Análise de conhecimentos e hábitos de hidratação de corredores de rua no municí­pio do Rio de Janeiro

  • Juliana Brandão Pinto de Castro Programa de Pós-Graduação em Ciências do Exercí­cio e do Esporte, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro-RJ, Brasil.
  • Rodrigo Gomes de Souza Vale Programa de Pós-Graduação em Ciências do Exercí­cio e do Esporte, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro-RJ, Brasil. Universidade Estácio de Sá, Cabo Frio-RJ, Brasil.
  • Flávio Chame Programa de Pós-Graduação em Ciências do Exercí­cio e do Esporte, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro-RJ, Brasil.
  • Hugo Seixas Pinto Azevedo Benittez Programa de Pós-Graduação em Ciências do Exercí­cio e do Esporte, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro-RJ, Brasil.
  • Jurandir Baptista da Silva Programa de Pós-Graduação em Ciências do Exercí­cio e do Esporte, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro-RJ, Brasil.
  • Rodolfo de Alkmim Moreira Nunes Programa de Pós-Graduação em Ciências do Exercício e do Esporte, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro-RJ, Brasil.
  • Rafael da Silva Mattos Programa de Pós-Graduação em Ciências do Exercí­cio e do Esporte, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro-RJ, Brasil.
Palavras-chave: Corrida, Hidratação, Desidratação, Conhecimento

Resumo

O objetivo do estudo foi analisar conhecimentos e hábitos de hidratação de corredores de rua de 5 e 10 km no municí­pio do Rio de Janeiro. O trabalho caracteriza-se como um estudo descritivo, de corte transversal do tipo Survey. A amostra foi composta por 28 indiví­duos, 18 homens (idade: 38,06 ± 13,39 anos) e 10 mulheres (idade: 34,00 ± 6,55 anos), corredores de rua da cidade do Rio de Janeiro, com frequência de treinamento mí­nima de três vezes por semana. Os dados foram coletados através de um questionário adaptado, composto de perguntas sobre caracterí­sticas do treinamento, hábitos de hidratação e importância da hidratação. As respostas do questionário mostraram que 35,7% dos sujeitos do estudo têm o hábito de correr há mais de dois anos, porém 53,6% dos participantes não buscaram orientações quanto a melhor maneira de se hidratar. A maioria (61,5%) dos que buscaram informações sobre a hidratação recorreram a um profissional de Educação Fí­sica, apesar de 64,3% da amostra correr sem a orientação deste profissional e 10,7% ainda desconhecer alguma importância de se hidratar. A hidratação dos indiví­duos se dá predominantemente após os treinos (87%) e competições (86,7%) com lí­quidos moderadamente gelados (57,1%) e isotônicos (39,3%) em conjunto com a água (100%). Todavia, 39,3% dos participantes se preocupam com a hidratação apenas no verão. Conclui-se que os corredores pesquisados se hidratam com certa frequência após as atividades, porém não entendem a importância dessa ação. O profissional de Educação Fí­sica è o profissional mais procurado para informar sobre a hidratação.

Biografia do Autor

Juliana Brandão Pinto de Castro, Programa de Pós-Graduação em Ciências do Exercí­cio e do Esporte, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro-RJ, Brasil.

Doutorado em andamento no Programa de Pós-Graduação em Ciências do Exercí­cio e do Esporte (PPGCEE) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Mestre em Alimentação, Nutrição e Saúde pelo Instituto de Nutrição da UERJ. Especialista em Geriatria e Gerontologia pela Faculdade de Ciências Médicas (FCM/UERJ). Graduada em Licenciatura Plena em Educação Fí­sica pela UERJ.

Rodrigo Gomes de Souza Vale, Programa de Pós-Graduação em Ciências do Exercí­cio e do Esporte, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro-RJ, Brasil. Universidade Estácio de Sá, Cabo Frio-RJ, Brasil.

Graduado em Educação Fí­sica (UFRJ), Mestrado em Ciência da Motricidade Humana (UCB/RJ) e Doutorado em Ciências da Saúde (UFRN). É professor adjunto do curso de Educação Fí­sica e Desportos (IEFD) e do Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Ciências do Exercí­cio e do Esporte da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (PPGCEE-UERJ). É professor, coordenador do Laboratório de Fisiologia do Exercí­cio (LAFIEX) e do curso de Educação Fí­sica da Universidade Estácio de Sá (UNESA-Cabo Frio/RJ). Tem experiência na área de Educação Fí­sica e Saúde, com ênfase em Condicionamento Fí­sico, Treinamento, Biomecânica e Fisiologia do Exercí­cio, Atividade Fí­sica, Saúde e Qualidade de Vida. É pesquisador de temas sobre: avaliação, equilí­brio, quedas e postura, eletromiografia, treinamento de força, aeróbico e flexibilidade, hormônios, qualidade de vida, autonomia e envelhecimento.

Flávio Chame, Programa de Pós-Graduação em Ciências do Exercí­cio e do Esporte, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro-RJ, Brasil.

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Exercí­cio e do Esporte da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Graduado em Licenciatura Plena em Educação Fí­sica pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), especialização em Futebol pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, mestre em Educação Fí­sica pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro na área de Ciências do Desporto e graduado em Fisioterapia pela Escola Superior de Ensino Helena Antipoff. Docente do Instituto de Educação Fí­sica e Desportos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro onde ministra as disciplinas de Metodologia do Treinamento Desportivo.

Jurandir Baptista da Silva, Programa de Pós-Graduação em Ciências do Exercí­cio e do Esporte, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro-RJ, Brasil.

Mestre em Ciências do Exercí­cio e do Esporte - UERJ; Especialista em Biomecânica - UFRJ; Especialista em Educação Fí­sica Escolar - UCAM (2014); Licenciatura Plena em Educação Fí­sica - FAMATH (2007). Professor universitário. Professor do curso de Pós Graduação Lato Sensu em Anatomia Humana e Biomecânica da Universidade Castelo Branco nas disciplinas: Cinemática, Cinesiologia e Prática Laboratorial. Professor do Curso de Pós-Graduação Lacto Sensu em Reabilitação Musculoesquelética e Funcional da Universidade Estácio de Sá na disciplina: Bases neurofisiológicas, Princí­pios e Variáveis do Treinamento de Força. Pesquisador do Laboratório de Biodinâmica do Exercí­cio, Saúde e Performance da Universidade Castelo Branco. Tem experiência na área de Educação Fí­sica e pesquisa, atuando principalmente nos seguintes temas: Biomecânica, Cinesiologia, Eletromiografia, Cinemática, Cinemetria, Treinamento de Força, Tempo sob Tensão muscular, Performance e Qualidade de vida.

Rafael da Silva Mattos, Programa de Pós-Graduação em Ciências do Exercí­cio e do Esporte, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro-RJ, Brasil.

É graduado em Licenciatura Plena em Educação Fí­sica e Desportos pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e Doutor em Saúde Coletiva com concentração em Ciências Humanas e Saúde pelo Instituto de Medicina Social da UERJ. É Bacharel em Filosofia pelo Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UERJ. É especialista em Direito do Trabalho pela FIS. É membro-pesquisador do Grupo de Pesquisa CNPq Racionalidades Médicas e Práticas de Saúde sediado na Universidade Federal Fluminense. É pesquisador do Laboratório do Imaginário Social sobre Atividades Corporais e Lúdicas (sediado na UERJ) e do Laboratório de Fisiologia aplicado à Educação Fí­sica (sediado na UERJ). É um dos Coordenadores do Programa de Extensão "Práticas Corporais de Saúde" da UERJ, criado pela Reitoria em 2014. É Professor Adjunto do Departamento de Ciências da Atividade Fí­sica do Instituto de Educação Fí­sica e Desportos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e Coordenador de Graduação. Publicou em 2012 o livro "Sobrevivendo ao Estigma da Gordura" pela Editora Vetor-SP. Em 2014 publicou o livro "Imagem Corporal: novos olhares numa perspectiva interdisciplinar para o século XXI". Em 2015, publicou o livro "Fibromialgia: o mal-estar do século XXI" pela Editora Phorte. Em 2016, publicou o livro "Pesquisa Qualitativa em Educação Fí­sica" pela Editora CRV.

Referências

-Adam, B.O.; Fanelli, C.; Souza, E.S.; Stulbach, T.E.; Monomi, P.Y. Conhecimento nutricional de praticantes de musculação de uma academia da cidade de São Paulo. Brazilian Journal of Sports Nutrition. Vol. 2. Num. 2. p. 24-36. 2013.

-American College of Sports Medicine. Posicionamento oficial: o uso do álcool nos esportes. Rev Bras Med Esporte. Vol. 3. Num. 3. p. 89-91. 1997.

-American College of Sports Medicine; Sawka, M.N.; Burke, L.M.; Eichner, E.R.; Maughan, R.J.; Montain, S.J.; Stachenfeld, N.S. American College of Sports Medicine position stand. Exercise and fluid replacement. Medicine & Science in Sports and Exercise. Vol. 39. Num. 2. p. 377-390. 2007.

-Brito, C.J.; Marins, J.C.B. Caracterização das práticas sobre hidratação em atletas da modalidade de judô no estado de Minas Gerais. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Vol. 13. Num. 2. p. 59-74. 2005.

-Brito, I.S.S.; Brito, C.J.; Fabrini, S.P.; Marins, J.C.B. Caracterização das práticas de hidratação em karatecas do estado de Minas Gerais. Fitness & Performance Journal. Vol. 5. Num. 1. p. 24-30. 2006.

-Carvalho, T.; Mara, L.S. Hidratação e nutrição no esporte. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 16. Num. 2. p. 144-148. 2010.

-Castro, J.B.P.; Carvalho, M.C.V.S.; Ferreira, F.R.; Prado, S.D. Educação Física, Nutrição e... bebidas alcoólicas! Um paradoxo para o campo biomédico e um elemento de distinção social. Demetra: Alimentação, Nutrição & Saúde. Vol. 9, Num. 4. p. 881-892. 2014.

-Castro, P.H.C.; Freitas, J.V.; Santos, J.P.N.R.; Cruz, R.; Werneck, F.Z.; Santos, A.; Bastos, L.L.A.G. Caracterização do conhecimento e dos hábitos de hidratação de jovens atletas de atletismo. Coleção Pesquisa em Educação Física. Vol. 12. Num. 3. p. 51-58. 2013.

-Confederação Brasileira de Atletismo. Reconhecimento e homologação de corridas de rua. 2016. [acesso em 9/05/015]. Disponível em: <http://www.cbat.org.br/normas/Norma07.pdf>

-Cruz, M.A.E.; Cabral, C.A.C.; Marins, J.C.B. Nível de conhecimento e hábitos de hidratação dos atletas de mountain bike. Fitness & Performance Journal. Vol. 8. Num. 2. p. 79-89. 2009.

-Ferreira, F.G.; Altoé, J.L.; Silva, R.P.; Tsai, L.P.; Fernandes, A.A.; Brito, C.J.; Marins, J.C.B. Nível de conhecimento e práticas de hidratação em atletas de futebol de categoria de base. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Vol. 11, Num. 2. p. 202-209. 2009.

-Graciano, L.C.; Ferreira, F.G.; Chiapeta, S.M.S.V.; Scolforo, L.B.; Segheto, W. Nível de conhecimento e prática de hidratação em praticantes de atividade física em academia. Revista Brasileira de Nutrição Esportiva. Vol. 8. Num. 45. p. 146-155. 2014. Disponível em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/447/414>

-Hausen, M.R.; Cordeiro, R.G.; Guttierres, A.P.M. Aspectos relevantes sobre a hidratação no esporte e na atividade física. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto. Vol. 12. Num. 4. p. 47-58. 2013.

-Hespanhol Junior, L.C.; Costa, L.O.P.; Carvalho, A.C.A.; Lopes, A.D. Perfil das características do treinamento e associação com lesões musculoesqueléticas prévias em corredores recreacionais: um estudo transversal. Brazilian Journal of Physical Therapy. Vol. 16. Num. 1. p. 46-53. 2012.

-Machado-Moreira, C.A.; Vimieiro-Gomes, A.C.; Silami-Garcia, E.; Rodrigues, L.O.C. Hidratação durante o exercício: a sede é suficiente? Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 12. Num. 6. p. 405-409. 2006.

-Maia, E.C.; Costa, H.A.; Castro Filha, J.G.L.; Oliveira Junior, M.N.S. Estado de hidratação de atletas em corrida de rua de 15 km sob elevado estresse térmico. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 21. Num. 3. p. 187-191. 2015.

-Marins, J.C.B. Exercício físico e calor: implicações fisiológicas e procedimentos de hidratação. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. Vol. 1. Num. 3. p. 26-38. 1996.

-Marins, J.C.B. Homeostase hídrica corporal em condições de repouso e durante o exercício físico. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. Vol. 3. Num. 2. p. 58-72. 1998.

-Marins, J.C.B.; Ferreira, F.G. Nível de conhecimento dos atletas universitários da UFV sobre hidratação. Fitness & Performance Journal. Vol. 4. Num. 3. p. 175-187. 2005.

-Montain, S.J.; Cheuvront, S.N.; Sawka, M.N. Exercise associated hyponatraemia: quantitative analysis to understand the aetiology. British Journal of Sports Medicine. Vol. 40. Num. 2. p. 98-105. 2006.

-Morales, A.P.; Maciel, R.N.; Jorge, F.S.; Arêas Neto, N.T.; Cordeiro, D.C.; Viana, M.A.S.; Oliveira, C.J.L. Alterações dos níveis séricos de creatinina, ácido úrico, creatina kinase e da taxa de filtração glomerular em corredores de “ruaâ€. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Vol. 15. Núm. 1. p. 71-81. 2013.

-Noakes, T.D.; Speedy, D.B. Case proven: exercise associated hyponatraemia is due to overdrinking. So why did it take 20 years before the original evidence was accepted? British Journal of Sports Medicine. Vol. 40. Num. 7. p. 567-572. 2006.

-Parr, E.B.; Camera, D.M.; Areta, J.L.; Burke, L.M.; Phillips, S.M.; Hawley, J.A.; Coffey, V.G. Alcohol ingestion impairs maximal post-exercise rates of myofibrillar protein synthesis following a single bout of concurrent training. PLoS One. Vol. 9. Num. 2. p. e88384. 2014.

-Salgado, J.V.V.; Mikahil, M.P.T.C. Corrida de rua: análise do crescimento do número de provas e de praticantes. Conexões. Vol. 4. Num. 1. p. 90-99. 2006.

-Shephard, R.J. Suppression of information on the prevalence and prevention of exercise-associated hyponatremia. British Journal of Sports Medicine. Vol. 45. Num. 15. p. 1238-1242. 2011.

-Shirreffs, S.M.; Maughan, R.J. Restoration of fluid balance after exercise-induced dehydration: effects of alcohol consumption. Journal of Applied Physiology. Vol. 83. p. 1152-1158. 1997.

-Spanish Federation of Sports Medicine. Consensus on drinks for the sportsman: composition and guidelines of replacement of liquids. Archivos de Medicina del Deporte. Vol. 25. Núm.126. p. 245-258. 2008.

-Tomporowski, P.D.; Beasman, K.; Ganio, M.S.; Cureton, K. Effects of dehydration and fluid ingestion on cognition. International Journal of Sports Medicine. Vol. 28. Num. 10. p. 891-986. 2007.

Publicado
2018-07-24
Como Citar
Castro, J. B. P. de, Vale, R. G. de S., Chame, F., Benittez, H. S. P. A., Silva, J. B. da, Nunes, R. de A. M., & Mattos, R. da S. (2018). Análise de conhecimentos e hábitos de hidratação de corredores de rua no municí­pio do Rio de Janeiro. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 12(74), 339-348. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1409
Seção
Artigos Científicos - Original