Nível de atividade física em crianças com indicativos do transtorno de deficit de atenção e hiperatividade

Tainara de Almeida, Liana Lobato, Renata Aparecida Rodrigues de Oliveira, Elizângela Fernandes Ferreira

Resumo


A prática de atividade física é uma ferramenta na prevenção de doenças crônico-degenerativas, no entanto ainda se observa um elevado índice de sedentarismo na população, em especial com pessoas que apresentam algum tipo de deficiência.  Diante disso, o objetivo deste estudo foi avaliar e comparar o nível de atividade física em crianças com e sem sintomas de TDAH, em um município de Minas Gerais. Empregou-se o questionário SNAP-IV para detectar os indicativos de TDAH e o DAFA para verificar o nível de atividade física. Os dados foram analisados mediante a estatística descritiva e o teste de qui-quadrado pelo programa SPSS. 22.0. Os resultados indicaram que 73% da amostra não apresentava indicativos de TDAH e 13,50% apresentam sintomas de TDAH do tipo desatento e 13,50% misto. Em relação ao nível de atividade física, as crianças com indicativos de TDAH apresentaram um estilo de vida intermediário (60%) e as que não apresentaram os s tiveram o estilo de vida menos ativo (55,60%). Nos tipos de atividades físicas praticadas, jogar bola foi a mais praticada pelas crianças com indicativos de TDAH, enquanto que as crianças que não apresentaram os indicativos de TDAH praticaram mais a natação, diferenças estatísticas (p<0,05), em ambas as atividades. Concluiu-se que o nível de atividade física de crianças com indicativos de TDAH é relativamente baixo. Além disso, quando comparado o nível de atividade física entre crianças com e sem indicativos para TDAH, não houve diferenças estatísticas, sugerindo que o nível de atividade física seja semelhante em ambos os grupos.

 

ABSTRACT

Physical activity level in children with indicators of attention-deficit/hyperactivity disorder

The practice of physical activity is a tool in the prevention of chronic-degenerative diseases, however there is still a high rate of sedentarism in the population, especially with people with some type of disability. Therefore, the objective of this study was to evaluate and compare the level of physical activity in children with and without symptoms of ADHD in a city of Minas Gerais. The SNAP-IV questionnaire was used to detect the ADHD indications and the DAFA to verify the level of physical activity. The data were analyzed through descriptive statistics and the chi-square test by the SPSS program. 22.0. The results indicated that 73% of the sample did not present indicative of ADHD and 13.50% presented symptoms of ADHD of the inattentive type and 13.50% mixed. Regarding the level of physical activity, children with ADHD indicatives had an intermediate lifestyle (60%) and those who did not have had a less active lifestyle (55.60%). In the types of physical activities practiced, playing ball was the most practiced by children with ADHD indications, while children who did not present ADHD cues practiced more swimming, statistical differences (p <0.05), in both activities. It was concluded that the level of physical activity in children with indicative ADHD is relatively low. In addition, when comparing the level of physical activity among children with and without indicatives for ADHD, there were no statistical differences, suggesting that the level of physical activity is similar in both groups.

Palavras-chave


Exercício; Educação Física e Treinamento; Estilo de Vida Sedentário

Texto completo:

PDF

Referências


-Alhassan S.; Robinson T. N. Defining accelerometer thresholds for physical activity in girls using ROC analysis. Journal of Physical Activity and Health. Champaign. Vol. 7. 2010. p.4 5-53.

-Allenderl, S.; Cowburn, G.; Foster, C. Understanding participation in sport and physical activity among children and adults: A review of qualitative studies. Health Education Research. Vol. 21. Num. 6. 2006. p. 826-835.

-American Heart Association. Statement on exercise. Circulation. Vol. 86. Num. 1. 1992. p. 2726-2730.

-American Psychiatric Association. Diagnostic and statistical manual of mental disorders. Fourth edition. Washington (DC): American Psychiatric Association. 1994.

-Avila, M.E.A.I.; Hernandez-Martinez, J.A.; Dominguéz, D.L.; Escalante, J.E.V.; Díaz, M.D.; Baeza, V.M.; Espinoza, E.B.; Macías, L.G.; Ortiz, G.; Gloria, A.M.; Esquievel, A.L.C.; Ostos, M.H.R. Obesidad infantile. Revista de Investigacion Medica Sur Mex. Vol. 22. Num. 4. 2015. p. 162-168.

-Bracco, M.M.; ColugnatiI, F.A.B.; Pratt, M.; Taddei, J. A.A.C. Multivariate hierarchical model for physical inactivity among public school children. Journal Pediatric. Vol. 82. 2006. p. 302-307.

-Broderick, C. R.; Winter, G. J.; Allan, R. M. Sport for special groups. The Medical Journal of Australia. Vol. 184. Num. 6. 2006. p. 297-302.

-Bueno, D.R.; Marucci, M.F.N.; Codogno, J.S.; Roediger, M.A. Os custos da inatividade física no mundo: estudo de revisão. Ciência Saúde Coletiva. Vol. 21. Num. 4. 2016. p. 1001-1010.

-Cervantes, C.M.; Porreta, D.L. Physical activity measurement among individuals with disabilities: a literature review. Adapted Physical Activity Quarterly. Champaign. Vol. 27. 2010. p. 173-190.

-Costa, F.F.; Assis, M.A.A. Nível de atividade física e comportamentos sedentários de escolares de sete a dez anos de Florianópolis-SC. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. Vol. 16. Num. 1. 2011. p. 48-54.

-Duchiade, M.P. População brasileira: um retrato em movimento. Os muitos Brasis: saúde e população na década de 80. São Paulo. Vol. 2. 1999.

-Eckert, H.M. Desenvolvimento motor. 3ª edção. São Paulo. Manole. 1993.

-Farinatti, P.T. Criança e a atividade física. Rio de Janeiro. Sprint Editora. 1995.

-Fisberg, M. Atualização em obesidade na infância e adolescência. Ed. revisada e atualizada. São Paulo. Atheneu. 2005.

-Guedes, D.P.; Guedes, J.E.R.P.; Barbosa, D.S.; Oliveira, J.A. Níveis de prática de atividade física habitual em adolescentes. Revista Brasileira de Medicina Esportiva. Vol. 7. Num. 6. 2001. p. 187-199.

-Hallal, P.C.; Bertoldi, A.D.; Gonçalves, H.; Victora, C.G. Prevalência de sedentarismo e fatores associados em adolescentes de 10-12 anos de idade. Caderno de Saúde Pública. Vol. 22. Num. 12. 2006. p. 77-87.

-Hallal, P.C.; Andersen, L.B.; Bull, F.C.; Guthold, R.; Haskell, W.; Ekelund, U. Global physical activity levels: surveillance progress, pitfalls, and prospects. The Lancet. Vol. 380. 2012. p. 247-257.

-Katzmarzyk; P.T.; Mason, C. The physical activity transition. Journal of Physical Activity and Health. Champaign. Vol. 6. 2009. p. 269-280.

-Kummer, A.; Barbosa, I.G.; Rodrigues, D.H.; Rocha, N.P.; Rafael, M.S.; Pfeilsticker, L.; Silva, A.C.S.; Teixeira, A.L. Frequência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes com autismo e transtorno do déficit de atenção/hiperatividade. Revista Paulista de Pediatra. Vol. 34. Num. 1. 2016. p. 71-77.

-Lazzoli, J.K.; Oliveira, M.A.B.; Leitão, M.B.; Nóbrega, A.C.L.; Nahas, R.M.; Rezende, L.; Drummond, F.A.; Magni, J.R.T.; Carvalho, T.; Borges, S.F.; Costa, R.V.C.; Serra, S.M.; Kopiler, D.A.; Smith, P.; Menezes, P.A.L.; Brêtas, C.T.; Teixeira, J.A.C.; Araújo, C.G.S.; Terreri, A.S.A.P.; Baptista, C.A.S.; Ghorayeb, N.; Rose, E.H. Posicionamento Oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte: Atividade física e saúde na infância e adolescência. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. Num. 4. 1998. p. 83-92.

-Lee I.M.; Shiroma, E.J.; Lobelo, F.; Puska, P.; Blair, S.N.; Katzmarzyk, P.T. Effect of physical inactivity on major non-communicable diseases worldwide: an analysis of burden of disease and life expectancy. The Lancet. Vol. 380. Num. 21. 2012. p. 2192-2129.

-Lopes; A. S.; Pires Neto; C. S. Estilo de vida de crianças com diferentes características étnico-culturais do Estado de Santa Catarina, Brasil. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. Vol. 6. 2001. P .6-16.

-Mattos, P.; Serra-Pinheiro, M.A.; Rohde, L.A.; Pinto, D. Apresentação de uma versão em português para uso no Brasil do instrumento MTA-SNAP-IV de avaliação de sintomas de transtorno do déficit de atenção/hiperatividade e sintomas de transtorno desafiador e de oposição. Revista Psiquiatria do Rio Grande do Sul. Vol. 28. Num. 3. 2006. p. 290-297.

-Morgan, A.E.; Hynd, G.W.; Riccio, C.A.; Hall, J. Validity of DSM-IV ADHD predominantly inattentive and combined types: relationship to previous DSM diagnoses/subtype differences. Journal American Academic Child Adolescent Psychiatry. Vol. 35. 1996. p. 325-333.

-Nones, P.P.; Barbosa, A.C.A. Transtorno de déficit de atenção e hiperatividade. Revista Maiêutica. Vol. 4. Num. 1. 2016. p. 135-145.

-Peixoto, M.R.G.; Benício, M.H.A.; Jardim, P.C.B.V. The relationship between body mass index and lifestyle in a Brazilian adult population: a cross-sectional survey. Caderno de Saúde Pública. Rio de Janeiro. Vol. 23. Num. 11. 2007. p. 2696-740.

-Polanczyk, G. de Lima, M.S.; Horta, B.L.; Biederman, J.; Rohde, L.A. The worldwide prevalence of ADHD: a systematic review and metaregression analysis. Journal American Psychiatry. Vol. 8. 2007. p. 164-942.

-Ribeiro, M.M.; Parisi, C. Transtorno de deficit de atenção e hiperatividade (TDAH): prejuízos psicossociais às crianças em fase escolar. Caderno de Ciências Biológicas e da Saúde. Boa Vista. Vol. 2. 2013. p. 1-16.

-Sena, S.S.; Souza, L.K. O TDAH na amizade infantil. Revista Interinstitucional de Psicologia. Vol. 8. Num. 2. 2015. p. 320-331.

-Seron, B.B.; Interdonato, G.C.; Luiz Junior, C.C.; Greguol, M. Prática de atividade física habitual entre adolescentes com deficiência visual. Revista Brasileira Educação Física e Esporte. Vol. 26. Num. 2. 2012. p. 231-239.

-Sichieri, R.; Souza, R. A. Estratégias para prevenção da obesidade em crianças e adolescentes. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro. Vol. 24. Num. 2. 2008. p. 209-223.

-Silva; K.S.; Lopes, A.S. Excesso de peso, pressão arterial e atividade física no deslocamento à escola. Arquivo Brasileiro de Cardiologia. Vol. 91. 2008. p. 93-101.

-Silva, P.V.C.; Costa, J.R.Á.L. Efeitos da atividade física para a saúde de crianças e adolescentes. Psicologia. Argumentativa. Curitiba. Vol. 29. Num. 64. 2011. p. 41-50.

-Spohr C.F.; Walker, D.; Azambuja, C.R.; Farinha, J.B.; Azevedo, M.R.; Santos, D.L. Nível de atividade física de crianças do 1º ano do Ensino Fundamental. Revista Brasileira de Cineantropometria e Movimento. Vol. 20. Num. 4. 2012. p. 106-111.

-Swanson, J.M.; Kinsbourne, M.; Nigg, J.; Lanphear, B.; Stefanatos, G.A.; Volkow, N.; Taylor, E.; Casey, B.J.; Castellanos, F.X.; Wadhwa, P.D. Etiologic subtypes of attention-deficit/hyperactivity disorder: brain imaging, molecular genetic and environmental factors and the dopamine hypothesis. Neuropsychology Journal. Vol. 17. 2007. p. 39-59.

-Teixeiras; G.M.M. Influência dos hábitos alimentares dos pais nas escolhas alimentares dos filhos. Faculdade de Medicina, Universidade do Porto. 2011.

-World Health Organization (WHO). Global Health Observatory data (GHO) – Health Financing. Disponível em: . Acesso em 01/10/2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui