Relação entre peso corporal e a carga em diferentes faixas etárias de idosas no exercício Leg Press

  • Rodrigo Fenner Bertani Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto FMRP-USP
  • Giulliard de Oliveira Campos Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP/USP)
  • Fernanda Pinheiro Amador dos Santos Pessanha Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP/USP)
  • José Maria Thiago Bonardi Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP/USP)
  • Leandra Gonçalves Lima Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP/USP)
  • Eduardo Ferriolli Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP/USP)
  • Julio Cesar Moriguti Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP/USP)
  • Nereida Kilza da Costa Lima Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP/USP)
Palavras-chave: Treinamento resistido, Variáveis antropométricas, Testes de força muscular

Resumo

Introdução: A incapacidade funcional aumenta o número de doenças crônicas e reduz a autonomia no envelhecimento. O exercício físico (EF) promove melhora na capacidade funcional (CF) física e o treinamento resistido (TR) deve ser o preferido por aprimorar com excelência a CF necessária à realização das tarefas do dia-a-dia. O padrão ouro para prescrição do TR é o teste de uma repetição máxima (1RM). A possibilidade de correlacionar o desempenho no teste de 1RM com variáveis antropométricas possibilitaria encontrar estimativas de 1RM, sendo útil na escolha e classificação da carga obtida no teste. Objetivo: avaliar o índice de força muscular relativa (IFMR) para Leg Press em idosas de diferentes faixas etárias. Métodos: 49 idosas, 14 sexagenárias (64,36±2,8anos) com índice de massa corporal (IMC) de 27,6±4,2 Kg/m2, 10 setuagenárias (72,8±2,2 anos) com IMC de 27,3±4,8 Kg/m2 e 25 octogenárias 83,16±3,3 anos e IMC de 25,6±4,2 Kg/m2 foram submetidas ao teste de 1RM e o valor do IFMR foi determinado pela fórmula: carga 1RM / peso corporal. Resultados: Não houve diferença entre os grupos com relação ao IMC (p=0,301). Com relação à carga em 1RM, as sexagenárias obtiveram 162,5±35,8 Kg, septuagenárias 139±37,3 Kg e octogenárias 102,4±35,8 Kg com diferença entre os grupos (p=0,003). Com relação ao IFMR, sexagenárias obtiveram 2,33±0,44, septuagenárias 2,14±0,48 e octogenárias 1,77±0,49com diferença entre grupos (p<0,001). Conclusão: Foi observado declínio de FM e IFMR no envelhecimento e estabelecidos IFMR para diferentes faixas etárias do sexo feminino, os quais foram maiores do que os previamente padronizados.

 

ABSTRACT

Relationship between body weight and the load in elderly in the Leg Press exercise

Introduction: Functional disability increases chronic diseases and reduces autonomy in aging. Physical exercise (PE) promotes improvement in functional capacity (FC), resistance training (RT) should be preferred to enhance the FC. The gold standard for prescription of RT is the one repetition maximum test (1RM). The ability to correlate 1 RM performance with anthropometric variables make it possible to estimate 1RM, being helpful in choosing and rating the load obtained in test. Objective: evaluate the relative muscle strength index (RMSI) on Leg Press exercise in elderly different age groups. Methods: 49 elderly, 14 sexagenarians (64.36 ± 2,8 years) with body mass index (BMI) of 27.6 ± 4.2 kg/m2, 10 septuagenarians (72.8 ± 2.2 years) with BMI 27.3 ± 4.8 kg/m2 and 25 octogenarians 83.16 ± 3.3 years and BMI 25.6 ± 4.2 kg/m2 were subjected to the 1RM test and RMSI value was determined by the formula: 1RM load/body weight. Results: There was no difference between groups related to BMI (p = 0.301). Regarding the load in 1RM, the sexagenarians obtained 162.5 ± 35.8 kg, 139 ± 37.3 kg septuagenarians and octogenarians 102.4 ± 35.8 kg with differences between groups (p = 0.003). Regarding to RMSI, sexagenarians obtained 2.33 ± 0.44, 2.14 ± 0.48 and septuagenarians, octogenarians 1.77 ± 0,49 with difference between groups (p <0.001). Conclusion: It was observed decline of MS and RMSI in ageing for different age groups of women, but were higher than previously standardized.

Biografia do Autor

Rodrigo Fenner Bertani, Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto FMRP-USP
Departamento de Clínica Médica Divisão de Geriatria e Gerontologia

Referências

-Amaral, P.N.; Pomatti, D.M.; Fortes, V. Atividades físicas no envelhecimento humano: uma leitura sensível criativa. Revista Brasileira de Ciência e Envelhecimento Humano. Vol. 4. Num. 1. 2007. p.18-27.

-Campion, E.W. The oldest old. The New England Journal Medicine. Vol. 330. Num. 25. 1984. p.1819-1820.

-Duarte, Y.A.O.; Lebrão, M.L.; Santos, J.L.F. Laurenti, R. Impacto do sedentarismo na incidência de doenças crônicas e incapacidades e na ocorrência de óbitos entre os idosos do município de São Paulo. Saúde Coletiva. Vol. 5. Num. 24. 2008. p.183-188.

-Gordon, N.F.; Kohl, H.W.; Pollock, M.L.; Vaandrager, H.; Gibbons, L.W.; Blair, S.N. Cardiovascular safety of maximal strenght testing in healthy adults. American Journal of Cardiology. Vol. 76. 1995.p.851-853.

-Heikkinen, R.L. O papel da atividade física no envelhecimento saudável. Organização Mundial da Saúde. 1998.

-Hunger, G.R.; Mccarthy, J.P.; Bamman, M.M. Effects of resistance training on older adults. American Journal of Sports Medicine. Vol.34. Num.5. 2004. p.329-348.

-Marsola, T.S.; Carvalho, R.S.T.; Pires, C.M.R. Relação entre peso levantado em teste de 1rm e peso corporal de homens sedentários no exercício supino reto. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. Vol. 5. Num. 30. 2011. p.484-489. Disponível em: <http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/387/371>

-Maud, P.J.; Foster, C. Physiological Assessment of Human Fitnnes Champaing. Illinois. Human Kinectics. 1998. p.121-144.

-Nahas, M.V. A atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. Midiograf. 2ª edição. 2001.

-Nóbrega, A.C.L.; Freitas, E.V.; Oliveira, M.A.B.; Leitão, M.B.; Lazzoli, J.K.; Nahas, R.M.; Baptista, C.A.S.; Drummond, F.A.; Rezende, L.; Pereira, J.; Pinto, M.; Radominski, R.B.; Leite, N.; Thiele, E.S.; Hernandez, A.J.; Araújo, C.G.S.; Teixeira, J.A.C.; Carvalho, T.; Borges, S.F.; Rose, E.H. Posicionamento oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte e da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia: atividade física e saúde do idoso. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 5. Num. 6. 1999. p.207-211.

-Pasinato, M.T.M. Kornis, G.E.M. Cuidados de longa duração para idosos: um novo risco para os sistemas de seguridade social. Texto para discussão. Num. 1371. IPEA. 2009.

-Pereira, M.I.R.; Gomes, P.S.C. Testes de força e resistência muscular: confiabilidade e predição de uma repetição máxima: Revisão e novas evidências. Revista Brasileira de Medicina do Esporte Vol. 9. Num. 5. 2003. p.325-335.

-Rydwik, E.; Karlsson, C.; Akner, G. F. Muscle strength testing with one repetition maximum in the arm/shoulder for people aged 75 + - test-retest reliability. Clinical Rehabilitation. Vol. 21. 2007. p.258-265.

-Ueno, L.M. A influência da atividade física na capacidade funcional: envelhecimento. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. Vol. 4. Num. 2. 1999. p.57-68.

-United Nations Department of Economic and Social Affairs. Population Division. World population prospects 2004. acesso em 31/05/2013. Disponível em: http://esa.un.org/unpp/p2k0data.asp.

-Veras, R.P. País jovem de cabelos brancos: a saúde do idoso no Brasil. 2ª edição. Rio de Janeiro. Relume Dumará.1994.

-World Health Organization. Active ageing: a policy framework, a contribution of the World Health Organization to the second United Nations world assembly on ageing. Madrid (ES). WHO. 2002.

Publicado
2017-06-20
Como Citar
Bertani, R. F., Campos, G. de O., Pessanha, F. P. A. dos S., Bonardi, J. M. T., Lima, L. G., Ferriolli, E., Moriguti, J. C., & Lima, N. K. da C. (2017). Relação entre peso corporal e a carga em diferentes faixas etárias de idosas no exercício Leg Press. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 11(66), 272-277. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1117
Seção
Artigos Científicos - Original