Conhecimento da manipulação das variáveis metodológicas do treinamento de força entre os profissionais de Educação Física

Ayran Matos Quadros, Gracy Mariele Schwatey, Déborah de Araújo Farias

Resumo


A busca pela prática do treinamento de força (TF) tem aumentado, com objetivos não só relacionados à saúde e qualidade de vida, como também para fins estéticos. O objetivo do presente estudo foi identificar o percentual de profissionais que têm o conhecimento sobre as variáveis metodológicas do treinamento de força. O estudo foi composto por 19 profissionais de educação física, que atuam em academias na cidade de Castanhal-PA, trabalhando especificamente no salão de musculação, de ambos os gêneros e faixas etárias. Foi aplicado um questionário adaptado com perguntas abertas e fechadas. O questionário foi subdividido em dois tópicos sendo “formação profissional” e “percepções pessoais”. Os resultados apontaram que muitos dos professores não têm conhecimento da manipulação adequada das variáveis metodológiicas do treinamento de força, o que gera controvérsias, uma vez que a literatura considera que as variáveis metodológicas devem ser utilizadas de forma racional para que se assegure o resultado desejado. Concluímos que há a necessidade de uma reciclagem e aperfeiçoamento de conhecimentos para que haja uma melhoria na atuação desses profissionais, buscando não só alcançar os objetivos solicitados pelo praticante do treinamento de força como também visando a promoção da saúde para uma melhor qualidade de vida.

 

ABSTRACT 

Knowledge of the manipulation of the methodological variables of strength training among physical education professionals

The search for the resistance training (RT) practice has increased, with goals not only related to health and quality of life, but also for aesthetic purposes. The aim of the present study was to identify the percentage of professionals who have knowledge of the RT methodological variables. The study was composed of 19 physical education professionals, who work in gyms in the City of Castanhal-PA, atending specifically in the weight room, of both genders. An adapted questionnaire with open and closed questions was applied. The questionnaire was subdivided into two topics being “professional training” and “personal perceptions”. The results pointed out that many of the teachers are unaware of the adequate manipulation of the methodological variables of RT, which generates controversial, since the literature considers that the metodological variables must be used in a rational way to ensure the desired result. We concluded that, there ir a need to recycle and improve knowledge so that there is a improvement in the performance of these professionals, seeking not only to achieve the goals required by the RT practitioner but also to promote health and quality of life.


Palavras-chave


Academias de ginástica; Treinamento de resistência; Qualidade de Vida

Texto completo:

PDF

Referências


-Almeida, H.F.R.; Almeida, D.C.M.; Gomes, A.C. Uma ótica evolutiva do treinamento desportivo através da história. Revista de Treinamento Desportivo. Vol. 1972. p. 40-52. 2000.

-American College of Sports Medicine. Position stand on progression models in training for healthy adults. Medicine and Science Sports Exercise. Vol. 34. 2009a. p. 364-380.

-American College of Sports Medicine. Exercise and physical activity for older adults. Medicine and science in sports and exercise. Vol. 41. Num. 7. 2009b. p. 1510-1530.

-American College of Sports Medicine. Colberg, S. R.; e colaboradores. Exercise and type 2 diabetes: American College of Sports Medicine and the American Diabetes Association: joint position statement. Exercise and type 2 diabetes. Medicine and science in sports and exercise. Vol. 42. Num. 12. 2010. p. 2282-2303.

-American College of Sports Medicine. Quantity and quality of exercise for developing and maintaining cardiorespiratory, musculoskeletal, and neuromotor fitness in apparently healthy adults: guidance for prescribing exercise. Medicine and science in sports and exercise. Vol. 43. Num. 7. 2011. p. 1334-1359.

-Antunes, A.C. Perfil profissional de instrutores de academias de ginástica e musculação. Lecturas, Educación Física y Deportes. Vol. 9. 2003. p. 60.

-Barros, J.M.C. Exercício legal da profissão. Revista CREF-SP. São Paulo. Vol. 3. Num. 4. 2002. p. 11.

-Chagas, M.H.; Lima, F.V. Musculação: Variáveis Estruturais / Programas de Treinamento. 2ª edição. Belo Horizonte: Casa da Educação Física. 2011.

-Ferreira, A.D.C.D.; Acineto, R.R.; Nogueira, F.R.S.; Silva, A.S. Musculação: aspectos fisiológicos, neurais, metodológicos e Nutricionais. XI Encontro de Iniciação à Docência-UFPB-PRG-2008. 2008.

-Fleck, S.J.; Kraemer, W.J. Fundamentos do Treinamento de Força Muscular. 4ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2014.

-Fleck, S.J.; Simão, R. Força, Princípios Metodológicos Para Treinamento. São Paulo. Phorte. 2008.

-Oliveira, P.R. O Modelo das Cargas Concentradas de Força: Periodização Contemporânea do Treinamento Desportivo. São Paulo. Phorte. 2008.

-Pereira, R.M. A relação professor-aluno em um espaço não formal de educação: a academia de musculação. Trabalho de Conclusão de Curso – Faculdade de Educação Física, Universidade Federal do Pará, Castanhal, 2011.

-Pereira, R.G.; Paula A.H. Perfil profissional de instrutores de musculação das academias da cidade de João Monlevade-MG. Movimentum-Rev. Digital de Ed Física. Vol. 2. Num. 1. 2007. p. 1-10.

-Pescud, M.; Pettigrew, S.; Mcguigan, M. R.; Newton, R. U. Factors influencing overweight children’s commencement of and continuation in a resistance training program. BMC Public Health. Vol. 10. 2010. p. 709.

-Prestes, J.; Foschini, D.; Marchetti, P.; Charro, M.A. Prescrição e Periodização do Treinamento de Força em Academias. Barueri, SP: Manole, 2010.

-Santana, N.L.; Campos, D.R.; Campos, L.A.S.; Barbosa Neto, O.; Mendes, E.L. Avaliação do conhecimento das terminologias e metodologias do treinamento de musculação entre profissionais e praticantes na cidade de Patos de Minas-MG. Coleção Pesquisa em Educação Física. Vol. 9. Num. 4. 2010. p. 81-88.

-Souza, D.F. Perfil dos instrutores de musculação: um estudo sobre as estratégias utilizadas na formação profissional. Trabalho de Conclusão de Curso. Escola de Educação Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2011.

-Tubino, M.J.G.; Moreira, S.B. Metodologia Científica do Treinamento Desportivo. 13. ed. Rio de Janeiro: Shape, 2003.

-Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Formas de Manifestação da força muscular, bem como métodos para o treinamento. Informações acadêmicas da graduação. 2011. Disponível em: Acessado em: 9/08/2016.

-Vieira, A.A.; Carneiro Junior, M.A. O perfil do academia de atividade física da microrregião de Ubá/MG. Lecturas, Educación Física y Deportes. Buenos Aires. Vol. 15. Num. 148. 2010.

-Zica, L.C.F. O perfil do profissional de educação física que atua com personal trainer na região metropolitano de Belo Horizonte. Trabalho de Conclusão de Curso. Graduação em Educação Física. Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte. 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui