Antropometria e força muscular de indivíduos hemofílicos da cidade de João Pessoa-PB

Moisés Arcanjo Targino Júnior, Marcos Antonio de Araújo Leite Filho, Ramon Cunha Montenegro, Eric Lucena Barbosa

Resumo


Introdução: As coagulopatias não atingem grande parte da população em geral, porém as pessoas acometidas por tais patologias podem apresentar alterações fisiológicas, psicológicas e sociais, gerando grandes consequências, entre elas a redução dos níveis de força muscular (NFM) e da qualidade de vida (QV). Objetivo: avaliar a antropometria e a força muscular de indivíduos portadores de Hemofilia da cidade de João Pessoa-PB. Metodologia: A pesquisa é de caráter descritivo, comparativo e transversal. Participou do estudo um grupo de 20 indivíduos, sendo 10 (homens) acometidos de hemofilia A, e 10 homens sem patologias hereditárias (G2), com idade entre 18 e 26 anos. Para a avaliação antropométrica, foi utilizado o Sistema InBody 720. Utilizou-se como protocolo para a avaliação da força muscular o dinamômetro manual analógico da marca Smedley®. Também foi utilizado o dinamômetro III T16-K da marca Smedley® para avaliar os níveis de força Isométrica dos MMII. Para a análise dos dados foi utilizado o teste de Shapiro-Wilk, para verificar a normalidade das variáveis e o teste U de Mann-Whitney com p<0,05. Resultados: Não foram encontradas diferenças significativas entre os dois grupos em nenhuma das variáveis analisadas no estudo. Foi identificado que o G1 se encontrava superior ao G2 em relação ao percentual de gordura (G1=17,8%; G2=12,6%), massa gorda (G1=10,9 kg; G2=8,5 kg) e gordura visceral (G1=47,9 kg; G2=34,6 kg), entretanto, não foram identificadas diferenças significativas. Conclusão: Não há diferenças significativas entre hemofílicos e indivíduos saudáveis em relação à composição corporal e a força muscular isométrica.

 

ABSTRACT

Antropometry and muscular force of hemophilic individuals of the city of João Pessoa-PB

Introduction: Coagulopathies do not reach a large part of the general population, but those affected by these pathologies may present physiological, psychological and social changes, generating great consequences, among them the reduction of muscle strength levels (NFM) and quality of life (QV). Objective: to evaluate the anthropometry and muscular strength of individuals with hemophilia in the city of João Pessoa-PB. Methodology: The research is descriptive, comparative and transversal. A group of 20 individuals participated, 10 (men) suffering from hemophilia A, and 10 men without hereditary conditions (G2), aged between 18 and 26 years. For the anthropometric evaluation, the InBody 720 System was used. The Smedley® brand analog dynamometer was used as the protocol for the evaluation of muscle strength. We also used the Smedley® brand T16-K dynamometer III to evaluate the ISIII strength levels of LLLs. For the data analysis, the Shapiro-Wilk test was used to verify the normality of the variables and the Mann-Whitney U test with p <0.05. Results: No significant differences were found between the two groups in any of the variables analyzed in the study. It was identified that G1 was higher than G2 in relation to fat percentage (G1 = 17.8%, G2 = 12.6%), fat mass (G1 = 10.9 kg, G2 = 8.5 kg) And visceral fat (G1 = 47.9 kg; G2 = 34.6 kg), however, no significant differences were identified. Conclusion: There are no significant differences between hemophiliacs and healthy individuals in relation to body composition and isometric muscle strength.

Palavras-chave


Hemofilia; Força muscular; Composição corporal

Texto completo:

PDF

Referências


-Barros, J.F.; Godoy, J.R.P.; Moreira, D.; Junior, W. Força de aperto da preensão palmar com o uso do dinamômetro Jamar: revisão de literatura. Efdeportes. Núm. 79. 2004.

-Beltrame, L.G.N. Atividade Física e Estilo de Vida de Pessoas com Coagulopatias. Revista brasileira de ciências da saúde. Vol. 18. p.27-33. 2008.

-Henrard, S.; Speybroeck. N.; Hermans, C. Body weight and fat mass index as strong predictors of factor VIII in vivo recovery in adults with hemophilia A. Journal of thrombosis and haemostasis. p.1784-1790. 2011.

-Hilberg, T.; Herbsleb, M.; Puta, C.; Gabriel, H.H.; Schramm, W. Physical training increases isometric muscular strength and proprioceptive performance in haemophilic subjects. Haemophilia. p.86-93. 2003.

-Hilberg, T.; Herbsleb, M.; Puta, C.; Gabriel, H.H.; Schramm, W. Proprioception and isometric muscular strength in haemophilic subjects. Haemophilia. p.582-588. 2001.

-Mathiowetz, V.; Kashman, N.; Volland, G.; Weber, K.; Dowe, M.; Rogers, S. Grip and pinch strength: Normative data for adults. Arch Phys Med Rehabil. Vol. 66. p.69-72. 1985.

-Muñoz, G.L.F.; Palacios-Espinosa Ximena. Calidad de vida y hemofilia: Una revisión de la literatura. CES Psicol. p.169-191. 2015.

-Pravatto, A. Hemofilia: homeostasia e exercício. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. Vol. 2. Núm. 8. p.221-232. 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui