Efeito da propriocepção no treinamento resistido em homens com diferentes níveis de treinamento

Renato Reche, Sara Teresinha Corazza, Rubian Diego Andrade, Gaia Salvador Claumann, Érico Pereira Gomes Felden, Andreia Pelegrini

Resumo


Introdução e objetivos: A execução e controle dos movimentos para a realização de atividades diárias dependem diretamente da capacidade proprioceptiva e de força de cada indivíduo. O objetivo deste estudo foi investigar o efeito agudo do treinamento resistido na propriocepção relacionada à percepção de força em homens adultos, iniciantes e treinados. Materiais e métodos: Foram avaliados 44 indivíduos com média de idade de 28,65 (6,37) anos, sendo 34 treinados e 10 iniciantes. Os indivíduos foram avaliados utilizando-se de um dinamômetro de preensão manual, antes e após uma sessão de treinamento. A partir da força máxima foram calculados os erros relativos a forças submáximas a 50% e 25%. Resultados: A força máxima e os valores de erro relativo às forças submáximas não apresentaram diferenças entre os grupos iniciante e treinado. Na análise em pré e pós-teste foi identificado aumento no erro relativo a 50% da força máxima no grupo treinado (p=0,025). Além disso, os índices de força máxima de preensão manual foram superiores no pós-teste, especialmente no grupo treinado (p<0,001). Desta forma, identificou-se efeitos agudos do treinamento resistido apenas no grupo treinado caracterizado por um aumento da força máxima e diminuição da propriocepção relacionado ao controle de força na intensidade submáxima a 50%. Conclusão: Atividades motoras que necessitem de controle de forças submáximas logo após o treinamento resistido, poderiam sofrer diminuição do controle de movimento.

 

ABSTRACT 

Effect of proprioception on resistance training in men with different levels of training

Introduction and objectives: The execution and control of movement to perform daily activities depend directly on the proprioceptive ability and strength of each individual. This study aimed to investigate the acute effect of resistance training in proprioception related to perception of force in adult men, beginners and trained. Materials and methods: 44 individuals with mean age of 28.65 (6.37) years, which 34 were trained and 10 were beginners, were evaluated. The individuals were evaluated using a handgrip dynamometer, before and after one training session. Errors related to submaximal forces at 25% and 50% were calculated from the maximal force. Results: The maximal force and the values of errors related to submaximal forces did not present differences between beginners and trained groups. In the analysis of pre and post-test it was identified an increase in relative error at 50% of maximal force in trained group (p=0.025). Furthermore, the indexes of maximal handgrip force were higher in post-test, especially in trained group (p<0.001). Thus, acute effects of resistance training were identified only in trained group characterized by an increase of maximal force and decrease of proprioception related to force control in the submaximal intensity at 50%. Conclusion: motor activities that require control submaximal forces soon after resistance training, could suffer decreased motion control.


Palavras-chave


Propriocepção; Força Muscular; Treinamento de Resistência; Força da mão; Dinamômetro de Força Muscular

Texto completo:

PDF

Referências


-American College of Sports Medicine. Position Stand: Progression models in resistance training for healthy adults. Medicine and science in sports and exercise. Vol. 41. Num. 3. 2009. p.687-708.

-Antes, D.L.; Contreira, A.R.; Katzer, J.I.; Corazza, S.T. Propriocepção de joelho em jovens e idosas praticantes de exercícios físicos. Fisioter e Pesquisa. Vol. 16. Num. 4. 2009. p.306-310.

-Berchicci, M.; Menotti, F.; Macaluso, A.; Di Russo, F. The neurophysiology of central and peripheral fatigue during sub-maximal lower limb isometric contractions. Frontiers in human neuroscience. Vol. 7. 2013. p.135.

-Blanchard, C.; Roll, R.; Roll, J.P. Kavounoudias A. Differential contributions of vision, touch and muscle proprioception to the coding of hand movements. PloS one. Vol. 8. Num. 4. 2013.

-Borg, G. Escalas de Borg para a dor e o esforço percebido. São Paulo. Manole. 2000.

-Caiozzo, V.J.; Laird, T.; Chow, K.; Prietto, C.A.; McMaster, W.C. The use of precontractions to enhance the in-vivo force velocity relationship. Medicine & Science in Sports & Exercise. Vol. 14. Num. 2. 1982. p.162.

-Carpes, F.P.; Bini, R.R.; Mota, C.B. Training level, perception and bilateral asymmetry during multi-joint leg-press exercise. Brazilian Journal of Biomotricity. Vol. 2. Num. 1. 2008. p.51-62.

-Corazza, S.T.; Pereira, E.F.; Villis, J.M.C. Propriocepção e a familiarização ao meio líquido. Lecturas: Educación física y deportes. Vol. 82. 2005.

-Deshpande, N.; Connelly, D.M.; Culham, E.G.; Costigan, P.A. Reliability and validity of ankle proprioceptive measures. Archives of physical medicine and rehabilitation. Vol. 84. Num. 6. 2003. p.883-889.

-Ellenbecker, T.S. Reabilitação dos ligamentos do joelho. Barueri. Manole. 2002.

-Fleck, J.S.; Kraemer, J.W.; Fundamentos do treinamento de força muscular. Porto Alegre. Artmed. 1999.

-Fortier, S.; Basset, F.A. The effects of exercise on limb proprioceptive signals. Journal of electromyography and kinesiology. Vol. 22. Num. 6. 2012. p.795-802.

-Gil, A.C. Como elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo. Atlas. 2010.

-Jones, L.A.; Hunter, I.W. Effect of fatigue on force sensation. Experimental Neurology. Vol. 81. Num. 3. 1983. p 640-650.

-Luu, B.L.; Day, B.L.; Cole, J.D.; Fitzpatrick, R.C. The fusimotor and reafferent origin of the sense of force and weight. The Journal of physiology. Vol. 589. Num. 13. 2011. p. 3135-3147.

-Magill, R.A. Aprendizagem motora: conceitos e aplicações. São Paulo. Blucher. 2000.

-Martins, A.; Pereira, E.F.; Teixeira, C.S.; Corazza, S.T. Relação entre força dinâmica máxima de membros inferiores e o equilíbrio corporal em praticantes de musculação. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Vol. 12. Num. 5. 2010. p.375-380.

-Moraes, R.; Mauerberg de Castro, E.; Schuller, J. Efeito da experiência atlética e de diferentes grupos musculares na percepção de força. Motriz. Vol. 6. Num. 6. 2009. p.17-26.

-Pick, J.; Becque, M.D. The relationship between training status and intensity on muscle activation and relative submaximal lifting capacity during the back squat. Journal of Strength & Conditioned Research. Vol. 14. Num. 2. 2000. p.175-181.

-Richards, L.G.; Olson, B.; Palmiter-Thomas, P. How forearm position affects grip strength. The American journal of occupational therapy. Bimonthly. Vol. 50. Num. 2. 1996. p.133-138.

-Schmidt, R.; Wrisberg, C. A. Aprendizagem e performance motora: uma abordagem da aprendizagem baseada no problema. Porto Alegre. Artmed. 2001.

-Sterner, R.L.; Pincivero, D.M.; Lephart, S.M. The effects of muscular fatigue on shoulder proprioception. Clinical journal of sport medicine. Vol. 8. Num. 2. 1998. p. 96-101.

-Stock, A.K.; Wascher, E.; Beste, C. Differential effects of motor efference copies and proprioceptive information on response evaluation processes. PloS one. Vol. 8. Num. 4. 2013.

-Tiggemann, C. Comportamento da percepção de esforço em diferentes cargas de exercício de força em adultos sedentários, ativos, treinados. Dissertação de Mestrado. UFRS. Porto Alegre. 2007.

-Wong, J.D.; Wilson, E.T.; Gribble, P.L. Spatially selective enhancement of proprioceptive acuity following motor learning. Journal of Neurophysiology. Vol. 105. Num, 5. 2011. p.2512-2521.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui