Avaliação do teste de 1600m sobre marcadores de estresse oxidativo e danos musculares em corredores juvenis

Patrícia Morgana Ferreira Santos, Lúcio Marques Vieira Souza, Jymmys Lopes dos Santos, Matias Batista dos Santos, João Eliakim dos Santos Araújo, Rita De Cássia de Santana Dantas, Natanael Vinicius Sena Santos, Luis Fernando Sousa Filho, Evaleide Diniz de Oliveira, Emerson Pardono

Resumo


O exercício físico intenso e prolongado pode ocasionar estresse oxidativo e danos musculares, gerando prejuízo no desempenho do atleta.  O estudo tem como objetivo investigar o efeito agudo do teste de 1600m sobre o estresse oxidativo e danos musculares em corredores juvenis. Participaram desse estudo nove adolescentes entre 15 e 18 anos de idade. Foi realizado o teste de 1600m para avaliar a capacidade aeróbia, onde os voluntários realizaram quatro voltas em pista de 400m, perfazendo um total de 1600m. Não houve aumento no marcador de estresse oxidativo tecidual avaliado pelo TBARS no pós-teste. Em relação à enzima antioxidante, o protocolo não promoveu um aumento da atividade da glutationa. Nas concentrações plasmáticas de lactato desidrogenase e da creatina quinase tiveram um aumento significativo depois do teste de 1600m comparado ao pré-teste. Conclui-se que o teste de 1600m promove danos musculares, no entanto não foi gerado estresse oxidativo.

 

ABSTRACT

Evaluation of the 1600m test on markers of oxidative stress and muscle damage in young runners 

The intense and prolonged physical exercise can cause oxidative stress and muscular damages, generating damage in the performance of the athlete. The aim of this study was to investigate the acute effect of the 1600m test on oxidative stress and muscle damage in young runners. Nine adolescents between 15 and 18 years of age participated in this study. The 1600m test was performed to evaluate the aerobic capacity, where the volunteers performed four laps on the 400m lane, making a total of 1600m. There was no increase in the tissue oxidative stress marker evaluated by the TBARS in the post-test. In relation to the antioxidant enzyme, the protocol did not promote an increase of glutathione activity. Plasma concentrations of lactate dehydrogenase and creatine kinase had a significant increase after the 1600m test compared to the pre-test. It was concluded that the 1600m test promotes muscle damage, however no oxidative stress was generated.


Palavras-chave


Exercício físico; Estresse oxidativo; Dano muscular; Corredores

Texto completo:

PDF

Referências


-Amorim, A.G.; Tirapegui, J. Aspectos atuais da relação entre exercício físico, estresse oxidativo e magnésio. Revista de Nutrição. Vol. 21. Num. 5. 2008. p.563-575.

-Antunes Neto, J.M.F.; Donadon, C.C.; Nader, B.B.; Turolle D.C.S.; Ribeiro, E. Níveis de estresse oxidativo e alterações celulares em tenistas juvenis durante um período competitive. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. Vol. 7. Num. 42. 2013. p.450-458. Disponível em:

-Córdova, A.; Navas, F.J. Os radicais livres e o dano muscular produzido pelo exercício: papel dos antioxidantes. Revista Brasileria de Medicina do Esporte. Vol. 6. 2000. p.204-208.

-Cruzat, V.F.; Rogero, M.M.; Borges, M.C.; Tirapegui, J. Aspectos atuais sobre o estresse oxidativo, exercício físicos e suplementação. 2007. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 13. Num. 5. 2007. p. 336-342.

-De Almeida, J.A.; Campbell, C.G.S.; Pardono, E.; Sotero, R.C.; Magalhães, G.; Simões, H.G. Validade de equações de predição em estimar o VO2max de brasileiros jovens a partir do desempenho de 1600m. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 16. Num.1. 2010. p. 57-60.

-Ferguson, B. ACSM’s Guidelines for Exercise Testing and Prescription. 9th Ed. The Journal of the Canadian Chiropractic Association. Vol. 58. Num. 3. 2014. p.328.

-Halliwell B.; Whiteman, M. Measuring reactive species and oxidative damage in vivo and in cell culture: how should you do it and what do the results mean? British Journal of Pharmacology. Vol. 142. Num. 2. 2004. p. 231-55.

-Hill, D.W.; Poole, D. C; Smith, J. C. The relationship between power and the time to achieve VO2 max. Medicine & Science in Sports & Exercise. Vol. 34. 2002. p. 709-714.

-Inal M.; Akyüz, F.; Turgut, A.; Getsfrid, W.M. Effect of aerobic and anaerobic metabolism on free radical generation swimmers. Medicine & Science in Sports & Exercise. Vol. 33. 2001. p. 564-567.

-Lapenna, D.; Ciofani, G.; Pierdomenico, S.D.; Giamberardi, M.A; Cuccurullo, F. Free Radicical Biology & Medicine. Vol. 31. 2001. p. 331-335

-Lima, D.S.; Voltarelli, F.A.; Kietzer, K.S. Verificação de um biomarcador de estresse oxidativo em atletas de natação em período específico de treinamento físico. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. Vol. 9. Num. 51. 2015. p. 97-104. Disponível em:

-Naugthon, G.; Farpour-Lambert, N.J.; Carlson, J.; Bradney, M.; Praagh, E.V. Physiology issues surrounding the performance of adolescent athletes. Sports Med. Vol. 30. 2000. p. 309-325.

-Santos, J.L.; Lima, C.A.; Araujo, S.S.; Miguel-Dos-Santos, R.; Estevam, C.S.; Freire, J.M.M. Efeito Ergogênico da Cafeína em Exercício de Prioridade Anaeróbica. Vol. 7. Num. 2. 2013. p. 109-116.

-Schneider, C.D.; Oliveira, A.R. Radicais livres de oxigênio e exercício: mecanismos de formação e adaptação ao treinamento físico. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol.10. Num.4.2010. p.308-313.

-Selamoglu S.; Turgay, F.; Kayatekin, B.M.; Günenc, S.; Yslegen, C. Aerobic and anaerobic training effects on the antioxidant enzymes of the blood. Acta Physiologica Hungarica. Vol.87. 2000. p.267-73.

-Shami, N.J.I.E.; Moreira, E.A.M. Licopeno como agente antioxidante. Revista de Nutrição. Vol. 17. Num. 2. 2004. p. 227-236.

-Souza, C.T. Avaliação sérica de danos musculares e oxidativo em atletas após partida de futsal. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Vol. 4. 2010. p. 269-274.

-Subudhi, A.W.; Davis, S.L.; Kipp, R.W.; Askew, E.W. Antioxidant status and oxidative stress in elite alpine ski racers. International Journal of Sport Nutrition and Exercise Metabolism. Vol. 11. 2001. p.32-41.

-Taghiyar, M.; Darvishi, L.; Askari, G.; Feizi, A.; Hariri, M.; Mashhadi, N.S.; Ghiasvand, R. The effect of vitamin c and e supplementation on muscle damage and oxidative stress in female athletes: a clinical trial. International Journal of Preventive Medicine. Vol. 2. Num. 3. 2012. p. 145-150.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui