Força de preensão palmar através da dinamometria em indivíduos hemiparéticos pós acidente vascular encefálico

Edjaciane da Silva Sá, Antonio Carlos Silva-Filho, Sulamízia C Jesus, Fernando CVM Lima

Resumo


Objetivo: determinar a força de preensão palmar através da dinamometria em indivíduos hemiparéticos pós AVE. Materiais e Métodos: A amostra foi composta por 18 indivíduos, sendo 7 mulheres e 11 homens. A coleta de dados foi realizada por uma avaliação fisioterapêutica, a força de preensão palmar através do dinamômetro Power Din Standard® da Cefise®, e a massa corporal com uma balança eletrônica Camry®. A análise estatística foi apresentada com média e desvio padrão, através do teste de Grubbs, Kolomogorov-Smirnov, e teste T de student, considerando estatisticamente significante o intervalo de confiança de 95% e o p ≤ 0,05. Os dados foram analisados pelo software GraphPad® Prism 5. Resultados: Foi encontrada diferença significativa entre os valores de produção de força dos sujeitos quando comparado o membro parético e não parético (p < 0,0001). Houve diferença significativa quanto à produção de força entre os membros não paréticos de homens e mulheres (p < 0,05); não houve diferença significativa quando comparado o membro parético masculino (p = 0,4633); Houve diferença significativa quando comparado o membro masculino parético e não parético (p < 0,0001); e quando comparado o membro feminino parético e não parético (p < 0,05). Conclusão: os indivíduos hemiparéticos possuem força reduzida no lado afetado, quando comparado com o lado não parético; Além disso, entre membros paréticos em ambos os sexos, não foi encontrada diferença significativa.

 

ABSTRACT

Hand grip sretngth using dynamometer in hemiparetic individuals after stroke

Aim: to determine the grip strength by dynamometry in hemiparetic individuals post stroke. Materials and Methods: Grip strength was analyzed in 18 individuals (7 women and 11 men) using a dynamometer (Din Standard®, Cefise®) and body mass with an electronic scale (Camry®). Data was presented in mean and standard deviation.  Grubbs, Kolmogorov-Smirnov, and Student’s T tests were used, with a 95% confidence interval and p ≤ 0.05. Data were analyzed in GraphPad Prism ® 5. Results: Significant difference was found between paretic extremity and non-paretic extremity (p < 0.0001). Significant differences was found in paretic extremities between men and women (p < 0.05); No significant difference was found in male’s paretic extremities (p = 0.4633); Significant differences was also found in male’s paretic and non-paretic upper extremities (p < 0.0001); and when compared the female’s paretic and non-paretic upper extremities (p < 0.05). Conclusion: Hemiparetic individuals have reduced strength in affected side, when compared with his non-paretic sides; Moreover, no differences were found between male and females regarding paretic upper extremities.

Palavras-chave


Acidente vascular encefálico; Preensão manual; Força muscular

Texto completo:

PDF

Referências


-Adams, H. P.; e colaboradores. Guidelines for the Early Management of Adults With Ischemic Stroke A Guideline From the American Heart Association/American Stroke Association Stroke Council, Clinical Cardiology Council, Cardiovascular Radiology and Intervention Council, and the Atherosclerotic Peripheral Vascular Disease and Quality of Care Outcomes in Research Interdisciplinary Working Groups: The American Academy of Neurology affirms the value of this guideline as an educational tool for neurologists. Circulation. Vol. 115. Núm. 20. p. e478-e534. 2007.

-Andrews, A. W.; Bohannon, R. W. Distribution of muscle strength impairments following stroke. Clinical Rehabilitation. Vol. 14. Núm. 1. p. 79-87. 2000.

-Aquino, C.; e colaboradores. A utilização da dinamometria isocinética nas ciências do esporte e reabilitação. Rev. bras. ciênc. mov, Vol. 15. Núm. 1. p. 93-100. 2007.

-Boissy, P.; e colaboradores. Maximal grip force in chronic stroke subjects and its relationship to global upper extremity function. Clinical rehabilitation. Vol. 13. Núm. 4. p. 354-362, 1999.

-Haaland, K. Y.; Delaney, H. D. Motor deficits after left or right hemisphere damage due to stroke or tumor. Neuropsychologia. Vol. 19. Núm. 1. p. 17-27. 1981.

-Lucena, E. M. D. F.; e colaboradores. A funcionalidade de usuários acometidos por AVE em conformidade com a acessibilidade à reabilitação. Acta fisiátrica. Vol. 18. Núm. 3, 2011.

-Miller, A. E. J.; e colaboradores Gender differences in strength and muscle fiber characteristics. European journal of applied physiology and occupational physiology. Vol. 66. Núm. 3. p.254-262. 1993.

-Norman, K.; e colaboradores. The Subjective Global Assessment reliably identifies malnutrition-related muscle dysfunction. Clinical nutrition. Vol. 24. Núm. 1. p. 143-150. 2005.

-O'Sullivan, S. B.; Schmitz, T. J. Acidente Vascular Encefálico. In: (Ed.). Fisioterapia - Avaliação e Tratamento. 2003.

-Paz, L. P. D. S.; Marães, V. R. F. D. S.; Borges, G. Relação entre a força de preensão palmar e a espasticidade em pacientes hemiparéticos após acidente vascular cerebral. Acta fisiátrica. Vol. 18. Núm. 2. 2011.

-Polese, J. C. Parâmetros Biomecânicos e Percepção de Hemiparéticos Crônicos com o uso de Dispositivos Auxiliares na Marcha. 2011. Dissertação de Mestrado. UFMG. 2010. 135p

-Saliba, V. A.; e colaboradores. Propriedades psicométricas da Motor Activity Log: uma revisão sistemática da literatura. Fisioter Mov. Vol. 21. Núm. 3. p. 59-67. 2008.

-Sasaki, H.; e colaboradores. Grip strength predicts cause-specific mortality in middle-aged and elderly persons. The American journal of medicine. Vol. 120. Núm. 4. p. 337-342. 2007.

-Schlüssel, M. M.; Anjos, L. A. D.; Kac, G. A dinamometria manual e seu uso na avaliação nutricional:[revisão]. Rev. nutr. Vol. 21. Núm. 2. p. 233-235. 2008.

-Teixeira-Salmela, L. F.; e colaboradores. Musculação e condicionamento aeróbico na performance funcional de hemiplégicos crônicos. Acta fisiátrica. Vol. 10. Núm. 2. p. 54-60. 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui