Acurácia da escala de Borg para nadadores não-atletas

Marcelo Luiz Silva Corso, Tiago Costa Figueiredo

Resumo


A prática de natação melhora a aptidão cardiovascular desde que as variáveis agudas do exercício, como a intensidade, estão sob controle. O objetivo deste estudo foi verificar a relação entre a frequência cardíaca (FC) e a percepção subjetiva de esforço (PSE) em nadadores não-atletas e testar diferenças significativas entre os sexos. Participaram 13 homens e 11 mulheres (30,04 ± 3,95) que realizaram 5x50 metros livres progressivamente, a 70%, 77%, 84%, 93% e 100% da sua velocidade máxima. Foram coletados a velocidade (V), FC e PSE no fim de cada série. Para análise dos dados foi utilizada a correlação de Pearson entre: FC e PSE, V e FC e V e PSE e teste t de Student para comparar as médias de V, FC e PSE entre os sexos (α < 0,05). Foram obtidas correlações significativas entre FC e PSE (r=0,67) e V e PSE (r=0,61). A correlação entre as variáveis V e FC foi baixa (r=0,42).  Houve diferença significativa entre os sexos na V em todas as intensidades (70% p=0,0006; 77% p=0,0003; 84% p= 0,0002; 93% p=0,0005 e 100% p=0,0006 respectivamente) e na PSE a 70% e 84% (p=0,047 e p=0,040 respectivamente) (p<0,05). Os resultados indicaram que a EPE de Borg (6 -20) é um instrumento de medida acurado para o controle de intensidade do treinamento em nadadores não atletas.

 

ABSTRACT 

Borg's scale achievement for non-athlete swimmers

The swimming practice improves the cardiovascular function since the acute exercise variables, as intensity, are under control. The aim of this study was to verify the relationship between heart rate (HR) and rating of perceived exertion (RPE) in recreational adult swimmers as well as to test for significant sex differences. It 13 men and 11 women (mean age 30.04±3.95) who swam 5 x 50 meters using front crawl stroke of 70%, 77%, 84%, 93% and 100% of maximum speed. We measured average swimming speed (S), heart rate (HR) and ratings of perceived exertion (RPE) on each trial. Pearson product-moment correlations determined the relationship between the values of HR and RPE, S and HR, and S and RPE, while Student’s t test compared differences on RPE between sexes (α < 0.05). Significant moderate relationships existed between RPE and HR (r=0.67) and between S and RPE (r=0.61). The relationship between S and HR (r=0.42) was low. We noted significant differences in S between males and females at all intensities (70% p=0.0006; 77% p=0.0003; 84% p=0.0002; 93% p=0.0005 and 100% p=0.0006) and in the RPE at 70% and 84% (p=0.047 e p=0.040 respectively) (p<0.05). The results indicated that the Borg RPE scale may serve as a accurate measure for determining swimming exercise intensity among recreational swimmers.


Palavras-chave


Natação; Frequência cardíaca; Exercício físico

Texto completo:

PDF

Referências


-American College of Sports Medicine. Position Stand on the recommended quantity and quality of exercising for developing and maintaining cardiorespiratory, musculoskeletal, and neuromotora fitness in apparently healthy adults: guidance for prescribing exercise. Medicine & Science in Sports & Exercise. Vol. 43. Num. 7. 2011. p.1334-1359.

-Alberton, C. L.; Antunes, A. H; Pinto, S. S; Tartaruga, M. P; Silva, E. M.; Cadore, E. L.; Kruel, L. F. M. Correlation between rating of perceived exertion and physiological variables during the execution of stationary running in water at different cadences. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 25. Num. 1. 2011. p. 155-162.

-Alberton, C. L.; Kruel, L. F. M. Influência da imersão nas respostas cardiorrespiratórias em repouso. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 15. Num. 3. 2009. p.228-232.

-Borg, G. V. Borg’s perceived exertion and pain scales. Champaign. IL: Human Kinetics,.1998.

-Borg, G. Escalas de Borg para a dor e o esforço percebido. São Paulo. Manole. 2000.

-Caputo, F.; Oliveira, M. F. M.; Denadai, B. S.; Greco, C. C. Fatores intrínsecos do custo energético da locomoção durante a natação. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 12. Núm. 6. 2006. p.399-404.

-Graef, I. F; Kruel, L. F. M. Frequência cardíaca e percepção subjetiva do esforço no meio aquático: diferenças em relação ao meio terrestre e aplicações na prescrição do exercício: uma revisão. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 12. Num. 4. 2006. p.221-228.

-Koltin, K. F.; O’connor, P. J.; Morgan, W. P. Perception of effort in female and male competitive swimmers. International Journal Sports Medicine. Vol. 12. Num. 4. 1991. p. 427-429.

-Kurokawa, T.; Ueda, T. Validity of ratings of perceived exertion as an index of exercise intensity in swimming training. The Annals Physiolgical Anthropology. Vol. 11. Num. 3. 1992. p.277-288.

-Lima, M. C. S.; Junior, P. B.; Gobatto, C. A.; Junior, J. R. G.; Ribeiro, L. F. P. Proposta de teste incremental baseado na percepção subjetiva de esforço para determinação de limiares metabólicos e parâmetros mecânicos do nado livre. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 12. Num. 5. 2006. p.268-274.

-Linnarsson, D. Dynamics of pulmonar gas Exchange and heart rate changes at start and end of exercise. Acta Physiology Scandinavian. Vol. 415. Suplemmentum. 1974. p.1-68.

-Maglisho, E. W. Nadando o mais rápido possível. São Paulo: Ed. Manole, 2010.

-Moraes, E.Z.C.; Kruel, L.F.M.; Sampedro, R.M.F.; Lopes, L.F.D. Metodologia de medida de esforço para exercícios de hidroginástica em diferentes profundidades de água. Revista Kinesis. Num. 27. 2002. p.43-64.

-Müller, F. G.; Santos, E.; Tartaruga, L. P.; Lima, W. C.; Kruel, L. F. M. Comportamento da frequência cardíaca em indivíduos imersos em diferentes temperaturas de água. Revista Mineira de Educação Física. Vol. 9. Núm. 1. p.7-23. 2001.

-Nakamura, F. Y.; Gancedo, M. R.; Silva, L. A.; Lima, J. R. P.; Kokubun, E. Utilização do esforço percebido na determinação da velocidade crítica em corrida aquática. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 11. Num. 1. 2005. p.1-5.

-Psycharakis, S. G. A longitudinal analysis on the validity and reliability of ratings of perceived exertion for elite swimmers. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 25. Num. 2. 2011. p.420-426.

-Shephard, R. J. PAR-Q, Canadian home fitness test and exercise screening alternatives. Sports Medicine. Vol. 5. Num 3. 1988. p.185-195.

-Ueda, T.; Kurokawa, T. Relationships between perceived exertion and physiological variables during swimming. International Journal Sports Medicine. Vol. 16. Num. 6. 1995. p.385-389.

-Wallace, L. K.; Slaterry, K. M.; Coutts, A. J. The ecological validity and application of the session-RPE method for quantifying training loads in swimming. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 23. Num. 1. 2009. p.33-38.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui