Comparação de marcadores plasmáticos de dano muscular após a realização de exercício de força com e sem oclusão vascular em homens fisicamente ativos e saudáveis

Murilo Esteves Nogueira, Gabriela Oliveira Baptista, João Paulo Vello Marqueti, Cynthia Hernandes Costa, Brunno Elias Ferreira

Resumo


O objetivo principal do treinamento resistido com pesos é promover a quebra da homeostase do organismo. Desde que dentro dos limites fisiológicos, o organismo gera o fenômeno da supercompensação, alcançando um novo nível de aptidão física. Diversas técnicas são usadas para alcançar o condicionamento físico, e a oclusão vascular (kaatsu training) surge como uma opção permeada por benefícios para sedentários e portadores de patologias, mas ainda com poucas evidências para a população treinada. O objetivo desse trabalho foi comparar a magnitude de dano muscular no exercício resistido com e sem oclusão vascular em indivíduos treinados. Participaram 7 homens saudáveis e treinados. Foi utilizada a rosca bíceps no banco scotch, com 5 séries de repetições máximas com cargas de 40% de 1RM com a oclusão e 80% sem a oclusão. Foram coletadas amostras de sangue antes, imediatamente após, 24h e 48h após o exercício, com mensuração da CK, TGO e TGP. Não foram encontradas diferenças estatisticamente significativas na CK em nenhum dos momentos analisados, em ambas as técnicas. Com a TGO foram encontradas diferenças significaticas em ambas, imediatamente após, sem alterações nos demais momentos. A TGP teve o mesmo comportamento apenas no exercício sem oclusão. O nível de adaptação, o volume e o tipo de exercícios pode ser um fator de interferência quanto a comparação dos resultados. Conclui-se que em indivíduos treinados, exercícios de baixa itensidade com a oclusão vascular e de alta intensidade sem essa técica, causam magitude de dano muscular semelhante quando mensurado por meio de marcadores plasmáticos.

 

ABSTRACT

Comparison of plasma markers of muscle damage after the exercise of strength with and without vascular occlusion in physically active and healthy men

The main goal of resistance training is to promote the breakdown of the body's homeostasis. Since within the physiological limits, the organism generates the phenomenon of supercompensation, reaching a new level of physical fitness. Several techniques are used to achieve physical conditioning, and vascular occlusion (kaatsu training) emerges as an option permeated by benefits for sedentary and pathological patients, but still with little evidence for the trained population. The objective of this study was to compare the magnitude of muscle damage in resistance exercise with and without vascular occlusion in trained individuals. 7 healthy and trained men participated. The biceps curl in the scotch bench was used, with 5 sets of maximal repetitions with loads of 40% of 1RM with occlusion and 80% without occlusion. Blood samples were collected before, immediately after, 24h and 48h after exercise, with measurement of CK, TGO and TGP. No statistically significant differences were found in CK in any of the analyzed moments, in both techniques. With the TGO, significant differences were found in both, immediately after, without changes in the other moments. TGP had the same behavior only in the non-occlusion exercise. The level of adaptation, the volume and the type of exercises can be an interference factor when comparing the results. It is concluded that in trained individuals, low intensity exercises with vascular occlusion and high intensity without this technique cause a similar magnitude of muscle damage when measured by plasmatic markers.

Palavras-chave


Força; Músculo esquelético; Musculação; Condicionamento físico; Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


-ACSM. Diretrizes do ACSM para os testes de esforço e sua prescrição. 7ª edição. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2009.

-ACSM. Diretrizes do ACSM para os testes de esforço e sua prescrição. 9ª edição. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2014.

-Almeida, E.; Gonçalves, A.; Khatib, S. E.; Padovani, C. R.. Lesão muscular após diferentes métodos de treinamento de treianemento de musculação. Fisioterapia em movimento. Vol. 19. Num. 4. p. 17-23. 2006.

-Antunes Neto, J. N. F.; Ferreira, D.C.B.G.; Reis I.C.; Calvi, R. G.; Rivera, R. J. B. Manutensão de microlesões celulares e respostas adaptativas a longo prazo no treinamento de força. Brazilian Jornal of Biomotricity. Vol. 1. Num. 4. p. 87-102. 2007.

-Barroso, R.; Tricoli, V.; Ugrinowitsch, C. Adaptações neurais e morfológicas ao treinamento de força com ações excêntricas. R. Bras. Ci e Mov. Vol. 13. Num. 2. p. 111-112. 2005.

-Bossi, L. C. Aspectos mecânicos da força. Bossi, L. C. Periodização na musculação. 2ª edição. rev. e ampl. Phorte. 2011.

-César, E. P.; Bara Filho, M. G.; Lima, J. R. P.; Aldar, F.J.; Dantas, E.H.M. Modificações agudas dos níveis séricos de creatina quinase em adultos jovens subemetidos ao trabalho de flexionamento estático e força máxima. Revista de Desporto e Saúde da Fundação Técnica e Cientifica do Esporte. Vol. 4. Num. 3. p. 49-55.

-Close, G. L.; Kauani, A.; Vasilaki, A.; Mcardle, A. Skeletal muscle damage with exercise and aging. Sports medicine. Vol. 35. p. 413-427. 2005.

-Fernandes, T.; Soci, U. P. R.; Alves, C. R.; Carmo, E. C.; Barros, J. G.; Oliveira, E. M. Determinantes moleculares da hipertrofia do músculo esquelético mediados pelo treinamento físico: estudo de vias de sinalização. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. Vol. 7. Num. 1. p.169-188. 2008.

-Fleck, S. J.; Kraemer, W. J. Fundamentos do treinamento de força muscular. 3ª edição. Porto Alegre. Artmed. 2006.

-Foschini, D.; Prestes, J.; Charro, M. A. Relação entre exercício físico, dano muscular e dor muscular de início tardio. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Vol. 9. Num. 1. p. 101-106. 2007.

-Fujita, S.; Abe, T.; Drummond, M. J.; Cadenas J. G.; Dreyer, H. C.; Sato, Y.; Volpi, E; Rasmussen, B. B. Blood flow restriction during low-intensity resistance exercise increases S6K1 phosphorylation and muscle protein synthesis. J Appl Physiol. Vol. 103. p. 903-910. 2007.

-Hackney, K. J.; Engels, H. J.; Gretebeck; R. J. Resting energy expenditure and delayed- onset muscle soreness after full- body resistance training with an eccentric concentration. Journal of strength and conditioning research. Vol. 22. p. 1602-1609. 2008.

-Loenneke, J. P.; BS; Pujol, T. J. The use of oclusion trainig to produce muscle hypertrophy. Strenght and Conditioning Journal. p. 1-8. 2009.

-Maior, A. S. Aspectos metodológicos e fisiológicos dos exercícios resistidos. Maior, A. S. Fisiologia dos exercícios resistidos. 2ª edição. Revisada e ampliada. Phorte. 2011. p. 18-34.

-Petrício, A. I. M.; Porto, M.; Burini, R.C. Avaliações hemodinâmicas, do equilíbrio ácido básico e enzimáticos no exercício exaustivo com pesos. Atividade física e saúde. Vol. 6. Num. 3. p. 17-26. 2001.

-Ramallo, B. T.; Foschini, D.; Prestes, J.; Charro, M.; Lopes, C. R.; Evangelista, A. L.; Mota, G. R. Magnitude do dano muscular induzido pelo exercício em mulheres treinadas e destreinadas. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 7. Num. 40. p. 398-405. 2013. Disponível em:

-Raso, V.; Greve, J. M. D. A.; Polito, M. D. Pollock. fisiologia clínica do exercício. Manole. 2013. p. 54-70.

-Santarem, J.M. Introdução. Santarem, J.M. Musculação em todas as idades: comece a praticar antes que seu médico recomende. Manole. 2012. p. XVII

-Schoenfeld, B.J. The mechanisms of muscle hypertrophy and their application to resistance training. J Strength Cond Res. Vol. 24. Num. 10. p. 2857-2872. 2010.

-Takarada, Y.; Nakamura, Y.; Aruga, S.; Onda T.; Miyazaki, S.; Ishii, N. Rapid increase in plasma growth hormone after low-hintensity resistance exercise with vascular occlusion. J. Appl. Physiol. Num. 88. p. 61-65. 2000.

-Teixeira, C.V.L.S. Hipertrofia muscular. Teixeira, C.V.L.S.. Métodos avançados de treinamento para hipertrofia. 2ª edição. CreateSpace. 2015. p. 19-24.

-Tomatieli, R.V.; Kikuti, C.H. Overtraining. Vaisberg, M.; Mello, M. T. Exercícios na saúde e na doença. Manole. 2010. p. 393-406.

-Tricoli, V. Papel das ações musculares excêntricas nos ganhos de força e de massa muscular. Revista da biologia. Vol. 11. Num. 1. p. 38-42. 2013.

-Wolinski, P. A.; Neves, E. B.; Pietrovski, E. F. Análise das repercussões hemodinâmicas e vasculares do treinamento Kaatsu. ConScientiae Saúde. Vol. 12. Num. 2. p. 305-312. 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui