Aumento de força máxima após privação visual em homens saudáveis

Matheus Federizzi, Flavia Ivanski, Luiz Augusto Silva, Camila Eltchechem, Carlos Malfatti, Pablo Almeida

Resumo


O objetivo do presente estudo foi analisar as possíveis alterações na força por meio de uma repetição máxima (1RM) com e sem privação visual. A amostra foi composta por 20 homens participantes, com idade 23.60 ± 3.15 anos, peso corporal 83.65 ± 8.76kg, estatura 1.80 ± 0.07cm, IMC 25.86 ± 2,40 kg/m², saudáveis, adeptos ao treinamento de força. Foram realizadas as sessões de testes para os exercícios: Supino horizontal (SH) e leg press 45° (LP). Foi utilizado o teste t student com a finalidade de comparar os testes de 1RM em diferentes metodologias (com e sem privação visual). A utilização das vendas nos olhos estimulou aumentos expressivos em levantamentos de carga nos testes de 1RM em relação a não utilização de vendas no exercício supino horizontal (0,7% p<0,001) e leg press 45° (8,5% p<0,001). Os resultados demonstram que a utilização de vendas (privação visual) pode resultar no aumento da sobrecarga deslocada, alcançando a verdadeira capacidade de levantamento de carga em homens treinados. Concluindo que sem a privação visual os indivíduos provavelmente subestimam o seu desempenho ao visualizar a sobrecarga utilizada, não obtendo sua real carga máxima.

 

ABSTRACT 

Maximum strength after visual privacy in healthy men

The objective of the present study was to analyze the possible changes in strength by means of a maximal repetition (1RM) with and without visual deprivation. The sample consisted of 20 male participants, aged 23.60 ± 3.15 years, body weight 83.65 ± 8.76 kg, height 1.80 ± 0.07 cm, BMI 25.86 ± 2.40 kg / m 2, healthy, adept at strength training. The test sessions were performed for the exercises: Horizontal supine (SH) and leg press 45 ° (LP). Student's t test was used to compare the 1RM tests in different methodologies (with and without visual deprivation). The use of eye sales stimulated significant increases in 1RM loading surveys in relation to non-use of horizontal bench press (0.7% p <0.001) and leg press 45 ° (8.5% p <0.001). The results demonstrate that the use of sales (visual deprivation) can result in the increase of the displaced overload, reaching the true capacity of lifting of load in trained men. Concluding that without visual deprivation, individuals are likely to underestimate their performance by visualizing the overhead used, failing to realize their true maximum load.


Palavras-chave


Privação visual; Força muscular; Teste de 1RM

Texto completo:

PDF

Referências


-American College of Sports Medicine. Position stand: progression models in resistance training for healthy adults. Medicine Science in Sports & Exercise. Vol. 41. Núm. 3. 2012. p.687-708.

-Brown, L.E.; Weir, J.P. ASEP Procedures Recommendation I: Accurate Assessment of Muscular Strength and Power. JEPonline. Vol.4. Núm.3. 2001.p.1-21.

-Costa, S.; Matos, D.G.; Silva, A.C.; Aidar, F.; Minelli, B.R.; Klain, I.; Filho, M.L.M. Influência da privação visual no teste de uma repetição máxima e na predição de carga. Revista Brasileira de Ciências da Saúde. Vol. 11. Núm. 36. 2013. p.1-7.

-Dias, S.C.; Junior, R.M.; Di Mauro, H.S.; Matos, J.M.; Urtado, C.B. Privação da visão melhora força no teste de uma repetição máxima. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. Vol. 9. Núm. 52. 2015. p.134-140. Disponível em:

-Maior, A.S.; Lemos, A.; Carvalho, N.; Novaes, J.; Simão, R. Utilização do teste de 1RM na prescrição de exercícios resistidos: vantagem ou desvantagem? Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício. Vol. 4. Núm. 1. 2005. p. 22-26.

-Maior, A.S.; Varallo, A.T.; Matoso, A.G.P.S.; Edmundo, D.A.; Oliveira, M.M.; Minari, V.A. Resposta da força muscular em homens com a utilização de duas metodologias para o teste de 1RM. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Vol. 9. Núm. 2. 2007. p.177-182.

-Montello, D.; Richardson, A.; Hegarty, M.; Provenza, M. Comparison of methods for estimating directions in egocentric space. Perception. Vol. 28. Núm. 1. 1999. p.981-1000.

-Powers, S.K.; Howley, E.T. Fisiologia do exercício: teoria e aplicação ao condicionamento e ao desempenho. Manole. 2014.

-Ramalho, G.H.R.O.; Mazini Filho, M.L.; Rodrigues, B.M.; Venturini, G.R.O.; Salgueiro, R.S.; Pace Júnior, R.L.; Matos, D.G. Teste de 1RM para predição da carga no treino de hipertrofia e sua relação com número máximo de repetições executadas. Brazilian Journal Biomotricity Vol. 5. Núm. 3. 2011. p.168-174.

-Ramos, A. Fisiologia da visão, um estudo sobre o "ver" e o "enxergar". Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro-PUC. Rio de Janeiro. 2006.

-Serapicos, M.; Vieira, T.; Albergaria, M. Ativação do bíceps braquial para sujeitos treinados e destreinados durante a flexão do cotovelo na ausência de informações visuais. FIEP Bulletin On-line. Vol. 79. Núm. 1. 2009.p.12-14.

-Souza, A.W.P. Influência da privação visual no teste de uma repetição máxima. Revista Norte-Mineira de Educação Física. Vol. 5. Núm. 5. 2015. p.30-40.

-Uchida, M.C.; e colaboradores Manual de Musculação. São Paulo. Phorte. 2010.

-Weinberg, R.S.; Gould, D. Fundamentos da Psicologia do esporte e do exercício. Porto Alegre. Artmed. 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui