Análise do exercício puxada aberta com e sem o método pré exaustão em parâmetros fisiológicos de esforço

Marco Gutemberg Marcos, Leonardo Tolentino dos Santos, Marcone Alisson Nogueira Oliveira, Alex Sander Freitas, Vinicius Dias Rodrigues

Resumo


O treinamento de força (TF) é geralmente prescrito para promover o aumento na força, potência, resistência e hipertrofia muscular. Essas adaptações podem ser moduladas através da manipulação das variáveis do treinamento, tais como, número de séries e repetições, intensidade de carga, volume de treino, escolha e ordem dos exercícios. A ordem dos exercícios refere-se à sequência em que eles são realizados em uma sessão de treinamento, a qual parece influenciar diretamente o número de repetições e consequentemente o volume total de trabalho. O objetivo desse trabalho foi comparar o duplo produto, frequência cardíaca, e pressão arterial sistólica e diastólica antes durante e após o exercício puxada (pulley) a frente com pegada aberta com e sem o método de pré-exaustão. O estudo foi caracterizado como descritivo de corte transversal de natureza exploratória, com análise quantitativa, a amostra foi composta por 8 indivíduos do sexo feminino praticantes de musculação a pelo menos seis meses ininterruptos. Para avaliação da frequência cardíaca (FC), pressão arterial sistólica (PAS) e pressão arterial diastólica (PAD) e duplo produto (DP) foram usados Frequêncímetro da marca Polar modelo FT4, Esfigmomanômetro Aneroide Hospitalar Premium. Os dados foram analisados no programa Statístical Package for the Social Science (SPSS) 20.0 for Windows. Em relação a comparação das variáveis hemodinâmicas FC, PAS, PAD e DP pré, durante e pós sessão com e sem o método de pré-exaustão foi observado uma diferença significativa de alguns valores. Sem a pré-exaustão tivemos diferenças significativas das médias do repouso para a 1ª, 2ª e 3ª séries tanto da FC, PAS, PAD e DP, com o mesmo teste mas usando o método da pré-exaustão, obtivemos diferenças de médias comparando os valores de repouso com 1ª,2ª e 3ª series. No entanto quando comparado os valores com e sem pré-exaustão não constatou-se diferença significativa. Sendo assim o método pré exaustão não deve ser prescrito baseado na FC, DP, PAS e PAD, sugerindo o desenvolvimento de estudos mais aprofundados sobre o tema.

 

ABRSTRAC 

Analysis of open pull exercise with and without the pre-exhaustion method in physiological stress parameters

Strength training (FT) is usually prescribed to promote increased strength, power, endurance, and muscle hypertrophy. These adaptations can be modulated by manipulating the training variables, such as number of sets and repetitions, load intensity, training volume, choice and order of the exercises. The order of the exercises refers to the sequence in which they are performed in a training session, which seems to directly influence the number of repetitions and consequently the total volume of work. The objective of this study was to compare the double product, heart rate, and systolic and diastolic blood pressure before and after the pulley exercise with open footprint with and without the pre-exhaustion method. The study was characterized as a cross - sectional descriptive of an exploratory nature, with quantitative analysis, the sample was composed of 8 female subjects practicing bodybuilding at least six months without interruption. For the evaluation of heart rate (HR), systolic blood pressure (SBP) and diastolic blood pressure (DBP) and double product (DP) were used Polarimeter FT4 model, Hospital Aneroid Premium Sphygmomanometer. The data were analyzed in the Statistical Package for the Social Science (SPSS) 20.0 for Windows program. Regarding the comparison of hemodynamic variables HR, SBP, DBP and DP pre, during and post session with and without the pre-exhaustion method, a significant difference of some values was observed. Without the pre-exhaustion we had significant differences between the means of rest for the first, second and third series of HR, SBP, DBP and DP, with the same test but using the pre-exhaustion method, we obtained differences of averages comparing the values Of resting with 1st, 2nd and 3rd series. However, when comparing the values with and without pre-exhaustion, there was no significant difference. Therefore, the pre-exhaustion method should not be prescribed based on HR, PD, SBP and DBP, suggesting the development of more in-depth studies on the subject.


Palavras-chave


Treinamento de força; Puxada alta a frente; Pré-exaustão

Texto completo:

PDF

Referências


-American College of Sports Medicine. Position stand: Progression models in resistance training for healthy adults. Medicine and Science in Sports Exercise, Baltimore. Vol. 34. p. 364-380. 2002.

-Augustsson J, Thomeé R, Hörnstedt P, Lindblom J, Karlsson J, Grimby G. Effect of pre-exhaustion exercise on lower-extremity muscle activation during a leg press exercise. J Strength Cond Res. Vol. 17. p. 411-416. 2003.

-Baechle, T. R.; Groves, B. R.; Treinamento de Força: Passos Para o Sucesso. Artmed. 2000.

-Brennecke, A.; Guimarães, T.M.; Leone, R.; Cadarci, M.; Mochizuki, L.; Simão, R. Neuromuscular activity during bench press exercise performed with and without the preexhaustion method. J Strength Cond Res. Vol. 23. p. 1933-1940. 2009.

-Farinatti, P.T.V.; Assis, B.F.C.B. Estudo da freqüência cardíaca, pressão arterial e duplo-produto em exercícios contra-resistência e aeróbico contínuo. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. Num. 5. 2000.

-Farinatti, P. T.; Monteiro, W. D. Fisiologia e Avaliação funcional. Rio de Janeiro. Sprint. 1999.

-Fleck, S.J.; Kraemer, W.J. Fundamentos do treinamento de força muscular. Porto Alegre. Artes Médicas. 2006.

-Gentil, P.; Oliveira, E.; Araújo, V.; Carmo, J.; Bottaro, M. Effects of exercise order on upper-body muscle activation and exercise performance. J Strength Cond Res. Vol. 21. p. 1082-1086. 2007.

-Guyton, A. C.; Hall, J. E. Tratado de Fisiologia Médica. 10ª edição. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2002.

-Hamer, M. The anti-hypertensive effects of exercise-integrating acute and chronic mechanisms. Sports Medicine. Vol. 36. Num. 2. p. 109-116. 2006.

-Júnior, V.A.; Bottaro, M.; Pereira, M.C.; Andrade, M.M.; P. Júnior, P.R.; Carmo, J.C. Electromyographic analyses of muscle pre-activation induced by single joint exercise. Rev Bras Fisioter. Vol. 14. p. 158-165. 2010.

-Kraemer, W. J.; Ratamess, N. A. Progression and resistance training. President’s Council on Physical Fitness and Sports. Vol. 6. Num. 3. 2005.

-Rocha Junior, V. A.; Gentil, P.; Oliveira, E.; Carmo, J. Análise eletromiográfica da pré-ativação muscular induzida por exercício monoarticular. Rev. bras. fisioter. Vol. 14. Núm. 2. Epub. 2010.

-Salles, B. F.; Oliveira, N.; Ribeiro, F. M.; Simão, R.; Novaes, J. S. Comparação do método pré-exaustão e da ordem inversa em exercícios para membros inferiores. Rev Educ Fis. Vol. 19. Núm. 1. p. 85-92. 2008.

-Silva, M.A.F.; Rech, C.R. Respostas hemodinâmicas agudas ao exercício resistido. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo. Vol. 5. Num. 27. p. 201-210. 2011. Disponível em:

-Silva, M.A.F.; Rech, C.R.; Santos, R.A.Variações Hemodinâmicas no Exercício Resistido em duas Intensidades Diferentes. III Simpósio de Educação Física - "O Estado da Arte: Perspectivas Histórico - Sociais, Educacionais e Biológicas do Ser Humano em Movimento". Universidade Estadual do Centro-Oeste (UNICENTRO). 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui