Níveis de aptidão física e qualidade de vida em militares recém-incorporados ao Exército Brasileiro

Paulo Henrique Pires, Rodrigo Sudatti Delevatti, Rodrigo Ferrari da Silva

Resumo


Introdução: Embora militares necessitem de uma boa aptidão física (AF) para a realização das suas tarefas diárias, pouco se sabe sobre os atuais níveis de AF dos militares recém-incorporados ao Exército Brasileiro e a relação entre uma boa AF e a qualidade de vida desses militares. Objetivo: Analisar os níveis de aptidão física de militares e correlacionar esses parâmetros entre si e com diferentes parâmetros de saúde e qualidade de vida. Materiais e Métodos: Foram avaliados 68 militares, recém-incorporados ao Exército, em 2016. Os indivíduos foram submetidos a avaliações em relação à aptidão física e parâmetros antropométricos: teste de repetição máxima no supino reto, teste de flexão de braços, resistência abdominal, corrida de 12 minutos (Cooper), teste de flexão na barra fixa, estatura, massa corporal, circunferência abdominal e dobras cutâneas. Ainda, foram avaliados sintomas depressivos (PHQ-9) e qualidade de vida (Whoqol-Abreviado). Resultados: De maneira geral, a aptidão física se mostrou aquém do satisfatório (89,71% com menção “insuficiente” no Teste de Aptidão Física - TAF). Não foi encontrada associação entre os parâmetros de aptidão física e a qualidade de vida. Todavia, identificaram-se correlações positivas moderadas entre a força máxima no supino (1RM) com o IMC (r = 0,51; p = 0,001), a massa corporal (r = 0,44; p = 0,001) e a resistência em flexão de braço (r = 0,57; p = 0,001). Conclusão: O condicionamento físico de militares recém-incorporados no Exército, encontra-se aquém do desejável. Além disso, não existe associação da aptidão física com qualidade de vida e saúde mental.

 

ABSTRACT 

Levels of physical fitness and quality of life in military newly incorporated to the brazilian army 

Introduction: Although military needs a good physical aptitude (AF) to perform their daily tasks, little is known about the current levels of AF of newly incorporated military personnel in the Brazilian Army and the relationship between good AF and quality of life. life of these military personnel. Objective: To analyze military physical fitness levels and to correlate these parameters with each other and with different parameters of health and quality of life. Materials and Methods: Sixty-eight soldiers, newly incorporated in the Army, were evaluated in 2016. The subjects were submitted to physical fitness and anthropometric parameters: maximal repetition test in the bench press, arm flexion test, abdominal resistance, 12-minute run (Cooper), bending test in fixed bar, stature, body mass, waist circumference and skinfolds. Depressive symptoms (PHQ-9) and quality of life (Whoqol-Bref) were also evaluated. Results: In general, physical fitness was below satisfactory (89.71% with "insufficient" mention in the Physical Fitness Test - TAF). No association was found between physical fitness parameters and quality of life. However, moderate positive correlations were found between maximal supine strength (1RM) and BMI (r = 0.51, p = 0.001), body mass (r = 0.44, p = 0.001) and resistance arm flexion (r = 0.57, p = 0.001). Conclusion: The physical conditioning of soldiers newly incorporated in the Army, is below the desirable level. In addition, there is no association of physical fitness with quality of life and mental health.


Palavras-chave


Avaliação física; Antropometria; Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


-American College of Sports Medicine (ACSM). American College of Sports Medicine Position Stand. The recommended quantity and quality of exercice for developing and maintaining cardiorespiratory and muscular fitness, and flexibility in healthy adults. Med. Sci. Sports Exerc. Vol. 30. Num. 6.1998. p. 916-920.

-Araújo, D.S.M.S.; Araújo, C.G.S. Aptidão física, saúde e qualidade de vida relacionada à saúde em adultos. Rev. Bras. Med. Esporte. Vol. 6. Num 5. 2000. p. 194-203.

-Avila, J.A.; Lima Filho, P.D.B.; Páscoa, M.A.; Tessuti, L.S. Efeito de 13 semanas de treinamento físico militar sobre a composição corporal e o desempenho físico dos alunos da Escola Preparatória de Cadetes do Exército. Rev. Bras. Med. Esporte. São Paulo. Vol. 19.Num. 5. 2013.

-Berria, J.; Daronco, L. S. E.; Bevilacqua, L. A. Aptidão motora e capacidade para o trabalho de policiais militares do batalhão de operações especiais. Salusvita, Bauru. Vol. 31, Num. 2. 2011 p. 89-104.

-Brasil. Ministério da Defesa. Exército Brasileiro. Estado Maior do Exército. Manual de Campanha EB20-MC-10.350 Treinamento Físico Militar. 4ª edição. Boletim do Exército, Num. 53 de 31 de dezembro de 2015. Brasília, 2015.

-Brasil. Ministério Da Defesa. Exército Brasileiro. Estado Maior do Exército Portaria n º 032-EME, de 31 de março de 2008. Diretriz para o Treinamento Físico Militar do Exército e sua Avaliação. Boletim do Exército Num 15 de 11 de abril de 2008. p. 5-23.

-Brentano, M.A.; Cadore, E.L.; Silva, E.M.; Silva, R.F.; Kruel, L.F.M. Estimativa de força máxima em exercícios de musculação baseados em parâmetros antropométricos de homens e mulheres fisicamente ativos. Brazilian Journal of Biomotricity. Vol. 2. Num. 4. 2008. p. 294-301.

-Brito, R.P.; Silva, G.J.J.; Navarro, A.C. A influência do mental training na performance de militares do Exército Brasileiro e o teste de avaliação física (TAF). Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 2. Num. 11. 2008. p. 475-483. Disponível em: <>

-Bsci, F.F.; Mainenti, M.R. Características antropométricas associadas ao melhor desempenho esportivo nas atletas de pentatlo militar feminino do Exército. Revista Educação Física. 2014.

-Ceriani, R.B.; Pontes, L.M.; Sousa, M.S.C.; Consumo máximo de oxigênio em ergômetro banco: um estudo longitudinal em alunos do Núcleo Preparatório de Oficiais da Reserva. Fit. Perf. J. Vol. 7. Num. 2. 2008. p. 76-80.

-Ferreira Junior, A.C.C.; Moreira, J.D.; Coertjens, M.; Kruel, F.M. Características antropométricas e desempenho físico de soldados integrantes da Tropa de Choque. Revista Educação Física. 2016. p. 26-38.

-Fleck, M.P.A.; Louzada, S.; Xavier, M.; e colaboradores. The aplication of the portuguese revision of of the abreviated instrumento of quality life. WHOQOL-bref. Revista Saúde Pública. Num. 34. 2000. p. 83-178.

-Heyward, V.H. Avaliação física e prescrição de exercício: técnicas avançadas; [Traduzido por Márcia Dornelles]. 4ª edição. Porto Alegre. Artmed, 2004.

-Huerta, M.; Grotto, I.; Shemla, S.; Ashkenazi, I.; Shpilberg, O.; Kark, J.D. Cycle ergometry estimationof physical fitness among Israeli soldiers. Mil Med. Vol. 169. Num. 3. 2004. p. 217-220.

-Knapik, J.J.; Sharp, M.A.; Darakjy, S.; Jones, S.B.; Hauret, K.G.; Jones, B.H. Temporal changes in the physical fitness of US Army recruits. Sports Med. Vol. 36. Num. 7. 2006. p. 613-634.

-Kroenke, K.; Spitzer, R.L.; Willians, J.B. The PHQ-9: validity of a brief depression severity measure. J. Gen. Intern. Med. Vol 16. num 9. 2001. p. 13-606.

-Levandoski, G.; Chiquito, E.; Oliveira, A.G.; Zaremba, C.M. Qualidade de vida e composição corporal de soldados ingressantes no exército. Revista Brasileira de Qualidade de Vida. Vol. 5. Num. 2. 2013. p. 23-30.

-Lohman, T.G. Applicability of body composition techniques and constants for children and youths. Exercise and Sports Sciences Reviews. Num 14. 1986. p. 325-357.

-Lombardi, V.P. Beggining weiht training: the safe and effective way. Dubuque. 1989.

-Oliveira, E.A.M.; Anjos, L.A. Medidas antropométricas segundo aptidão cardiorrespiratória em militares da ativa, Brasil. Revista Saúde Pública. 2008. p. 217-223.

-Macedo, C.S.G.; Garavello, J.J.; Oku, E.L; Miyagusuku, F.H.; Agnoll, P.D.; Nocetti, P.M. Benefícios do exercício físico para a qualidade de vida. Rev. Bras. Ativ. Fis. e Saúde. Vol. 8 Num. 2. s/d p. 19-27.

-Mota, J.; Ribeiro, J.L.; Carvalho, J.; Matos, M.G. Atividade física e qualidade de vida associada à saúde em idosos participantes e não participantes em programas regulares de atividade física. Rev. bras. Educ. Fís. Esp. 2006 vol. 20. Num. 3. p. 219-25.

-Paulo, L.F.L.; Perfil Antropométrico e a aptidão física dos policiais militares do estado de São Paulo. Revista ENAF Science. 2010. p. 81-87.

-Peranzoni Junior, W.E.; Krug, M.R. Aptidão física e qualidade de vida dos oficiais e sargentos do 29º grupo de Artilhara de Campanha autopropulsado de Cruz alta, RS. EFDeportes.com, Revista Digital. Vol. 16. Num. 155. 2011.

-Redkva, P.E.; Vargas, L.M.; Luz, R.; Gomes, E.B.; Ikaminagura, E.I. A influência da composição corporal no teste de Cooper e testes motores realizados no NPOR do 13º BIB. Revista de Educação Física. Vol.150. 2010. p. 34-40.

-Salem, M.; Amaral, R.G.; Carvalho, E.A.M.; Walz, M.; Nakashima, G. T.; Guehringer, P.H.; Reis, C.A.; Junior, C.A.; Conceição, C.C. Desenvolvimento e validação de equações para a estimativa da porcentagem de gordura dos alunos do curso de instrutor da escola de Educação Física do Exército. Revista de Educação Física. Vol. 133. 2006. p. 49-58.

-Santtila, M.; Kyrolainen, H.; Vasankari, T.; Tiainen, S.; Palvalin, K.; Hakkinen, A.; et al. Physical fitness profiles in young finnish men during the years 1975-2004. Med. Sci.Sports Exerc. Vol. 38. Num. 11. 2006. p. 1990-1994.

-Santos, J.A.B.; Silva, R.G.; Browne, R.A.V.; Sales, M.M.; Russo, A.F.; Segundo, P.R. Nível de adiposidade corporal e aptidão física de policiais militares de Boa Vista – Roraima. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. 2013a. p. 21-26. Disponível em: <>

-Santos, I.S.; Tavares, B.F.; Munhoz, T.N.; Almeida, L.S.P.; Silva, N.T.B.; Tams, B.D.; et al. A. Sensibilidade e especificidade do Patient Health Questionnaire-9 (PHQ-9) entre adultos da população geral Cad. Saúde Pública. Vol. 29. num 8. p.1533-1543. 2013b.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui