Respostas cardiovasculares em diferentes percentuais de vinte repetições máximas em homens treinados e destreinados no treinamento resistido em circuito

Igor Nicolau Pinto, Jeferson Américo Ancelmo Teixeira, Rodrigo Ferro Magosso, Cássio Mascarenhas Robert Pires, Sérgio Eduardo de Andrade Perez, Vilmar Baldissera, Anderson Diogo Lino

Resumo


Objetivo: O estudo foi realizado para verificar as respostas da frequência cardíaca e da pressão arterial no treinamento resistido em circuito em diferentes porcentagens de 20 repetições máximas. Materiais e método: Fizeram parte do estudo 20 voluntários, sendo 10 treinados com mais de seis meses de treinamento e 10 destreinados que não realizam treino de força a mais de seis meses. As porcentagens escolhidas para responder nossa pergunta científica foram: 60% = 12 repetições, 80% = 16 repetições e 100% = 20 repetições máximas, sendo essas definida através de sorteio aleatório no dia da sessão com intervalo de 72hs entre as sessões. Foi utilizado relógio frequencímetro para medir a frequência cardíaca durante o treino. Para medir pressão arterial, foi utilizado o método auscultatório. Resultado e discussão: A frequência cardíaca eleva-se de maneira similar independentemente do nível de treinamento, assim como a recuperação após sessão de exercício. Em porcentagens maiores (80 e 100%), a diminuição da frequência cardíaca se dá de maneira mais acentuada para os indivíduos treinados. A pressão arterial sistólica, eleva-se de maneira similar em ambos os níveis de treinamento. A pressão arterial media eleva-se somente em intensidades menores (60%). Conclusão: Os dados do presente estudo permitem concluir que o nível de treinamento não afeta o aumento na FC durante o exercício e a diminuição da PAS após o TR em circuito, mas afeta a recuperação da FC após a sessão de TR em circuito.

 

ABSTRACT 

Cardiovascular responses to different percentages of twenty maximum repetition in trained and untrained men in circuit resistance training

Purpose: this study was conducted to verify heart rate and blood pressure responses during circuit resistance training in different percentages of 20 repetition maximum. Methods: 20 volunteers participated in the study of which 10 were trained for more than six months and 10 who were untrained or had not been training for the past six months. Chosen percentages to answer the problematic were: 60% = 12 repetitions; 80% = 16 repetitions and; 100% = 20 repetitions, and the percentage of each session was defined randomly with 72 hours between sessions. A heart rate monitor was used to measure heart rate during sessions. Blood pressure was measured by the auscutatory method. Results and discussion: heart rate was increased and blood pressure was decreased similarly independent of training status. In the higher percentages (80 and 100%) the decrease in heart rate was faster for trained individuals. Systolic blood pressure was similarly elevated in both groups. Medium blood pressure was elevated only in the lower percentage (60%). Conclusion: the data from the present study allow to conclude that training status does not affect heart rate increase during and sistolic blood pressure decrease after circuit resistance training but it affects the recovery of heart after a circuit resistance training session.


Palavras-chave


Frequência cardíaca; Pressão arterial; Hipotensão pós exercício; Treinamento de força; Nível de treinamento

Texto completo:

PDF

Referências


-Anunciação, P.G.; e colaboradores. Comportamento cardiovascular após o exercício resistido realizado de diferentes formas e volume de trabalho. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 18. Num. 2. 2012. p. 117-121.

-Arazi, H.; Ghiasi, A.; Asgharpoor, S. Estudo comparativo de respostas cardiovasculares para dois intervalos de recuperação entre exercícios resistidos em circuito em mulheres normotensas. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 19. Num. 3. 2013. p. 176-180.

-Bermudes, A.M.L.M.; e colaboradores. Monitorização Ambulatorial da Pressão Arterial em Indivíduos Normotensos Submetidos a Duas Sessões Únicas de Exercícios: Resistido e Aeróbio. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. 2003.

-Brown, L.E.; Weir, J.P. Procedures Recommendation I: Accurate Assessment of Muscular Strength and Power. Professionalization of Exercise Physiology. Vol. 4. Num. 11. 2001.

-Deschenes, M.R.; Kraemer, W.J. Performance and physiologic adaptations to resistance training. American Journal of Physical Medicine & Rehabilitation. 2002.

-Farinatti, P.T.V., Assis B.F.C. Estudo de freqüência cardíaca, pressão arterial e duplo-produto em exercícios contra-resistência e aeróbio contínuo. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. Vol. 5. Num.2. 2000. p. 5-16.

-Fleck, S.J.; Dean, L.S. Resistance-training experience and the pressor response during resistance exercise. Journal of Applied Physiology. Vol. 63. Num. 1. 1987. p. 116-120.

-Fleck, S.J. Cardiovascular adaptations to strength training. Medicine Science and Sports Exercise. Vol. 20. Num. 5 Suppl. 1988. p. 146-51.

-Fleck, S.J.; e colaboradores. Aplicação da versão em português do instrumento de avaliação da qualidade de vida da Organização Mundial da Saúde (WHOQOL-100). Revista de saúde pública. Vol. 33. Num. 2. 1999. p. 198-205.

-Forjaz, C.L.M.; Matsudaira, Y.; Rodriguês, F.B.; Nunes, N.; Negrão, C.E. Post-exercise changes in blood pressure, heart rate and rate pressure product at different exercise intensities in normotensive humans. Brazilian Journal Medicine Biological Research, Ribeirão Preto. Vol. 31. Num. 10. 1998. p. 1247-1255.

-Forjaz, C.L.M.; Tinucci, T.A. A medida da pressão arterial no exercício. Revista Brasileira de Hipertensão. Ribeirão Preto. Vol. 7. Num.1. 2000. p. 79-87.

-Forjaz, C.L.; Rezk C.C.; Cardoso Jr., C.F. In: Negrão, C.E.; Pereira Barreto, A.C. (eds.). Cardiologia do exercício: do atleta ao cardiopata. São Paulo. Manole. 2005. p. 354.

-Goldberger, J.J.; e colaboradores. Assessment of parasympathetic reactivation after exercise. American Journal of Physiology-Heart and Circulatory Physiology. Vol. 290. Num. 6. 2006. p. 446-452.

-Haskell, W.L.; e colaboradores. Physical activity and public health: updated recommendation for adults from the American College of Sport Medicine and the American Heart Association. Medicine and Science in Sports and Exercise. Vol. 3. Num. 2. 2007. p. 1423-1434.

-Marsola, T.S.; De Carvalho, R.S.T.; Robert-Pires, C.M. Relação entre peso levantado em teste de 1RM e peso corporal de homens sedentários no exercício supino reto. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 5. Num. 30. 2012. Disponível em:

-Oliveira, J.C.; e colaboradores. Identificação do limiar de lactato e limiar glicêmico em exercícios resistidos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 2006.

-Oliveira, J.R.; e colaboradores. Respostas hormonais agudas a diferentes intensidades de exercícios resistidos em mulheres idosas. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. 2008.

-Polito, M.D.; Farinatti, P.T.V. Respostas de freqüência cardíaca, pressão arterial e duplo-produto ao exercício contra-resistência: uma revisão da literatura. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto. 2003.

-Rhea, M.R. e colaboradores. A meta-analysis to determine the dose response for strength development. Medicine and Science in Sports and Exercise. Vol. 35. Num. 3. 2003. p. 456-464.

-Rocha, A.C.; Sartori, M.; Rodrigues, B.; De Angelis, K. Influence of the sets in cardiovascular and autonomic adjusmentes to resistance exercise in physically active men. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 19. Num. 5. 2013. p. 332-335.

-Sale, D.G.; e colaboradores. Comparison of blood pressure response to isokinetic and weight-lifting exercise. European journal of applied physiology and occupational physiology. Vol. 67. Num. 2. 1993. p. 115-120.

-Weber, C.L.; Schneirder, D.A. Maximal accumulated oxygen deficit expressed relative to the active muscle mass for cycling in untrained male and female subjects. European Journal of Applied Physiology. Vol. 82. Num. 4. 2000. p. 255-261.

-Wilmore, J.H.; Costill, L.D. Fisiologia do esporte e do exercício. 2ª edição. Manole. 2002. p. 709.

-Wolfe, B.L.; Lemura, L.M.; Cole, P.J. Quantitative analysis of single-vs. multiple-set programs in resistance training. The Journal of Strength & Conditioning Research. Vol. 18. Num. 1. 2004. p. 35-47.

-World Health Organization. Global recommendations on physical activity for health. Genebra: WHO. 2010. Disponível em: Acessado em setembro de 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui