Relação da circunferência de cintura com a qualidade de vida em alunos de 20 a 50 anos de uma academia no município de Alta Floresta D'Oeste-RO

João Victor Godoi Silva, Geysa Cristina Farias da Silva, Fernando Costa Baia, Rafael Ayres Romanholo, Adriano Robson Nogueira da Lucena, Adriano Robson Nogueira da Lucena, Mario Sergio Vaz da Silva, Joeliton Elias Pereira

Resumo


A pesquisa objetivou analisar a relação da circunferência de cintura com a qualidade de vida. Participou 44 alunos, com faixa etária compreendida entre 20 e 50 anos, matriculados em uma academia no município de Alta Floresta D’Oeste-RO. Para identificar da circunferência da cintura foi utilizada uma fita antropométrica Sanny TR4010 e para identificar a de qualidade de vida o questionário de auto-percepção WHOQOL-Bref. Os dados foram tabulados no programa Microsoft Excel 2010, utilizando uma estatística descritiva comparativa, calculando média, desvio padrão e percentual e o teste de correlação linear de Pearson para relacionar as variáveis. Participaram 10 homens (22,73%), com idade média de 28,2 ± 7,02, e 34 mulheres (77,27%) com idade média de 31,18 ± 6,81. A circunferência de cintura da amostra masculina apresentou uma média de 83,7 ± 5,54 centímetros, e a feminina uma média de 70,66 ± 5,67, identificando um indivíduo com riscos de desenvolver doenças metabólicas. A qualidade de vida demonstrou um resultado de 71,18%, com 72,72% da amostra classificando essa qualidade como “boa”. Dentre os domínios o que apresentou maior resultado foram às relações sociais (76,70%), e com o menor foi o ambiente (63,28%). Não houve grandes diferenças entre os gêneros nos resultados obtidos nos domínios, e assim como na hipótese H0 não foi encontrada correlação entre a circunferência de cintura e a qualidade de vida.

 

ABSTRACT

Relationship of circumference of waist with quality of life in students of 20 to 50 years of an academy in the municipality of Alta Floresta D'Oeste-RO

The aim of this research was to analyze the relationship between waist circumference and quality of life. Participants were 44 students, aged between 20 and 50 years, enrolled in a academy in Alta Floresta D'Oeste-RO. A Sanny TR4010 anthropometric tape was used to identify the waist circumference and to identify the quality of life of the WHOQOL-Bref self-perception questionnaire. Data were tabulated in the Microsoft Excel 2010 program, using comparative descriptive statistics, averaging, standard deviation and percentage, and Pearson's linear correlation test to relate the variables. Ten men’s (22.73%) participated, with a mean age of 28.2 ± 7.02, and 34 women’s (77.27%) with a mean age of 31.18 ± 6.81. The waist circumference of the males sample presented an average of 83.7 ± 5.54 cm, and the females an average of 70.66 ± 5.67, identifying an individual with a risk of developing metabolic diseases. The quality of life showed a result of 71.18%, with 72.72% of the sample classifying this quality as "good". Among the domains, the greatest result was social relations (76.70%), and the lowest was the environment (63.28%). There were no greatest differences between the genders in the results obtained in the domains, and as in the H0 hypothesis no correlation was found between waist circumference and quality of life.

Palavras-chave


Qualidade de vida; Circunferência de cintura; Pessoas fisicamente ativas

Texto completo:

PDF

Referências


-Almeida, M.A.B.; Gutierrez, G.L.; Marques, R. Qualidade de vida: Definição, conceitos e interfaces com outras áreas de pesquisa. São Paulo: Escola de Artes, Ciências e Humanidades-EACH/USP. 2012.

-Antunes, H.K.M.; e colaboradores. Depression, anxiety and quality of life scores in seniors after an endurance exercise program. Rev. Bras. Psiquiatr. Vol. 27. Núm. 4. p.266-271. 2005.

-Benedetti, T.R.B.; e colaboradores. Atividade física e estado de saúde mental de idosos. Rev. Saúde Pública. Vol. 42. Núm. 2. p.302-307. 2008.

-Cabrera, M.A. S.; e colaboradores. Relação do índice de massa corporal, da relação cintura-quadril e da circunferência abdominal com a mortalidade em mulheres idosas: seguimento de 5 anos. Cad. Saúde Pública. Vol. 21. Núm. 3. p.767-775. 2005.

-Carlucci, E.M.S.; e colaboradores. Obesidade e sedentarismo: fatores de risco para doença cardiovascular. Com. Ciências Saúde. Vol. 24. Núm. 4. p.375-384. 2013.

-Fleck, M.P.; e colaboradores. Desenvolvimento da versão em português do instrumento de avaliação de qualidade de vida da OMS (WHOQOL-100). Rev. Bras. Psiquiatr. Vol. 21. Núm. 1. p.19-28. 1999.

-Glaner, M. F. Importância da aptidão física relacionada à saúde. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano. Vol. 5. Núm. 2. p. 75-85. 2003.

-Gonçalves, R.; Vilarta, R. Qualidade de vida e atividade física - explorando teorias e práticas. Manole. 2004. 287 p.

-Grossl, T.; Lima, L.R.A.; Karasiak, F.C. Relação entre a gordura corporal e indicadores antropométricos em adultos frequentadores de academia. Revista Motricidade. Vol. 6. Num. 2. p.35-45. 2010.

-Interdonato, G. C. G. Qualidade de Vida Percebida por Indivíduos Fisicamente Ativos e Sedentários. R. bras. Ci. e Mov. Vol. 18. Núm. 1. p.61-67. 2010.

-Karine, G. O. Analise da Auto-Percepção de Qualidade de Vida de Homens e Mulheres entre 18 e 64 anos da Cidade de Aveiro, Portugal. Dissertação de Mestrado em Ciências do Desporto. Faculdade de Desporto. Universidade do Porto. Porto. 2009.

-Knechtel, M.R. Metodologia da Pesquisa em Educação: uma abordagem teórica-prática dialogada. livro eletrônico. Curitiba. Intersaberes. 2014.

-Lakatos, E.M.; Marconi, M.A. Fundamentos de Metodologia científica. São Paulo. Atlas. 1985.

-Martinelli, LM.B.; e colaboradores. Quality of Life and Its Association with Cardiovascular Risk Factors in a Community Health Care Program Population. Clinical Science. Vol. 63. Núm. 6. p.783-788.

-Miranzi, S.S.C.; e colaboradores. Qualidade de vida de indivíduos com diabetes mellitus e hipertensão acompanhados por uma equipe de saúde da família. Enfermagem. Vol. 17. Núm. 4. 2008.

-Moraes, H.; e colaboradores. O exercício físico no tratamento da depressão em idosos: revisão sistemática. Rev. psiquiatr. Vol. 29. Núm. 1. p.70-79. 2007.

-Panagiotakos, D. B.; Pitsavos, C.; Skoumas, Y.; Lentzas, Y.; Papadimitriou L.; Chrysohoou, C; Stefanadis, C. Abdominal obesity, blood glucose and apolipoprotein B levels are the Best predictors of the incidence of hypercholesterolemia (2001-2006) among healthy adults: the ATTICA Study. Lipids in Health and Disease. Vol. 7. Núm. 11. 2008.

-Pedroso, B.; e colaboradores. Cálculo dos escores e estatística descritiva do WHOQOL-bref através do Microsoft Excel. Revista brasileira de qualidade de vida. Vol. 2. Núm. 1. p.31-36. 2010.

-Pitanga, F.J.G. Antropometria na avaliação da obesidade abdominal e risco coronariano. Rev. Bras. Cineantropom. Desempenho Hum. Vol. 13. Núm. 3. p.238-241. 2011.

-Queiroga, M.R. Testes e medidas para avaliação da aptidão física relacionada à saúde em adultos, Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2005.

-Rocha, A. C.; Guedes Junior, D. P. Avaliação física para treinamento personalizado, academias e esportes: uma abordagem didática, prática e atual. São Paulo. Phorte. 2013.

-Roeder, M.A. Atividade Física, Saúde Mental e Qualidade de Vida. Rio de Janeiro. Shape. 365 p. 2003.

-Santos, K.R.; Branquinho, G.A.C.; Ribeiro, Y.G. Composição corporal e aptidão física dos acadêmicos do curso de Educação Física do Campus Catalão-GO e sua relação com a qualidade de vida. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires. Ano 15. Núm. 154. 2011.

-Seidl, E.M.F.; Zannon, C.M.L.C. Qualidade de vida e saúde: aspectos conceituais e metodológicos. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro. Vol. 20. Núm. 2. p.580-588. 2004.

-Sharkey B. J. Condicionamento físico e saúde: Porto Alegre: Artmed 4ª edição. 2002.

-Souza, L.J.; e colaboradores. Prevalência de obesidade e fatores de risco cardiovascular em Campo, Rio de Janeiro. Arq Bras Endocrinol Metab. Vol. 47. Núm. 6. p.669-676. 2003.

-Toscano, J. J. O.; Cabral, D.E.; Oliveira, A.C. Qualidade de vida em idosos com distintos níveis de atividade física. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 15. Núm. 3. 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui