Adaptações Neuromusculares do alongamento realizado entre as séries no treinamento de força

Talita Molinari, Lucas Araújo Santos, Nathália Griebler, Túlio Molinari, Ana Paula Wensiboski, Carol de Almeida Vargas, Maqueli Dal Bello, Caroline Pieta Dias, Carlos Leandro Tiggemann

Resumo


O objetivo do estudo foi avaliar as adaptações neuromusculares decorrentes do alongamento realizado entre séries de um treinamento de força. Participaram do estudo 12 homens (23,5±3,47 anos), não praticantes de exercícios físicos regulares. Os sujeitos passaram por uma etapa comum de adaptação ao treinamento de força e posteriormente foram divididos em dois grupos: grupo de treinamento de força com alongamento (TFA) e grupo de treinamento de força tradicional (TFT) ambos com duração de oito semanas. A força muscular foi determinada pré e pós-treinamento por meio de teste de uma repetição máxima nos exercícios de extensor de joelhos e mesa flexora de joelhos, e a área de secção transversa determinada por meio de estimativa baseada em medidas da dobra cutânea e perímetro da coxa. As variáveis foram comparadas por meio da ANOVA para medidas repetidas com fator grupo (α = 0,05). Os resultados indicaram incrementos significativos (p<0,05) de força entre os momentos (11 a 22%), porém não foram encontradas diferenças significativas entre os grupos (p>0,05). A área de secção transversa não apresentou alterações significativas entre os momentos e entre os grupos (p>0,05). Concluímos que o treinamento de força foi capaz de promover incrementos na força máxima, mas não na área de secção transversa, independente da realização do alongamento entre as séries.

 

ABSTRACT 

Neuromuscular adaptations of stretching performed between sets in strength training

The aim of the study was to evaluate the neuromuscular adaptations resulting from stretching performed between series of a strength training. Participated of the study twelve men (23.5 ± 3.47 years), who did not practice regular physical exercises. The subjects underwent a common stage of adaptation to strength training and later were divide into two groups: strength training with stretching group (TFA) and traditional strength training group (TFT), each lasting eight weeks. Muscle strength was determined pre and post training by one maximal repetition test on knee extensors and knee flexor exercises, and the cross-sectional area determined by estimation based on skinfold measurements and perimeter thigh. The variables were compared by ANOVA for repeated measures with group factor (α = 0.05). The results indicated significant increases (p <0.05) in strength between moments (11 to 22%), but no significant differences were found between groups (p> 0.05). The cross-sectional area did not show significant changes between the moments and between groups (p> 0.05). We concluded that strength training was able to promote maximal force increments but not in cross-sectional area, regardless if stretching was performed between sets.


Palavras-chave


Uma repetição máxima; Força muscular; Area de secção transversa

Texto completo:

PDF

Referências


-American College of Sports Medicine. Position Stand: Progression models in resistance training for healthy adults. Medicine and Science in Sports and Exercice. Vol. 34. Num. 2. 2002. p. 364-380.

-Arruda, F.L.B.; Faria, L.B.; Silva, V.S.; Senna, G.W.; Simão, R.; Novaes, J.; Maior, A.S. A Influência do Alongamento no Rendimento do Treinamento de Força. Revista Treinamento Desportivo. Vol. 7. Num. 1. 2009. p. 1-5.

-Bastos, C.L.B.; Miranda, H.; Vale, R.G.; De Nazaré Portal, M.; Gomes, M.T; Novaes Jda, S; Winchester, J.B. Chronic effect of static stretching on strength performance and basal serum igf-1levels. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 27. Num. 9. 2013. p. 2465-2472.

-Batista, E.D.S.; Navarro, F.; Silva Filho, L. Influência do alongamento na força máxima através do teste de 1RM - São Paulo. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. Vol. 7. Num. 42. 2013. p. 467-473. Disponível em:

-Booth, F.W.; Thomason, D.B. Molecular and cellular adaptation of muscle in response to exercise: perspectives of various models. Physiological Reviews. Vol. 71. 1991. p. 648-53.

-Brown, L.E.; Weir, J.P. Procedures Recommendation I: accurate assessment of muscular strengh and power. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Vol. 11. Num. 4. p. 95-110. 2003.

-Dias, R.M.R.; Cyrino, E.; Salvador, E.P.; Nakamura, F.Y.; Pina, F.L.C.; Oliveira, A.R. Impacto de oito semanas de treinamento com pesos sobre a força muscular de homens e mulheres. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 11. Num. 4. 2005. p. 224-228.

-Endlich, P.W.; Farina, G.R.; Dambroz, C.; Gonçalves, W.L.S.; Moysés, M.R.; Mill J.G.; Abreu, G. R. D. Efeitos agudos do alongamento estático no desempenho da força dinâmica em homens jovens. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 15. Num. 3. 2009. p. 200-203.

-Enoka, R.M. Neural adaptations with chronic physical activity. Journal of biomechanics. Vol. 30. Num. 5. 1997. p. 447-455.

-Goldspink, D.F. The influence of immobilization and stretch on protein turnover of rat skeletal muscle. Journal Physiology. 264. 1977. p. 267-282.

-Hakkinen, K.; Kallinen, M.; Izquierdo, M.; Jokelainen, K.; Lassila, H.; Malkia, E.; Kraemer, W.J.; Newton, R.U.; Alen, M. Changes in agonist-antagonist EMG, muscle CSA, and force during strength training in middle-aged and older people. Journal of Applied Physiology. Vol. 84. Num. 4. 1998. p. 1341-1349.

-Hernandez, A.J.; Nahas, R.M. Modificações dietéticas, reposição hídrica, suplementos alimentares e drogas: comprovação de ação ergogênica e potenciais riscos para a saúde. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 15. 2009.

-James, R.S.; Cox, V.M.; Young, I.S.; Altringham, J.D.; Goldpink, D.F. Mechanical properties of rabbits latissimus dorsi muscle after stretch and/or electrical stimulation. Journal of Applied Physiology. Vol. 3. Num. 2. 1997. p. 396-406.

-Kokkonen, J.; Nelson, A.G.; Tarawhiti, T.; Buckingham, P.; Winchester, J.B. Early-phase resistance training strength gains in novice lifters are enhanced by doing static stretching. The Journal of Strength & Conditioning Research. Vol. 24. Num. 2. 2010. p.502-506

-Komi, P.V. Strength and power in sport. Blackwell: London. 2003.

-Lamas, L.; Drezner, R.; Tricoli, V.; Ugrinowitsch, C. Efeito de dois métodos de treinamento no desenvolvimento da força máxima e da potência muscular de membros inferiores - São Paulo. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. Vol. 22. Num. 3. 2008. p. 235-245.

-Lohman, T.G.; Roche, A.F.; Martorell, R. Anthropometric standardization reference manual. Human Kinetics; 1991.

-Lustosa, L.P.; Pacheco, M.G.M.; Liu, A.L.; Gonçalves, W.S.; Silva, J.P.; Pereira, L.S.M. Impacto do alongamento estático no ganho de força muscular dos extensores de joelho em idosas da comunidade após um programa de treinamento - São Carlos. Revista Brasileira de Fisioterapia. Vol. 14. Num. 6. 2010. p. 497-502.

-Mohamad, N.I.; Nosaka, K.; Conin, J. Maximizing Hypertrophy: Possible Contribution of Stretching in the Interset Rest Period. Strength and Conditioning Journal. Vol. 33. Num. 1. 2001. p. 81-87.

-Petroski, E.L.; Pires-Neto, C.S. Validação de equações antropométricas para a estimativa da densidade corporal em homens. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. Vol. 2. Num. 1. 1995. p. 65-73.

-Pinheiro, A.B.V. Tabela para avaliação de consumo alimentar em medidas caseiras. Rio de Janeiro: Atheneu. 2000.

-Rech, C.R. Antropometria para a estimativa da massa muscular. In: Petroski, E.L.; Pires-Neto, C.S.; Glaner, M. F. organizadores. Biométrica: Fontoura. 2010. p. 111-125.

-Ryan, E.D.; Beck, T.W.; Herda, T.J.; Hull, H.R.; Hartman, M.J.; Stout, J.R.; Cramer, J.T. Do practical durations of stretching alter muscle strength? A dose response study. Medicine & Science in Sports & Exercise. Vol. 40. Num. 8. 2008. p. 1529-1537.

-Santos, C.F.; Crestan, T.A.; Picheth, D.M.; Felix, G.; Mattanó, R.S.; Porto, D.B.; Segantin, A.Q.; Cyrino, E.S. Efeito de 10 semanas de treinamento com pesos sobre indicadores da composição corporal. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Vol. 10. Num. 2. 2002. p. 79-84.

-Shrier, I. Does stretching improve performance? Philadelphia. Clinical Journal of Sports Medicine. Vol. 14. Num. 5. 2004. p. 267-273.

-Taco. Tabela brasileira de composição de alimentos. 4ª edição. Revisada e ampliada. Campinas. UNICAMP. 2011.

-Tiggemann, C.L.; Vanelli, C.; Molinari, T.; Kunrath, C.A.; Dias, C.P. Efeito do alongamento prévio ao treinamento de força no desempenho de força máxima em homens jovens. Biomotriz. Vol. 10. Num. 1. 2016. p. 72-89.

-Worrell, T.W.; Smith, T.I.; Winegardner, I. Effect of Hamstring Stretching on Hamstring Muscle Performance. Journal of Orthopaedic e Sports Physical Therapy. Vol. 20. Num. 3. 1994. p. 154-159.

-Yang, S.; Alnaqeeb, M.; Simpson, H.; Goldspink, G. Cloning and characterization of an IGF-1 isoform expressed in skeletal muscle subjected to stretch. Journal of Muscle Research and Cell Motility. Vol. 17. Num. 4. 1996. p. 487-495.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui