Maia, M.; Costa, P. B.; Serrão, J. C. Electromyographic Activity of Lower Body Muscles during the Deadlift and Still-Legged Deadlift. Journal of Exercise Physiology Online. Vol. 16. Num 3. 2013. p. 14-33.

-Bompa, T. O. A periodização no treinamento esportivo. Manole. 2001. p. 65-101.

-Brown, W. E.; Abani, K. Kinematics and kinetis of the deadlift in adolecent power lifters. Medicine end science in sports and exercise. Madison. Vol. 17. Num. 5. 1985. p. 19-52.

-Delorme, T. L.; Watkins, A. L. Techniques of progressive resistance exercise. Archent Physiology Medicine. Vol. 2. Num. 3. 1948. p. 32-105.

-Escamilla, R. F.; Fancisco A. C.; Fleisig, G. S. A three dimensional biomechanical af analysis of sumo and conventional styles deadlifts. Medicine end science in sports and exercise. Vol. 32. Num. 4. 2000. p. 75 - 1265.

-Escamilla, R. F.; Fancisco A. C.; Kayes, A. V.; Speer K. P.; Moorman C. T. An eletromyografic análisis of sumo and convetional styles deadlifts. Medicine end science in sports and exercise. Madison. Vol. 34. Num. 4. 2002. p. 8 - 682.

-Fleck, S. J.; Kraemer W. J. Fundamentos do treinamento de força muscular. 2ª edição. Porto Alegre. Artmed. 1999. p. 181-199.

-Godoy, M. I Consenso Nacional de Reabilitação Cardiovascular. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Vol. 69. Num. 4. 1997. p. 267-291.

-Gaya, A.; Silva, G. Projeto esporte Brasil: manual de aplicação de medidas e testes, normas e critérios de avaliação. Porto Alegre. PROESP-BR. 2009. p. 62-81.

-Kawano, M. M.; Ambar G.; Oliveira B. I.; Boer M. C.; Cardoso A. P.; Cardoso J. R. Influence of the gastrocnemius muscle on the sit-and-reach test assessed by angular kinematic analysis. Revista Brasileira de Fisioterapia. Vol. 14. Num. 1. 2010. p. 5 - 10.

-Morcelli, M. H.; Marques, N. R.; Hallal, C. Z.; Gonçalves, M. EMG activity of trunk stabilizer muscles during Centering Principle of Pilates Method. Journal of bodywork and movement therapies. Vol. 17. Num. 2. 2013. p. 185-191.

-Palastanga, N.; Field D.; Soames R. Anatomia e movimento humano - Estrutura e função. 3ª edição. Manole. 2000. p. 132-151.

-Ruthmann, A. Live Coding & IchiBoard-Enhanced Performance. Medicine end science in sports and exercise. Vol. 21. Num. 3. 2011. p. 124 - 182.

-Simão, R. Fundamentos fisiológicos para o treinamento de força e potência. São Paulo. Phorte. 2003. p. 39-102.

-Vale, R. G. S.; Torres, J. B.; Martinho, K. O.; Lopes, R. B.; Novaes, J. S.; Dantas, E. H. M. Efeitos do treinamento de força na flexibilidade de mulheres idosas. Fitness & Performance Journal. Vol. 3. Num. 5. 2004. p. 266-271.

-Wells, K. F.; Dillon, E. K. The sit and reach - a test of back and leg flexibility.Research Quarterly. American Association for Health, Physical Education and Recreation. Vol. 23. Num. 1. 1952. p. 115-118.

-Ylinen, J.; Kankainen, T.; Kautiainen, H.; Rezasoltani, A.; Kuukkanen, T.; Häkkinen, A. Effect of stretching on hamstring muscle compliance. Journal Rehabilition Medicine. Vol. 41. Num. 1. 2009. p. 4-80.

-Youdas, J. W.; Haeflinger, K. M.; Kreun, M. K.; Holloway A. M.; Kramer C. M.; Hollman J. H. The efficacy of two modified proprioceptive neuromuscular facilitation stretching techniques in subjects with reduced hamstring muscle length. Physiother Theory Pract. Vol. 26. Num. 4. 2010. p. 50-240.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui