Análise comparativa do movimento de extensão de joelho na cadeira extensora, associado à dorsiflexão ou flexão plantar do tornozelo durante treinamento de hipertrofia em mulheres

Thais Regina Galdino, Peter A. Kneubuehler

Resumo


O tema abordado neste artigo é análise comparativa do movimento de extensão de joelho na cadeira extensora, associado à dorsiflexão ou flexão plantar do tornozelo durante treinamento de hipertrofia em mulheres, com o objetivo realizar uma análise comparativa que visa identificar se a dorsiflexão que, segundo Alter (2001), consiste em mover o pé para cima, aproximando-o da perna, ou a flexão plantar - também segundo considerações do mesmo autor -, opositivamente visando mover o pé para baixo distanciando-o da tíbia, auxilia na hipertrofia muscular do grupo quadríceps quando executados na cadeira extensora. O presente estudo ocorreu na academia Top Fitness, situada na cidade de São Bento do Sul/SC, onde foram avaliadas 20 (vinte) alunas, com a faixa etária entre 18 (dezoito) a 40 (quarenta) anos, com IMC entre 21,6 a 43,5 kg/m². As alunas foram divididas aleatoriamente em dois grupos (dorsiflexão e flexão plantar), sendo que, foram submetidas ao Teste RM (repetição máxima) na cadeira extensora proposto por Prestes e Marchetti (2012) e avaliadas antropometricamente segundo o protocolo de Pollock & Wilmore (1993) para dobras cutâneas e também o protocolo de perímetros citado por Petroski (2009), durante o período de 18 (dezoito_ semanas através dos seus treinamentos de hipertrofia. Constatou-se por meio da análise estatística de Student, o teste T com significância (<0,05) que, todas as alunas tiveram uma diminuição de dobras cutâneas na região da coxa medial, mas o grupo de flexão plantar (2) obteve uma maior diminuição e, consequentemente, evidenciando que os dados foram de maior significância (<0,05) nesse grupo. É possível observar também que houve uma diminuição do perímetro e não um aumento, então, os dados de hipertrofia muscular não foram significantes para comprovar que houve a hipertrofia em mulheres durante esse exercício.

 

ABSTRACT

Comparative analysis of knee extension movement in the extensor chair, associated with ankle dorsiflexion or plantar flexion during hypertrophy training in women

The topic addressed in this article is the comparative analysis of knee extension movement on the leg extension machine, associated to dorsiflexion or plantar flexion of the ankle during the hypertrophy training on women, with the aim of performing a comparative analysis aimed at identifying if the dorsiflexion, according to Alter (2001), consists of moving the foot upwards, approaching the leg, or plantar flexion - also according to the same author's considerations -, opposing moving the foot downwards distancing it from the tibia, assists in the muscular hypertrophy of the quadriceps group when executed in the extensor chair. The current study happened at Top Fitness gym, located at the city of São Bento do Sul/SC, where 20 (twenty) students were evaluated, with the age group between 18 (eighteen) to 40 (forty) years old, with the BMI between 21,6 to 43,5 kg/m². The students were randomly divided into two groups (dorsiflexion and plantar flexion), being that, they were submmited to MR Test (maximum repetition) on the leg extension machine proposed by Prestes e Marchetti (2102) and anthropometrically evaluated following the Pollock & Wilmore protocol (1993) for skin folds and also the perimeter protocol cited by Petroski (2009), during the 18 (eighteen) weeks through their hypertrophy training. It has been verified through the statistically analysis of Student, the T test with significance (<0,05) that, all the students had a decrease of skinfolds at the region of the medial thigh, but the plantar flexion group (2) obtained a greater decrease and, consequently, evidencing that the data were of greater significance (<0,05) in this group. It is also possible to observe that there was a decrease in the perimeter and not an increase, so, the muscular hypertrophy were not significant to prove that there was hypertrophy in women during this exercise.


Palavras-chave


Movimento de extensão de joelho; Cadeira extensora; Dorsiflexão; Flexão plantar; Treinamento de hipertrofia; Mulheres

Texto completo:

PDF

Referências


-Alter, M. J. Ciência da Flexibilidade. 2ª edição. Porto Alegre. Artmed. 2001.

-Batista, J. S.; Martins, A. D.; Wibelinger, L. M. Avaliações da força muscular (torque muscular) de flexores e extensores de joelho de indivíduos jovens. Buenos Aires: Revista Digital EFDesportes.com, 2012. Disponível em: . Acesso em: 17/08/ 2015.

-Bossi, l. C. Periodização na musculação. São Paulo. Phorte. 2009.

-Borges, L. L. Musculação e mulheres. Portal Educação, 2012. Disponível em: . Acesso em: 20/08/2015.

-Felipe, T. R.; Segundo, V. H. O.; Bezerra, J. C. L.; Reubouças, G. M.; Maia, U. M. C.; Costa, A. V.; Albuquerque Filho, N. J. B.; Pinto, E. F.; Medeiros, H. J.; Knackfuss, M. I. Treinamento de hipertrofia: confiabilidade da prescrição de número de repetições a 80% baseado no teste de 1 repetição máxima. Buenos Aires: Revista Digital EFDesportes.com, 2013. Disponível em: . Acesso em: 08/08/2015.

-Fleck, S. J.; Kraemer, W. J. Fundamentos do Treinamento de Força Muscular. 3ª edição. Porto Alegre. Artmed. 2006.

-Foss, M. L.; Keteyian, S. J. Bases Fisiológicas do Exercício e do Esporte. 6ª edicão. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2000.

-Hall, Susan J. Biomecânica Básica. 5ª edição. Manole. 2009.

-Heyward, V. H.; Stolarczyk, L. M. Avaliação da Composição Corporal Aplicada. Manole. 2000.

-Marconi, M. A.; Lakatos, E. M. Fundamentos de metodologia cientifica. 7ª edição. São Paulo. Atlas. 2010.

-Marchand, E. A. A. Melhoras na força e hipertrofia muscular, provenientes dos exercícios resistidos. Buenos Aires: Revista Digital EFDesportes.com, 2003. Disponível em: . Acesso em: 02/09/015.

-Marchetti, P. H.; Calheiros, R.; Charro, M. Biomecânica Aplicada: uma abordagem para o treinamento de força. Phorte. 2007.

-Mcardle, W. D.; Katch, F. I.; Kacth, V. L. Fisiologia do Exercício: energia, nutrição e desempenho humano. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. 2008.

-Santos, A. R.; Nogueira, D. F.; Liberali, R. A influência dos exercícios resistidos com pesos sobre as variáveis da aptidão física relacionada à saúde em mulheres de meia-idade no município de caçador-SC. Revista Brasileira de prescrição e Fisiologia do exercício. São Paulo. Vol. 4. Núm. 22. 2010. Disponível em: .

-Silva, W. R. Análise comparativa da extensão unilateral do joelho com a caneleira e na cadeira extensora. Buenos Aires: Revista Digital EFDesportes.com, 2010. Disponível em: . Acesso em: 12/09/2015.

-Prestes, J.; Foschini, D.; Marchetti, P.; Charro, M. Prescrição e Periodização do treinamento de força em academias. São Paulo. Manole. 2010. p 31.

-Petroski, E. L. Antropometria Técnicas e Padronizações. 4ª edição. Porto Alegre. Pallotti. 2009.

-Pollock, M. L.; Wilmore, J. H. Exercício na Saúde e na Doença. 2ª edição. Rio de Janeiro. Medsi.1993.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui