Efeito das diferentes velocidades de contração na força muscular em jovens

Rubens Vinícius Letieri, Messias Bezerra de Oliveira, Francisco Iran da Silva Júnior, Kaio Breno Belizario de Oliveira, Antonio Evanildo Cardoso de Medeiros Filho, Francisco Jeci de Holanda, Tadeu Almeida Alves Júnior

Resumo


São considerados como treinamento de força exercícios que utilizam contração muscular com resistência obtida com o auxílio de pesos, máquinas, bem como exercícios utilizando o peso do próprio corpo. Além disso, muitos estudos fazem referência às diferentes velocidades de contração muscular Objetivo: verificar os efeitos de diferentes velocidades de contração (concêntrica e excêntrica) na força muscular de jovens praticantes de treinamento de força. Metodologia: O estudo foi conduzido durante 8 semanas de intervenção direta onde participaram 19 voluntários de ambos os sexos, universitários, que foram distribuídos em dois grupos, Grupo CONC: treinamento com contração a concêntrica rápida e a excêntrica lenta (N=11, 22,76 ± 4,47 anos); Grupo EXC: treinamento com contração concêntrica lenta e a excêntrica rápida (N=8, 20,23 ± 6,22 anos). Os indivíduos passaram por teste de Avaliação da força muscular para determinação da Repetição Máxima (RM) nos exercícios de Supino e Agachamento. Resultado: Em ambos os grupos foi observado o aumento da força muscular, mas apenas o grupo EXC obteve resultados significativos na variável RM Supino (32,03 ± 16,56 vs. 46,89 ± 26,04 Kg; ∆%= 46,4%; p=0,045) Conclusão: As diferentes ações musculares com ênfase em velocidades distintas contribuem efetivamente para o aumento de força. Contudo, no presente estudo, as ações concêntricas lentas produziram índices mais significativos do que as ações rápidas.

 

ABSTRACT

Effect of different contraction velocities on muscle strength in young

Are considered as strength training exercises that use muscle contraction with resistance obtained with the support of weights, machines and exercises using the body's own weight. In addition, many studies refer to the different speed of muscle contraction Objective: to verify the effects of different contraction speeds (concentric and eccentric) in muscle strength of youth strength training practitioners. Methods: The study was conducted during 8 weeks of direct intervention with the participation of 19 volunteers of both sexes, students, who were divided into two groups, CONC Group: training with rapid concentric and slow eccentric contractions (N = 11, 22,76 ± 4,47 years); EXC Group: training with slow concentric and fast eccentric contractions (N = 8,  20,23 ± 6,22 years). Individuals underwent muscle strength evaluation test to determine the Maximum Repetition (RM) in the bench press and squat exercises. Results: In both groups was observed increased muscle strength, but only the EXC group achieved significant results in variable RM Bench press (32,03 ± 16,56 vs. 46,89 ± 26,04 kg; Δ% = 46,4%; p = 0,045) Conclusion: the different muscle actions with emphasis on different speeds contribute effectively to the increase in strength. However, in this study, the slow concentric actions produced more significant results than the fast actions.

Palavras-chave


Contração muscular; Treinamento de resistência; Força muscular

Texto completo:

PDF

Referências


-ACSM. American College of Sports Medicine. Position stand. Progression models in resistance training for healthy adults. Medicine & Science in Sports & Exercise, Madison. Vol. 41. Núm. 3. p.687-708. 2009.

-Barbosa, D. A.; Campoya, F. A. S.; Alves, T.; Albuquerquea, M. C.; Gois, M. O.; Ávila, R. P.; Netto Júnior, J.; Pastre, C. M. Resposta aguda de variáveis clínicas e funcionais em exercício máximo de contração concêntrica versus excêntrica. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Vol. 37. Num. 1. p.87-95. 2015.

-Batalha, N.; Galha, P.; Raimundo, A.; Parraça, J.; Tomas-Carus, P. Feitos de um programa de treino de força excêntrico vs concêntrico na força, equilíbrio muscular dos rotadores dos ombros e velocidade de remate em jovens andebolistas, Anais. CIDESD. p.33. 2014.

-Brzycki, M. Strength Testing - Predicting a One-Rep Max from Reps-to-Fatigue. Journal of Physical Education. Recreation & Dance. Vol. 64. p.88-90. 1993.

-Camilo, F. J.; Maia, M. F. M.; Silva, R. P.; Moura, W. L.; Novaes, J. S. Respostas fisiológicas agudas em diferentes intervalos de recuperação entre as séries no exercício leg press 450. Motricidade. Vol. 8. Supl. S2. p.593-602. 2012.

-Claflin, D. R.; Larkin, L. M.; Cederna, P. S.; Horowitz, J. F.; Alexander, N. B.; Cole, N. M.; Galecki, A. T.; Chen, S.; Nyquist, L. V.; Carlson, B. M.; Faulkner, J. A.; Ashton-Miller, J. A. Effects of high- and low-velocity resistance trainingon the contractile properties of skeletal muscle fibers from young and older humans. Journal of Applied Physiology. Vol. 111. Núm. 4. p.1021-1030. 2011.

-Comyns, T. M.; Harrison, A. J.; Hennessy, L. K. An investigation into the recovery process of a maximum stretch shortening cyclefatigue protocol on drop and rebound jumps. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 25. Núm. 8. p.2177-2184. 2011.

-Fleck, S. J.; Kraemer, W. J. Fundamentos do treinamento de força muscular. 2ª edição. Porto Alegre. Artmed. 1999.

-Gomes, R. C. N. T.; Barros, K. B. N. T.; Gomes, E. L.; Alves Júnior, T. A.; Letieri, R. V.; Pontes Junior, J. A. F. Efeitos do treinamento resistido na força de indivíduo com paralisia cerebral. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. Vol. 9. Núm. 55. p.545-554. 2015. Disponível em:

-Herman-Montemayor, J. R.; Hikida, R. S.; Staron, R. S. Early-Phase Satellite Cell and Myonuclear Domain Adaptations to Slow-Speed vs. Traditional Resistance Training Programs. The Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 29. Núm. 11. p.3104-3014. 2015.

-Kim, E.; Dear, A.; Ferguson, S. L.; Seo, D.; Bemben, M. G. Effects of 4 weeks of traditional resistance training vs. superslow strength training on early phase adaptations in strength, flexibility, and aerobic capacity in college-aged women. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 25. Núm. 11. p.3006-3013. 2011.

-Kjaer, M. Epinephrine and some other hormonal responses to exercise in man: with special reference to physical training. International Journal of Sports Medicine, Stuttgart. Vol. 10. p.2-15. 1989.

-Oliveira, R. A. Efeitos do treinamento aeróbio e de força em pessoas com câncer durante a fase de tratamento quimioterápico. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. Vol. 9. Núm. 56. p.662-670. 2015. Disponível em:

-Robertson, R. J.; Goss, F. L.; Rutkowski, J.; Lenz, B.; Dixon, C.; Timmer, J. Concurrent Validation of the OMNI Perceived Exertion Scale for Resistance Exercise. Medicine and Science in Sports and Exercise. Vol. 35. Núm. 2. p.333-341. 2003.

-Sayers, S. P.; Gibson, K. A comparison of high-speed power training and traditional slow-speed resistance training in older men and women. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 24. Núm. 12. p.3369-3380. 2010.

-Thomas, J. R.; Nelson, J. K.; Silverman, S. J. Métodos de Pesquisa em Atividade Física. 6ª edição. Editora: Artmed. São Paulo, 2012.

-Tricoli, V. Papel das ações musculares excêntricas nos ganhos de força e de massa muscular. Revista da Biologia. Vol. 11. Núm. 1. p.38-42. 2014.

-Watanabe, Y.; Madarame, H.; Oqasawara, R.; Nakazato, K.; Ishii, N. Effect of very low-intensity resistance training with slow movement on muscle size and strength in healthy older adults. Clinical Physiology and Functional Imaging. Vol. 34. Núm. 6. p.463-470. 2014.


Apontamentos

  • »


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui