Prevalência de lesões em praticantes de Jiu-Jitsu de Florianópolis

  • Markus Vinícius de Lima Instituto de Ensino Superior da Grande Florianópolis (IESGF), São Jose-SC, Brasil
  • Heloise Elena de Simas Instituto de Ensino Superior da Grande Florianópolis (IESGF), São Jose-SC, Brasil
  • Moacir Pereira Junior Instituto de Ensino Superior da Grande Florianópolis (IESGF), São Jose-SC, Brasil Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis-SC, Brasil
Palavras-chave: Lesão, Jiu-jitsu, Prevalência

Resumo

Objetivo: Identificar a prevalência de lesões em praticantes de Jiu-Jitsu de Florianópolis; tipo de lesão; segmento anatômico mais acometido; identificar o ambiente onde ocorreu a lesão; verificar a incidência que a lesão ocorre baseado no tempo de prática; e identificar se houve diagnóstico médico e se o tratamento foi através da Fisioterapia. Métodos: 51 praticantes pertencentes a academias de Florianópolis que possuíam registro na Confederação Brasileira de Jiu-Jitsu (CBJJ), responderam um questionário que abordava na primeira parte os dados pessoais e o perfil do participante, a segunda abordava questões sobre lesões na prática do Jiu-Jitsu. Resultados: Dos 51 indivíduos, 78% reportaram lesão. O tipo de lesão com maior prevalência foi a luxação com 21,9%.  Os membros mais acometidos por lesões foram o joelho 16,1% e ombro 15,2%. 98% das lesões ocorreram em ambiente de treinamento. A maior incidência de lesão, 43,5%, ocorreu do 1º ao 6º mês de treino. 48% das lesões foram diagnosticadas pelo médico. 32,2% dos casos foram tratados com Fisioterapia. Conclusão: Os resultados obtidos revelaram as características das lesões em praticantes de Jiu-Jitsu, estas informações poderão contribuir na construção do planejamento fisioterapêutico para uma melhor atuação nessa população.

Biografia do Autor

Moacir Pereira Junior, Instituto de Ensino Superior da Grande Florianópolis (IESGF), São Jose-SC, Brasil Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis-SC, Brasil

Graduado em Educação Física

Especialista em Fisiologia do Exercício

Especialista em Nutrição Esportiva

Mestrando em Ciência do Movimento Humano

Referências

-Assis, M.V.M.; Myrla, I.G.; Carvalho, E.S.M. Avaliação Isocinética de Quadríceps e ísquios-tibiais nos atletas de jiu-jitsu. Revista Brasileira de promoção de saúde. Vol. 18. Num. 2. 2005. p. 85-89.

-Carpeggiane, J.C. Lesões no jiu-jitsu: estudo em 78 atletas. Trabalho de conclusão de curso. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. 2004.

-Carvalho, J.P.; Grecco, L.H.; Oliveira, A.R. Prevalência de lesões em praticantes de jiu-jítsu: comparação entre nível iniciante e avançado. Science in Health. Vol 4. Num 2. 2013. p. 71-9.

-Confederação Brasileira de Jiu-Jitsu. 2015a. Academias; Disponível em: <http://cbjj.com.br/lista-de-academias> Acesso em: 20/07/2015.

-Confederação Brasileira de Jiu-Jitsu. 2015b. Histórico do Jiu-Jitsu; Disponível em: <http://www.cbjj.com.br/hjj.htm>. Acesso em: 26/04/2015.

-Conte, M.J.S.M.; Rossin, R.A.; Skubs, R.; Lenk, R.E.; Brant, R. Associação entre dois diferentes tipos de estrangulamento com a variação da pressão intraocular em atletas de jiu-jitsu. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia. Vol 72. Num. 3. 2009. p. 341-345.

-Corso, C.O.; Gress, F.A.G. Lesões no jiu-jítsu. Revista Acta Brasileira do Movimento Humano. Vol. 3. Num. 2. 2012. p. 11-20.

-Dacosta, L. Atlas do esporte no Brasil. Rio de janeiro. CONFEF. 2006.

-Ferreira, M.C. Aptidão física e saúde na educação física escolar: ampliando o enfoque. Revista Brasileira de ciência e Esporte. Vol. 22. Num. 2. 2011. p. 41-54.

-Franchi, K.M.B.; Montenegro, R.M. Atividade física: uma necessidade para uma boa saúde na terceira idade. Revista Brasileira de Promoção em saúde. Vol. 18. Num. 3. 2005. p. 152-156.

-Gracie, H. Gracie Jiu-Jitsu. São Paulo. Saraiva. 2010.

-Gracie, R. Carlos Gracie: O criador de uma dinastia. Rio de janeiro. Record. 2008.

-James, F.; Scoggin, I; Georgiy, B.H.; Izuka, S.; Eddy, Z.R.; Olga, G.; Seren, T. Assessment of Injuries During Brazilian Jiu-Jitsu Competition. Orthopaedic Journal of Sports Medicine. Vol. 2. Num 2. 2014. p. 1-7

-Kettunen, J.A.; Kujala, U.M.; Kaprio, J.; Koskenvuo, M. Lower-limb function among former elite male athletes. The American Journal of Sports Medicine. Vol 29. Num. 1. 2001. p. 2-8.

-Kreiswirth, E.M.; Myer, G.D.; Rauh, M.J. Incidence of injury among male Brazilian jiujitsu fighters at the World Jiu-Jitsu No-Gi Championship 2009. Journal of Athletic Training. Vol. 49. Num. 1. 2014. p. 89-94.

-Machado, A.P.; Machado, G.P.; DeMarchi, T. A prevalência de lesões no Jiu-Jitsu de acordo com relatos dos atletas participantes dos campeonatos mundiais em 2006. ConScientiae Saúde. Vol. 11. Num 1. 2012. p. 85-93.

-Morese, E. Metodologia da pesquisa. Trabalho de Conclusão de Curso. Universidade Católica de Brasília. Brasília. 2003.

-Oliveira, G.O.; Oliveira, R.R.C; Silva, K.A.F. Prevalência e incidência de lesões em atletas participantes do campeonato open de jiu-jitsu da cidade de Catalão-GO realizado em agosto de 2010. Revista de Saúde Cesusc. Vol 1. Num. 1. 2010. p. 1-13.

-Petersen, J.; Holmich, P. Evidence based prevention of hamstring injuries in sport. Sports Medicine. Vol. 39. Num. 6. 2005. p. 319-323.

-Pitermann, H.E. Jiu-Jitsu. Reino Unido: New Holland Publishers; 2004.

-Souza, E.J.; Mendes, C.R.S. Lesões mais frequentes no jiu-jitsu com o treinamento de alto rendimento. Vita et Satinas. Vol. 8. Num. 1. 2014. p.186-206.

-Souza, J.M.C.; Faim, F.T.; Nakashima, I.Y.; Altruda, C.R.; Medeiros, W.M.; Silva, L.R. Lesões no Karate Shotokan e no Jiu-Jitsu: trauma direto versus indireto. Revista Brasileira de Medicina do esporte. Vo. 17. Num. 2. 2011. p. 107-110.

Publicado
2019-03-04
Como Citar
de Lima, M. V., de Simas, H. E., & Pereira Junior, M. (2019). Prevalência de lesões em praticantes de Jiu-Jitsu de Florianópolis. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 12(80), 1124-1129. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1588
Seção
Artigos Científicos - Original