Parâmetros antropométricos, da força explosiva e da agilidade em atletas de voleibol do sexo feminino

  • Jamille Locatelli Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto-MG
  • Milla Miriane Vieira Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto-MG
Palavras-chave: Voleibol, Antropometria, Força explosiva, Agilidade

Resumo

Introdução: Na prática do voleibol, o desempenho esportivo dos atletas depende de múltiplos fatores, tais como força explosiva, agilidade e potência. Objetivo: Avaliar parâmetros antropomètricos, força explosiva e agilidade de atletas de uma equipe regional de voleibol feminino do interior de Minas Gerais - Brasil. Métodos: O estudo foi realizado com nove atletas do sexo feminino de uma equipe adulta amadora de voleibol da cidade de Itabirito - MG. As atletas foram submetidas à avaliação antropométrica, de força explosiva de membros inferiores e de agilidade. Resultados: A média dos valores encontrados para massa corporal foi de 68,1 ± 11,4 kg, 175,1 ± 6,7 cm para estatura e 15,9 ± 4,9% para percentual de gordura. Os valores médios apresentados para o salto vertical (47,67 ± 6,8 cm) foram classificados como excelente para a distância alcançada, segundo a classificação para mulheres saudáveis e para atletas. Já para o teste de agilidade (18,63 ± 1,4 seg), os valores encontrados foram classificados como abaixo da média para atletas. Conclusão: Com base nesses resultados, podemos concluir que as atletas amadoras de voleibol da cidade de Itabirito-MG apresentaram caracterí­sticas antropométricas e ní­veis de força explosiva de membros inferiores semelhantes às de atletas profissionais de voleibol.

Biografia do Autor

Jamille Locatelli, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto-MG

Bacharel e Licenciada em Educação Fí­sica - UFV

Doutora em Ciência Biológicas - UFOP

Milla Miriane Vieira, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto-MG

Bacharel em Educação Fí­sica - UFOP

Referências

-Bizzocchi, C. O voleibol de alto nível: da iniciação à competição. São Paulo. Manole. 2008.

-Bojikian, J. C. M. Vôlei vs. Vôlei. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. Barueri. Vol. 1. Núm. 1. 2002. p.117-124.

-Borin, J. P.; Gomes, A. C.; Leite, G. S. Preparação desportiva: aspectos do controle da carga de treinamento nos jogos coletivos. Revista da Educação Física/UEM. Maringá. Vol. 18. Núm. 1. 2007. p. 97-105.

-Cabral, B. G. A. T.; Cabral, S. A. T.; Miranda, H. F.; Dantas, P. M. S.; Reis, V. M. Efeito discriminante da morfologia e alcance de ataque no nível de desempenho em voleibolistas. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Florianópolis. Vol. 13. Núm. 3. 2011. p. 223-29.

-Confederação Brasileira de Voleibol. Seleções Olímpicas. 2017. Disponível em: <http://rio2016.cbv.com.br/voleibol/feminino> Acesso em: 22/02/2017.

-Fernandes Filho, J. A prática da avaliação física. Rio de Janeiro. SHAPE. 1999.

-Geraldes, A. A. R. Ginástica localizada: teoria e prática. Rio de Janeiro. Sprint. 1993.

-Getchell, B. Aptidão Física: um estilo de vida. New York: John Wiley and Sons. 1979.

-González-Ravé, J. M.; Arija, A.; Clemente-Suarez, V. Seasonal Changes in Jump Performance and Body Composition in Women Volleyball Players. Jounal of Strength and Conditioning Research. Filadélfia. Vol. 25. Núm. 6. 2011. p. 1492-1501.

-Grala, A. P.; Silva, R. P.; Teixeira, M. A. R.; Souza, J. B.; Vargas, B. S.; Silva, M. A. Efeito do estresse térmico sobre a frequência cardíaca, gasto energético, perda hídrica e ingestão de água em jogadores de voleibol. Arquivo Ciência Saúde Unipar. Vol. 19. Núm. 3. 2015. p. 199-203.

-Gualdi-Russo, E.; Zaccagni, L. Somatotype, role and performance in elite volleyball players. The Journal of Sports Medicine and Physical Fitness.Vol. 41. Núm. 2. 2001. p. 256-262.

-Jackson, A. S.; Pollock, M. L. Generalized equations for prediting body density of men. British Journal Nutrition. Cambridge. Vol. 40. Núm. 3. 1978. p. 497-504.

-Kasabalis, A.; Douda, H.; Tokmakidis, S. P. Relationship between anaerobic power and jumping of selected male volleyball players of different ages. Perceptual and Motor Skills. Virgínia. Vol. 100. Núm. 3 Pt 1 2005. p. 607-14.

-Marques Junior, N. K. Seleção de testes para o jogador de voleibol. Movimento e Percepção. Espírito Santo do Pinhal. Vol. 11. Núm 16. 2010. p. 169-206.

-Pinto, J. A.; Teixeira, T. C. M. Planejamento do voleibol a longo prazo por faixas etárias. Revista Mineira de Educação Física. Viçosa. Vol. 1. Núm. 2. 1993. p. 5-14.

-Plucco, T.; Santos, S. G. Relação entre percentual de gordura corporal, desempenho no salto vertical e impacto nos membros inferiores em atletas de voleibol. Fitness e Performance Journal. Rio de Janeiro. Vol. 8. Núm. 1. 2009. p. 9-15.

-Reilly, T. Science and Soccer. London: E & FN Spon. 2006.

-Rigonatto M. Coeficiente de variação. Brasil Escola. 2017. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/matematica/coeficiente-variacao.htm>. Acesso em 03/07/2017.

-Sargent, D. A. The physical test of a man. American Physical Education Review. Boston Vol. 25. 1921. p. 188-194.

-Sheppard, J. M.; Young, W. B. Agility literature review: classifications, training and testing. Journal of Sports Science. Vol. 24. Núm. 9. 2006. p. 919-932.

-Sheppard, J. M.; Cronin, J. B. Gabbett, T. J.; Mcguigan, M. R.; Etxebarria, N.; Newton, R. U. Relative importance of strength, power, and anthropometric measures to jump performance of elite volleyball players. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 22. Núm. 3. 2008. p. 758-765.

-Silva, L. R. R.; Franchini, E.; Kiss, M. A. P. D. M.; Böehme, M. T.; Matsushigue, K. A.; Uezu, R.; Massa, M. Evolução da altura de salto, da potência anaeróbia e da capacidade anaeróbia em jogadoras de voleibol de alto nível. Revista Brasileira de Ciência do Esporte. Vol. 28. Núm. 1. 2004. p. 99-109.

-Siri, W. E. Body composition from fluid spaces and density: analysis of methods. in Brozeck, J.; Henschel, A. Techniques for measuring body composition. Washington. National Academy of Science. 1961.

-Smith, D. J.; Roberts, D.; Watson, B. Physical, physiological and performance differences between Canadian national team and universiade volleyball players. Journal of Sports Science. Vol. 10. Núm. 2. 1992. p. 131-138.

-Tricoli, V. A. A.; Barbanti, V. J.; Shinzato, G. T. Potência muscular em jogadores de basquetebol e voleibol: relação entre dinamometria isocinética e salto vertical. Revista Paulista de Educação Física. São Paulo. Vol. 8. Núm. 2. 1994. p. 14-27.

-Viitasolo, J. T.; Bosco, C. Electrical behaviour of human muscles in vertical jumps. European Journal of Applied Physiology. Heidelberg. Vol. 48. Núm. 1982. p. 253-261.

Publicado
2018-10-26
Como Citar
Locatelli, J., & Vieira, M. M. (2018). Parâmetros antropométricos, da força explosiva e da agilidade em atletas de voleibol do sexo feminino. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 12(77), 743-749. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1498
Seção
Artigos Científicos - Original