A comparação da densidade mineral óssea, entre homens de meia idade que exercem diferentes tipos de atividades profissionais

Rogerio da Cunha Vosar, Alexandre Waszcenko Teixeira, João Feliz Duarte do Amaral, Rodolfo Herberto Schneider

Resumo


Objetivo: O estudo objetivou comparar a densidade mineral óssea (DMO) entre homens de meia idade que exercem diferentes tipos de atividades profissionais. Métodos: Este estudo do tipo observacional, transversal, realizado no serviço de Densitometria Óssea do Hospital São Lucas da Pontifícia Universidade Católica de Porto Alegre, avaliou 59 indivíduos, voluntários, do sexo masculino, com idade entre 50 anos e 65 anos, que exerciam as profissões de carteiro, taxista e médico. Os indivíduos que apresentaram osteoporose foram excluídos, uma vez que a mesma poderia ter sido resultado de um fator secundário. Utilizou-se o DXA (QDR 4500 A Hologic Inc. Boston USA), para as analise das regiões da coluna lombar, fêmur e tíbia. Resultados: A comparação da média da DMO entre as profissões apresentou diferença significativa para todas as regiões do fêmur avaliadas. O colo do fêmur (p=0,002) evidenciou que a DMO dos carteiros e taxistas são diferentes da DMO dos médicos. O trocanter (p=0,001) demonstrou que a DMO dos carteiros foi significativamente superior a DMO dos médicos. Por fim, fêmur total (p<0,001) apontou a DMO dos carteiros e dos taxistas com diferença significativa em relação aos médicos. Os médicos apresentaram maior prevalência de osteopenia em relação aos carteiros e taxistas. Conclusão: As atividades físicas ocupacionais realizadas ao longo da vida contribuem para aumento e preservação da DMO e prevenção da osteoporose em homens adultos de meia idade. Em termos de Saúde Pública, a atividade física, o exercício físico e uma vida ativa confirmam-se, atualmente, como uma das grandes estratégias de intervenção para a prevenção de doenças crônico-degenerativas como a osteoporose.

 

ABSTRACT 

Comparison of bone mineral density, male age of different types of professional activities

Aim: This study aimed at comparing the bone mineral density (BMD) among middle aged men performing different kinds of professional physical activities. Methods: This observational cross-sectional study, developed at the Bone Density service of São Lucas Hospital from Pontifícia Universidade Católica de Porto Alegre, analysed 59 volunteer men, aging from 50 to 65 years old that work as mailmen, taxi drivers and physicians. Those who presented osteoporosis were excluded, once this disease could be seen as a secondary factor result. It was used the Dual Energy X-ray Absorptiometry DXA (QDR 4500 A Hologic Inc. Boston USA) in order to analyse lumbar spine, femur and tibia. Results: The comparison of BMD average among professions presented significant difference for all femur sites analysed. The femur neck (p=0,002) showed that mailmen and taxi drivers BMD are different from physicians BMD. Trochanter (p=0,001) demonstrated that mailmen BMD is superior to the physicians BMD. Finally, the total femur (p<0,001) revealed that mailmen and taxi drivers BMD are significantly different from physicians. Physicians presented bigger prevalence of osteopenia than mailmen and taxi drivers. Conclusion: The professional physical activity and HPA during life improve the increase and preservation of BMD in adult and middle aged men. Concerning public health, physical activity, physical exercise and an active life nowadays confirm themselves as one of the greatest intervention strategies for the prevention of chronic degenerative diseases like osteoporosis.


Palavras-chave


Densidade Mineral Óssea; Profissões; Atividade Física Habitual; Homens

Texto completo:

PDF

Referências


-Caspersen, C.J.; Powell, K.E.; Christenson, G.M. Physical activity, exercise, and physical fitness: definitions and distinctions for health related research. Public Health Rep. Vol. 100. Núm. 2. p. 126-131. 1985.

-Chalmers, J.; Ho, K.C. Geographical variations in senile osteoporosis: the association with physical activity. J Bone Joint Surg Br. Vol. 52. Núm. 4. p. 667-75. 1970.

-Coupland, C.A.C.; e colaboradores. Occupational activity and bone mineral density in postmenopausal women in England. Osteoporos Int. Vol. 11. Núm. 4. p. 310-315. 2000.

-Damilakis, J.; e colaboradores. Effect of lifetime occupational physical activity on indices of bone mineral status in healthy postmenopausal women. Calcif Tissue Int. Vol. 64. Núm. 2. p. 112-116. 1999.

-Fehily, A.M.; e colaboradores. Factors affecting bone density in young adults. Am J clin Nutr. Vol. 56. Núm. 3. p. 579-586.1992.

-Florindo, A.A.; e colaboradores. Past and Present Habitual Physical Activity and Its Relationship With Bone Mineral Density in Men Aged 50 Years and Older in Brazil. J Gerontol a Biol Sci Med Sci. Vol. 57. Núm. 10. p. M654-M657. 2002.

-Gullberg, B.; Johnell, O.; Kanis, J.A. World-wide projections for hip fracture. Osteoporos Int. Vol. 7. Núm. p.407-13. 1997.

-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Revisão 2004 da Projeção da População. 2004. Disponível em: Acesso em 02/2017.

-Kolbe-Alexander, T.L.; Charlton, K.E.; Lambert, E.V. Lifetime physical activity and determinants of estimated bone mineral density using calcaneal ultrasound in older South African adults. J Nutr Health Aging. Vol. 8. Núm. 6. p. 521-530. 2004.

-Korpelainen, R.; e colaboradores. Lifetime factors are associated with osteoporosis in lean women but not in normal and overweight women: a population-based cohort study of 1222 women. Osteoporos Int. Vol. 14. p. 34-43. 2003.

-Matsudo, S. M. M.; Matsudo, V. K. R. Osteoporose e atividade física. Rev Bras Cienc Mov. Vol. 5. Núm. 3. p. 33-60.1991.

-Nóbrega, A.C.L.; e colaboradores. Posicionamento oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte e da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia: atividade física e saúde no idoso. Rev Bras Med Esp. Vol. 5. Núm. 6. p. 207-11.1999.

-Pinto Neto, A.M.; e colaboradores. Consenso brasileiro de osteoporose 2002. Rev Bras Reumatol. Vol. 42. Núm. 6. p. 343-354. 2002.

-Reyes, M.O.; e colaboradores. Bone mass in physicians: a Howard University Hospital pilot study. J Natl Med Assoc. Vol. 96. Núm. 3. p 301. 2004.

-Silman, A.J.; e colaboradores. Influence of physical activity on vertebral deformity men in woman: results from the European vertebral osteoporosis study. J Bone Min Res. Vol. 12. Núm. 5. p. 813-819.1997.

-Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2016 / IBGE, Coordenação de População e Indicadores Sociais. Rio de Janeiro: IBGE. 2016.

-Zerbini, C.A.F. Composição corpórea como determinante da densidade mineral óssea em homens. Tese de Doutoramento. Ribeirão Preto. USP. 1998.

-Weineck, J. Atividade física e esporte: para quê? São Paulo. Manole. 2003.

-Weiss, M.; Yogev, R; Dolev, E. Occupational sitting and low hip mineral density. Calcif Tissue Int. Vol. 62. Núm. 1. p. 47-50.1998.

-World Health Organization. Physical Status: The Use of Interpretation of Anthropometric Indicators of Nutritional Status. WHO Technical Report Series, 854. Geneva. WHO. 1995.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui