Memória de indivíduos com mais de 50 anos praticantes de exercícios físicos e não praticantes

Patrícia Espíndola Mota Venâncio, Lívia Christian Nascimento, Jéssica Maria Vieira Evangelista, Henrique Lima Ribeiro, Marcos Monteiro, Jairo Teixeira Junior, Grassyara Pinho Tolentino

Resumo


Hábitos cotidianos da vida moderna, mudança da pirâmide etária e o aumento expressivo de idosos tem chamado à atenção da comunidade cientifica no que se refere à promoção da saúde desta população. Percas cognitivas afetando principalmente a memória são comuns, o qual pode vir a interferir negativamente sobre o cotidiano desse indivíduo. Sabendo que o exercício físico pode atuar positivamente neste âmbito o seguinte estudo tem por objetivo: comparar a memória de indivíduos com a média de idade 57 ± 2,44 anos praticantes de exercícios físicos e não praticantes. A amostra foi composta por 63 indivíduos de ambos os sexos com idade superior a 50 anos, escolhidos aleatoriamente, praticantes de exercício físicos (n = 36) e sedentários (n = 27) da cidade de Pirenópolis-GO e Anápolis-GO. Utilizou-se um questionário relacionado ao desempenho cognitivo com implicações na memória dos indivíduos, desenvolvido por Amâncio da Costa Pinto (Pinto, 1990) composto por trinta e seis questões. Os resultados apontam que no âmbito das distrações verbais, orientação local, repetição de atos foram encontradas diferenças significativas (p<0,05) na maioria das questões entre os grupos. Em atos falhos do cotidiano, memoria facial e recuperação de objetos deixados mesmo não demonstrando diferenças significativas os valores do grupo ativo fisicamente foi superior. O estudo concluiu que, os praticantes de exercícios físicos com idade superior a 50 anos de idade apresentaram resultados melhores e estatisticamente significativos relacionados aos aspectos cognitivos relacionados à memória. A prática de exercícios físicos, portanto, mostra-se bastante eficiente para a melhora cognitiva assumindo um papel de tratamento não medicamentoso para esta população.

 

ABSTRACT

Memory of individuals over 50 years of physical and non-physical exercise

Modern Behaviors, changes in the population’s age and expressive increase of the elderly has called the attention of the scientific community with regard to promoting the health of this population. Cognitive losses affecting the memory can be normal, that can be worst for your everyday. Knowing the positive increases of the exercises in memory, that study have goal: To compare the memory in people plus of

Individuals with a mean of 57 ± 2.44 years of age physically active and no physically active. The sample be composing with 63 people for either gender physically active (n = 36) or no ( n = 27) living in the Pirenópolis – GO  and Anapolis- GO city. A questionary with relationship with the cognitive memory activity was used, with 36 questions (Pinto, 1990). The results show that the verbal distractions, orientation and repeat behavior domain have significant diferences in the groups (p<0,05) in the maiority questions. In behavior mistakes of everyday, facial memory and recovery of objects even though it does not show significative diferences, the physically active group show best results. This study concluses what the phisically active group have best results be compared with the non phisically active group in the aspects with relationship with memory. The pratice of exercices show most eficiente to increase cognitive responses, assuming like a treatmend non-medicated for that population.


Palavras-chave


Envelhecimento; Estilo de Vida Sedentário; Transtornos de Memória

Texto completo:

PDF

Referências


-American College of Sports Medicine. Programa de Condicionamento Físico da ACSM. Traduzido por Dorothéa de Lorenzi Grinberg Garcia. 2ª edição. São Paulo. Manole. 1999.

-Belmiro, W.O.; Navarro, A.C. O efeito do treinamento intervalado de alta intensidade para a redução de gordura corporal. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. Vol. 10. Núm. 59. 2016. p. 224-230. Disponível em:

-Chiari, H; Mello, M. T.; Rezeak, P.; Antunes, H. K. Exercício físico, atividade física e os benefícios sobre a memória de idosos. Revista Psicologia e Saúde. Vol. 2. Núm. 1. 2010. p. 42-49.

-Dias, M.S.; Lima, R.M. Estimulação cognitiva por meio de atividades físicas em idosas: examinando uma proposta de intervenção. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Vol. 15. Núm. 2. 2012. p. 325-334.

-Fechine, B.R.A.; Trompieri, N. Memória e envelhecimento: a relação existente entre a memória do idoso e os fatores sócio-demográficos e a prática de atividade física. Intersciencie place. Vol. 1. Núm. 19. 2011.

-Guyton, A; Hall, J. E. Tratado de Fisiologia Médica. 13ª edição. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2017.

-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; IBGE. Indicadores Sociais Municipais. Uma Análise dos Resultados do Universo do Censo Demográfico 2010. Rio de janeiro. 2011.

-Lent, R. Cem bilhões de neurônios: conceitos fundamentais de neurociência. São Paulo. Atheneu. 2001.

-Medeiros, I.M.P.J.; Securella, F.F.; Santos, R.C.C.S.; Silva, K.M.R. A influência da fisioterapia na cognição de idosos com doenças de Alzheimer. Revista Unilus Ensino e Pesquisa. Vol.12. Núm.29. 2015.

-Ministério da Saúde. Cadernos de saúde básica: estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica obesidade. Cadernos de saúde básica. Núm. 38. 2014.

-Moraes, E. N.; Darker, M. V. Abordagem do idoso com incapacidade cognitiva. In: Moraes, E. N. Princípios Básicos de Geriatria e Gerontologia. Belo Horizonte. Coopmed. 2008.

-Moraes, E. N.; Silva, A. L. A. Bases do Envelhecimento do Organismo e do Psiquismo. In: Moraes, E. N. Princípios Básicos de Geriatria e Gerontologia. Belo Horizonte. Coopmed. 2008.

-Pinto, A. C. Questionário de lapsos de memória (QLM): Dados psicométricos e análise dos efeitos da idade e sexo sobre a frequência de lapsos. Psychologica. Vol. 4. 1990. p. 1-20.

-Powers, S. K.; Howley, E. T. Fisiologia do exercício: teoria e aplicação ao condicionamento e ao desempenho. 8ª edição. São Paulo. Manole. 2014.

-Silva, M. F.; Navarro, F.; Campos, T. F. Efeito do exercício aeróbio e do exercício de força na memória em idosos. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. Vol. 1. Núm. 2. 2007. p. 46-58. Disponível em:

-Yassuda, M. S.; VIiel, T. A.; Silva, T. B. L.; Albuquerque, M. S. Memória e Envelhecimento: Aspectos cognitivos e Biológicos. In: Freitas, E. V.; Py, L.; Cançado, F. L. A.; Doll, J.; Gorzoni, M. L. Tratado de Geriatria e Gerontologia. 4ª edição. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui