A influência das repetições parciais, após a falha concêntrica momentânea, no aumento de força e resistência muscular em indivíduos fisicamente ativos

Eduardo Henrique Germano Pereira, Elisiane Naves Coelho, Filipe Gabriel Ferreira, Anderson Ranieri Massahud

Resumo


É crescente a utilização dos vários métodos no treinamento resistido. Um dos métodos que vem despertando interesse científico é o método das repetições parciais. Neste tipo de treinamento, após atingir a falha voluntária concêntrica, os indivíduos realizam repetições com menor amplitude articular. A pesquisa teve como objetivo avaliar a influência do presente método no aumento de força e resistência muscular localizada, sendo um estudo clínico randomizado controlado de cegamento duplo, de finalidade comparativa sobre aspectos quantitativos baseados nos resultados de dois testes. A amostra foi composta por 20 indivíduos fisicamente ativos, sorteados em 2 grupos, (A e B) contendo 10 indivíduos cada, que foram submetidos à 4 semanas de treinamento resistido. O grupo B utilizou o método de repetições parciais, enquanto o grupo A utilizou os movimentos com amplitude total sessadas após a falha concêntrica. Os dados foram coletados através de 2 testes, o teste de resistência muscular localizada para membros superiores (flexão de braço) e arremesso de Medicine Ball antes e após as 4 semanas de treinamento, sendo analisados estatisticamente pelo teste T de Student após esse período. Houve diferença significativa para arremesso de Medicine Ball, porém não houve melhora em resistência muscular. Ao final concluiu-se que o método de repetições parciais promoveu melhora no arremesso de Medicine Ball, podendo ser associado à força, mas não em resistência muscular para membros superiores.

 

ABSTRACT

The influence of partial range of motion repetitions, following momentary concentric failure, on increased strength and muscular resistance in physically active individuals

The use of various methods in resistance training is increasing. One of the methods that has aroused scientific interest is the methods of partial range of motion repetitions. In this type of training, after reaching concentric voluntary failure, individuals perform repetitions with less joint amplitude. The aim of the study was to evaluate the influence of the present method on the increase of strength and localized muscular resistance, being a randomized controlled clinical study of double blind, comparative purpose on quantitative aspects based on the results of two tests. The sample consisted of 20 physically active individuals, drawn in 2 groups, (A and B) containing 10 individuals each, who were submitted to 4 weeks of resistance training. Group B used the partial range of motion repetitions method, while group A used the full-amplitude movements after the concentric failure. The data were collected through 2 tests, the muscle resistance test located for upper limbs (arm flexion) and Medicine Ball throw before and after the 4 weeks of training, being analyzed statistically by Student's T test after this period. There was a significant difference for throwing Medicine Ball, but there was no improvement in muscular endurance. At the end, it was concluded that the partial range of motion repetitions method promoted improvement in the throwing of Medicine Ball, being able to be associated with strength, but not in muscle resistance for upper limbs.


Palavras-chave


Treinamento resistido; Repetições parciais; Fadiga muscular

Texto completo:

PDF

Referências


-American College Of Sports Medicine (ACSM). Progression models in resistance training for healthy adults. Med. Sci. Sports Exercise. Vol 41. Num. 3. p.687-708. 2009. Disponível em:

-Amorim, E. C. Conhecimento dos professores de educação física de academias de Palmas quanto aos métodos de treinamento de força. 2013. p. 26. Disponível:

-Andreazzi, I. M.; e colaboradores. Exame pré-participação esportiva e o Par-Q, em praticantes de academias. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 22. Num. 4. p. 272-276. 2016. Disponível em:

-Aragão, J. C. B.; Dantas, E. H. M.; Dantas, B. H. A. Efeitos da resistência muscular localizada visando a autonomia funcional e a qualidade de vida do idoso. Fitness Performance Journal. Vol. 1. Núm. 3. p. 32. 2002. Disponível em:

-Azevedo, P. H.; e colaboradores. Efeito de 4 semanas de treinamento resistido de alta intensidade e baixo volume na força máxima, endurance muscular e composição corporal de mulheres moderadamente treinadas. Brazilian Journal of Biomotricity. Vol. 1. Num. 3. 2007. Disponivel em:

-Barbanti, V. J.; Valmor, T.; Ugrinowitsch, C. Relevância do conhecimento científico na prática do treinamento físico. Rev. paul. Educ. Fís., São Paulo 18 (2004), pág.109.

-Bonganha, V.; e colaboradores. Relações da força muscular com indicadores de hipertrofia após 32 semanas de treinamento com pesos em mulheres na pós-menopausa. Revista Motricidade Portugal. Vol. 6. Núm. 2. p. 24. 2010. Disponível em:

-Bucci, M.; e colaboradores. Efeitos do treinamento concomitante hipertrofia e endurance no músculo esquelético. Revista brasileira de Ciência e Movimento Vol. 13. Num. 1. p. 20. 2015.

-Fleck, S. J.; Kraemer, W. J. Fundamentos do treinamento de força muscular. Artmed Editora, 2017. Pagina 219.

-Gentil, P. R. V. Adaptações neuromusculares do exercício resistido: influência da variação R577X do gene alfa actina 3. 2011. p. 11. Disponível em

-Gianolla, F. Musculação: conceitos básicos. São Paulo. Manole, 2002. Pág. 60.

-Gomes, A. C.; Juvenilson, S. Futebol: treinamento desportivo de alto rendimento. Artmed Editora, 2009.

-Gomes, W. A.; Lopes, C. R.; Marchetti, P. H. The central and peripheric fatigue: a brief review of the local and non-local effects on neuromuscular system. Revista CPAQV–Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida. Vol. 8. Num. 1. p. 2. 2016. Disponível em:

-Goto, M.; e colaboradores. Partial range of motion exercise is effective for facilitating muscle hypertrophy and function via sustained intramuscular hypoxia in young trained men. The Journal of Strength & Conditioning Research. p. 2. 2017. Acesso em: 15/09/2017. Disponível em: http://journals.lww.com/nscajscr/Abstract/publishahead/Partial_range_of_motion_exercise_is_effective_for.95936.aspx.

-Lapin, L. P.; e colaboradores. Respostas metabólicas e hormonais ao treinamento físico. Rev Bras Educ Física Esporte Lazer Dança. Vol. 2. Num. 4. p.122. 2007. Disponível em:

-Mannion, A. F.; Dolan, P.; Mannion, A. F. Relationship between myoelectric and mechanical manifestations of fatigue in the quadriceps femoris muscle group. European journal of applied physiology and occupational physiology. Vol. 74. Num. 5. p. 1., 1996. Disponível em:

-Massey, C. D.; e colaboradores. An analysis of full range of motion vs. partial range of motion training in the development of strength in untrained men. The Journal of Strength & Conditioning Research. Vol. 18. Num. 3. p. 2. 2004. Disponível em:

-Meloni, V.. Musculação. Clube de Autores, 2008. pág.67. Acesso em 31/12/2016.

-Mookerjee, S.; Ratamess, N. Comparison of Strength Differences and Joint Action Durations Between Full and Partial Range-of-Motion Bench Press Exercise. The Journal of Strength & Conditioning Research. Vol. 13. Num. 1. p. 1. 1999. Disponível em:

-Prestes, J.; e colaboradores. Prescrição e periodização do treinamento de força em academias. 2ª edição revisada e atualizada. São Paulo; Barueri. Editora Manole, 2016. Pág. 243.

-Silva-Junior, A.; Bouzas, J. Comparação da freqüência cardíaca máxima obtida com a freqüência cardíaca máxima calculada por diversas fórmulas em exercício de cicloergómetro [Comparación de la frecuencia cardíaca máxima obtenida con la frecuencia cardíaca máxima calculada por diversas fórmulas en ejercicios de cicloergómetro]. Revista Mineira de Educacao Física. Vol. 11. Num. 1. p.159-167. 2003. Disponível em:

-Souza, R. M. Apostila da Disciplina de Medidas e Avaliação em Educação Física, 2015. Pág. 28. Acesso em 01/01/2017.

-Sullivan, J.; e colaboradores. Cardiovascular Response to Restricted Range of Motion Resistance Exercise. The Journal of Strength & Conditioning Research. Vol. 10. Num. 1. p. 1. 1996. Disponível em:

-Tubino, M. J. G. Metodologia cientifica do treinamento desportivo 13ª edição. Shape editora. Rio de Janeiro, 2003. Pág. 215.

-Uchida, M. C.; Charro, M. A.; Bacurau, R. F. P. Manual de musculação: Uma abordagem teórico-prática do treinamento de força. Phorte Editora LTDA, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui