O perfil da massa óssea em médicos: um estudo observacional

  • Alexandre Waszcenko Teixeira Ceulji/Ulbra
  • Rogério da Cunha Voser ESEFID/UFRGS
  • João Feliz Duarte de Moraes PUCRS
  • Luciana Zaniratti Tavares IPUC
  • Rodolfo Herberto Schneider PUCRS
Palavras-chave: Densidade Mineral Óssea, Atividade Física, Homens, Médicos

Resumo

Alterações da massa óssea ocorrem no envelhecimento e estão relacionadas ao estilo de vida, como a atividade física (AF) e atividade ocupacional profissional. Este estudo observacional e transversal tem como objetivo verificar a densidade mineral óssea da coluna lombar e fêmur proximal de 22 médicos do sexo masculino, com idade média de 64,0±4,9 anos. Neste estudo utilizou-se o equipamento DXA HOLOGIC WI software da coluna lombar, colo do fêmur e fêmur total. Utilizou-se o programa estatístico SPSS 18.0 para Windows para realizar a estatística descritiva. Todos os participantes assinaram o termo de consentimento livre e esclarecido. O presente estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da PUCRS, sob o número 11/05713. Os resultados mostraram a DMO da coluna lombar de 1,08 ± 0,17 e T-score de 0,04 ± 1,47; no colo do fêmur DMO de 0,74 ± 0,11 e do T-score de -1,33 ± 0,82 e no fêmur total com DMO 0,92 ± 0,10 e do T-score de -0,64 ± 0,70. Destes médicos avaliados 7 (31,8%) apresentaram a classificação dentro da normalidade; 13 (59,1%) com osteopenia e 2 (9,1%) com osteoporose. Estes achados mostram que as profissões que tenham baixo grau de atividade física podem ser um fator predisponente a diminuição da densidade mineral óssea. Para tanto, estes profissionais devem ser estimulados a compensarem com atividades físicas moderadas após a sua jornada de trabalho. Destaca-se que políticas públicas de atividades físicas poderão atingir uma maior parcela da população.

 

ABSTRACT 

The profile of bone mass in physicians: an observational study

Changes in the bone density occur during the aging process, being usually related to lifestyle, such as physical activity (PA) and professional occupation. This observational, cross-sectional study aims to check the bone mineral density (BMD) of the lumbar spine and proximal femur of 22 male individuals, all professionals of the health and medicine area, aging in average 64.0 ± 4.9 years. A DXA HOLOGIC WI equipment was used in this study, programmed with software for lumbar spine, femoral colon and total femur observations.  Statistic software SPSS 18.0 for Windows was used to perform the necessary descriptive statistics. All participants signed a free consent declaration and the study was submitted and approved by the Research Ethics Committee at PUCRS under the license number 11/05713. The results showed the lumbar spine BMD at 1.08 ± 0.17 with T-score 0.04 ± 1.47; femoral colon BMD at 0.74 ± 0.11 with T-score -1.33 ± 0.82; total femur BMD at 0.92 ± 0.10 with T-score -0.64 ± 0.70. A portion of 31.8% (7) of the subjects were classified within the normal range; 59.1% (13 individuals) were diagnosed with some degree of osteopenia; finally, 9.1% (2 subjects) were classified as osteoporosis carriers. These findings suggest that professions which provide low levels of physical activity may represent a predisposing factor to decreased bone mineral density. Therefore, these professionals should be encouraged to compensate their sedentary lifestyle with moderate physical activity combined with their work routine. It is noteworthy that public policies addressing physical activity and workout should reach a larger portion of the population.

Biografia do Autor

Alexandre Waszcenko Teixeira, Ceulji/Ulbra
Mestre em Gerontologia Biomédica pelo Instituto de Geriatria e Gerontologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul 2013. Especialista em Gestão no Esporte, Faculdade Sogipa 2011. Especialista em a Ciência Aplicada ao Futebol e Futsal, UFRGS 2009. Graduado em Educação Física pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul 2007. Atualmente é professor do Centro Universitário Luterano de Ji-Paraná - CEULJI/ULBRA. Já trabalhou também na Faculdade de Educação e Meio Ambiente FAEMA, onde foi coordenador e Professor do curso de Licenciatura em Educação Física (2014). Técnico das escolinhas da base do Sport Clube Internacional- Poa/Rs (2005); Técnico da equipe Universitária de Futsal feminino da PUCRS (2006); Técnico da equipe Juvenil de Futsal feminino do Lindóia Tênis Clube - POA/RS (2009/2010); Técnico da equipe de Futsal Feminino dos Correios (2013/2014); Preparador Físico da equipe Universitária de Futsal feminino da PUCRS (2004/2005); Gestor Esportivo no Lindóia Tênis Clube (2009/2011). Professor e Idealizador do Grupo de Ginástica para a 3ª Idade no Lindóia Tênis Clube (2007/2011) e do Grupo de Ginástica para 3ª Idade da Associação de Moradores do Bairro Jardim Itu-Poa-RS (2012/2014). Ministrou aulas de ginástica laboral em diversas empresas dentre elas: Correios, Polícia Rodoviária Federal e Superintendência do Ministério do Trabalho e Emprego/RS.
Rogério da Cunha Voser, ESEFID/UFRGS
Doutor em Ciências da Saúde na PUCRS, em 2006. Mestre em Ciências do Movimento Humano pela Escola de Educação Física da UFRGS, em 1998. Especialista em Ciências do Futebol e do Futebol de Salão pelas Faculdades Integradas Castelo Branco Centro Educacional de Realengo, em 1990. Licenciado em Educação Física pela ESEF-UFPEL, em 1988. Graduado em Fisioterapia pela ULBRA, em 1999. Foi atleta de várias equipes de Futsal do estado, atuou na Espanha, preparador físico do Inter/ULBRA e técnico da equipe juvenil da ULBRA. Tem experiência em escolas do município e particular. Consultor de vários cursos de Graduação e Especialização. É avaliador de Cursos Superiores e.MEC-INEP. Atualmente é Professor Associado nível 1 da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança da Universidade Federal do Rio Grande do Sul nas Disciplinas de Futsal, Bases das Práticas Corporais: esporte, Supervisão de estágio do Bacharelado e de TCC1 e TCC2. Na mesma Instituição é coordenador do NAU (Núcleo de Avaliação da Unidade - ESEFID/UFRGS).É um dos lideres do Grupo de Estudos em Esporte (GEE) da UFRGS/CNPQ. É coordenador do Programa Institucional de Bolsa de iniciação à Docência/PIBID - Educação Física da UFRGS. É vice-coordenador da Equipe Colaboradora 18 (RS) do Programa Segundo Tempo do Ministério do Esporte. Desenvolve Projetos de Extensão Universitária na área do Futsal. Já trabalhou também na ULBRA, PUCRS, Facos e São Judas Tadeu/RS. Ministra cursos de Futsal e Iniciação aos Esportes por todo o Brasil (extensão e pós-graduação).
João Feliz Duarte de Moraes, PUCRS
Possui graduação em Licenciatura de Curta Duração em Matemática pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Licenciatura em Ciências com Habilitação em Matemática pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Bacharelado em Estatística pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1986), Mestrado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1991) e Doutorado em Gerontologia Biomédica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2004). Atualmente é professor titular da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) e professor associado da Universidade Federal do Rio Grande do Sul . Membro do Comitê de ética em Pesquisa da PUCRS e relator Ad hoc da Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP). Tem experiência na área de Probabilidade e Estatística, com ênfase em Probabilidade e Estatística, atuando principalmente nos seguintes temas: ensino, qualidade de vida, estatística, envelhecimento e educação básica. e estatística aplicada à área da saúde.
Luciana Zaniratti Tavares, IPUC
Possui Curso Técnico em Radiologia e Curso Superior de Tecnólogo em Radiologia. Tem experiência nas áreas de mamografia e densitometria óssea sendo docente dessas disciplinas em curso técnico em radiologia. Domina as técnicas de exame, tendo sempre a preocupação do custo benefício em relação aos parâmetros técnicos usados para cada caso em estudo, prima pelo conforto e bem estar de suas pacientes.
Rodolfo Herberto Schneider, PUCRS
Possui graduação em Medicina pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1990), residência médica em Clínica Médica-Geriatria pelo Hospital São Lucas da PUCRS (1992-1994), título de especialista em Geriatria pela Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (2008), Habilitação em Densitometria Óssea pela Sociedade Brasileira de Densitometria Clínica, Colégio Brasileiro de Radiologia (1996), International Society for Clinical Densitometry (2006), Certificado de Atuação na Área de Densitometria Óssea da Associação Médica Brasileira e Colégio Brasileiro de Radiologia e Diagnóstico por Imagem, Certificado de Atuação na Área de Densitometria Óssea pelo Conselho Federal de Medicina e Conselho Regional de Medicina do Rio Grande do Sul, mestrado em Medicina e Ciências da Saúde pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1997) e doutorado em Medicina e Ciências da Saúde pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2003). Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Biomédica do Instituto de Geriatria e Gerontologia. Membro do Comitê de Ética em Pesquisa da PUCRS. Membro da Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Biomédica. Coordenador da Comissão Científica do Instituto de Geriatria e Gerontologia. Consultor da CAPES na Área Interdisciplinar. Chefe do Serviço de Densitometria Óssea do Hospital São Lucas da PUCRS. Pesquisador responsável pelo Grupo de Pesquisa em Envelhecimento Osteomuscular e Osteoporose (GEOMO)-CNPQ. Participação na disciplina de graduação Patologia da Enfermagem. Tem experiência nas áreas de Medicina e Pesquisa, com ênfase em Geriatria e Gerontologia, atuando principalmente nos seguintes temas: geriatria clínica, envelhecimento, qualidade de vida, aspectos psicológicos do envelhecimento, envelhecimento muscular, sarcopenia, metabolismo ósseo, osteoporose e DXA.

Referências

-Bemben, D.A.; Griffith, M.L.; Bemben, M.G. Occupational physical activity and bone density in older men. Med Sci Sports Exerc. Vol. 35. Núm. 5. Suppl 1. p.S20. 2003.

-Caspersen, C. J.; Powell, K. E.; Christenson, G. M. Physical activity, exercise, and physical fitness: definitions and distinctions for health related research. Public Health Rep. Vol. 100. Núm. 2. p.126-131. 1985.

-Chalmers, J.; Ho, K.C. Geographical variations in senile osteoporosis: the association with physical activity. J Bone Joint Surg Br. Vol. 52. Núm. 4. p.667-675. 1970.

-Dourado, C.M. Densidade mineral óssea em idosos e presença de fatores de risco nutricionais para osteoporose. Dissertação de Mestrado. Porto Alegre. PUCRS. 2012.

-Florindo, A.A.; Latorre, M.R.D.O.; Tanaka, T.; Jaime, P. C.; Zerbini, C. A. F. Atividade física habitual e sua relação com a densidade mineral óssea em homens adultos e idosos. Rev. Bras. Ativ. Fís. Saúde. Vol. 5. Núm. 1. p.22-34. 2000.

-Frazão, P.; Naveira, M. Fatores associados à baixa densidade mineral óssea em mulheres brancas. Rev Saúde Pública. Vol. 41. p.740-8. 2007.

-Gullberg, B.; Johnell, O.; Kanis, J.A. World-wide projections for hip fracture. Osteoporos Int. Vol. 7. p. 407-13. 1997.

-Gass, M.; Dawson-Hughes, B. Preventing osteoporosis-related fractures: an overview. Am J Med. Vol. 119. Núm. 4. Suppl 1. p.S3-S11. 2006.

-Jiang, H.X.; Majumdar, S.R., Dick, D.A.; Moreau, M.; Raso, J.; Ott, D.D.; Johnston, D.W. Development and initial validation of a risk score for predicting in-hospital and 1-year mortality in patients with hip fractures. J Bone Miner Res. Vol. 20. Núm. 3. p.494-500. 2005.

-Johnell, O; Kanis, J.A. An estimate of the worldwide prevalence and disability associated with osteoporotic fractures. Osteoporos Int. Vol. 17. Núm. 12. p.1726-1733. 2006.

-Kolbe-Alexander, T.L.; Charlton, K.E.; Lambert, E.V. Lifetime physical activity and determinants of estimated bone mineral density using calcaneal ultrasound in older South African adults. J Nutr Health Aging. Vol. 8. Núm. 6. p.521-30. 2004.

-Korpelainen, R.; Korpelainen, J.; Heikkinen, J.; Vaananen, K.; Keinane-Kiukaanninemi, S. Lifetime factors are associated with osteoporosis in lean women but not in normal and overweight women: a population-based cohort study of 1222 women. Osteoporos Int. Vol. 14. p.34-43. 2003.

-Lima, C.L.; Oliveira, L.G. Doenças Osteometabólicas. Clínica Ortopédica. Rio de Janeiro. Medsi. 2003.

-Matsudo, S.M.M.; Matsudo, V.K.R. Osteoporose e atividade física. Rev Bras Cienc Mov. Vol. 5. Núm. 3. p.33-60. 1991.

-Moraes, L. F.; Silva, E.N.; Silva, D.A.; Paula, A.P. Expenditures on the treatment of osteoporosis in the elderly in Brazil (2008 - 2010): analysis of associated factors. Rev Bras Epidemiol. Vol. 17. Núm. 3. p.719-734. 2014.

-Orwoll, E.; Ettinge, M.; Weiss, S.; Mille, P.; Kendler, D.; Graham, J.; Adami, S.; Weber, K.; Lorenc, R.; Pietschmann, P.; Vandormael, K.; Lombardi, A. Alendronate for the Treatment of Osteoporosis in Men. New Eng J Med. Vol. 343. Vol. 9. p.604-610. 2000.

-Reyes, M.O.; Archer, J.A.; Nunlee-Bland, G.; Daniel, G.; Morgan, O.A.; Makambi, K. Bone mass in physicians: a Howard University Hospital pilot study. J Natl Med Assoc. Vol. 96. Núm. 3. p.301. 2004.

-Ribeiro, A.C.; Barbosa, R. R.; Vasconcelos, J. W. Exercício físico, densidade mineral óssea e osteoporose. Rev. Ciênc. Saúde. Vol. 12. Núm. 2. p.122-128. 2010.

-Terra, N.; Oppermann, R.; Terra P. Doenças geriátricas e exercícios físicos. Porto Alegre. EDIPUCRS. 2010.

-Thomas, J. R.; Nelson, J. K.; Silverman, S. J. Métodos de pesquisa em atividade física. 6ª edição. Porto Alegre. Artmed. 2012.

-Voser, R.C. Comparação da densidade mineral óssea entre homens de meia idade que exercem diferentes tipos de atividades profissionais. Tese de Doutorado. Porto Alegre. PUCRS. 2006.

-Weiss, M.; Yogev, R.; Dolev, E. Occupational sitting and low hip mineral density. Calcif Tissue Int. Vol. 62. Núm. 1. p.47-50.1988.

Publicado
2017-06-25
Como Citar
Teixeira, A. W., Voser, R. da C., Moraes, J. F. D. de, Tavares, L. Z., & Schneider, R. H. (2017). O perfil da massa óssea em médicos: um estudo observacional. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 11(67), 492-497. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1192
Seção
Artigos Científicos - Original