Influência da percentagem de gordura na força de homens treinados

Julio Cesar Lacerda Martins, Pablo Almeida, Vinícius Müller Reis Weber, Claudine Bueno Junior Schupchek, Luiz Augusto Silva

Resumo


Introdução: O peso, a quantidade de massa magra e a gordura corporal podem ter influência na quantidade de força máxima de uma pessoa. Essas informações podem ser baseadas pela estrutura física que o indivíduo desenvolve e mantem suas capacidades físicas para realizar uma atividade. Objetivo: Analisar se há influência da quantidade de gordura corporal sobre a força. Metodologia: Participaram 20 homens, divididos em 2 grupos: Grupo 1 (G1=10 homens magros) e Grupo 2 (G2: 10 homens obesos). Foram realizados os testes antropométricos para avaliação do percentual de gordura e o teste de 1RM em supino e LegPress para a análise de força máxima. A análise estatística foi realizada utilizando o teste T Student para amostras independentes, considerando p<0.05 diferentes. Ainda, foi utilizado o teste de correlação de Pearson, considerando p<0.05 diferentes. Resultados: Foram observados maiores valores significativos no grupo obeso como força máxima no LegPress (23%; p<0.05), correlação de Pearson em relação ao peso vs 1RM (R2=0.37; p<0.05) e maior quantidade de massa magra (43%; p<0.05) e gordura (60%; p<0.05). Conclusão: Nesse trabalho pode se observar que maior quantidade de peso corporal leva a uma maior quantidade de massa magra de gordura corporal, o que influencia de forma significativa a força máxima.


Palavras-chave


Obesity; Strength; Body fat; Physical fitness

Texto completo:

PDF (English)

Referências


-Brown, L.E.; Weir, J.P. Procedures recommendation I: accurate assessment of muscular strength and power. Journal of Exercise Physiology. Vol. 4. Núm. 2. 2001. p.1-21.

-Caromano, F.A. Correlação entre massa de gordura corporal, força muscular, pressões respiratórias máximas e função na Distrofia Muscular de Duchenne. ConScientiae Saúde. Vol. 9. Núm. 3. 2010. p.423-429.

-Fleck, S.J.; Kraemer, W.J. Fundamentos do treinamento de força muscular. 3.ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

-Francischi, R.P.; Pereira, L.O.; Lancha Junior, A.H. Exercício, Comportamento Alimentar e Obesidade: Revisão dos Efeitos sobre a Composição Corporal e Parâmetros Metabólicos. Revista Paulista de Educação Física. Vol. 15. Núm. 2. 2001. p. 117-140.

-Ghorayeb, N.; Barros Neto, T. L. Fisiologia do exercício. São Paulo: Editora Atheneu, 1999.

-Jackson, A.S.; Pollock, M.L.; Graves, J.E.; Mahar, M.T. Reliability and validity of bioelectrical impedance in determining body composition. Journal Applied Physiology. Vol. 64. Num. 2. 1998. p.529-534.

-McCartney, N.; McKelvie, R.S. The Role of Resistance Training in Patients With Cardiac Diseases. Journal Cardiac Risk. Vol. 13. Núm.3. 1996. p. 160-66.

-McCartney, N.; Moroz, D.; Garner, S.H.; McComas, A.J. The Effect of Strength Training in Patients With Selected Neuromuscular Disorder. Medicine Science Sports Exercise. Vol. 20. N. 2., 1988. p. 362-68.

-Menegassi, V.M. Os indicadores de crescimento somático são preditores das capacidades físicas em jovens futebolistas? Revista brasileira de Ciência e Movimento.Vol. 25. Núm. 1. 2017. p.5-12.

-Monteiro, C.A. Da desnutrição para a obesidade: a transição nutricional no Brasil. In: Monteiro, C.A. Velhos e novos males da saúde no Brasil: a evolução do país e de suas doenças. São Paulo: Hucitec-NUPENS/USP, 1995. p.247-255.

-Robergs, R.A.; Roberts, S.O. Princípios Fundamentais de Fisiologia do Exercício para Aptidão, Desempenho e Saúde. São Paulo: Phorte, 2002.

-Santa-Clara, H. Effect of a Year Combined Aerobic and Weight-Training Exercise Programme on Aerobic Capacity and Ventilatory Threshold in Patients Suffering from Coronary Artery Disease. European Journal Applied Physiology. Vol. 87. Num. 12. 2002. p. 568-575.

-Silva Filho, J.N. Treinamento de força e seus benefícios voltados para um emagrecimento saudável. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. Vol. 7. Num. 40. 2013. 329-338. Disponível em:

-Siri, W.E. Body composition from fluid spaces and density. Washington DC: National Academy of Science. 1961.

-Souza, T.M.F. Avaliação dos Efeitos do Treinamento de Resistência Muscular Localizada no Limiar Ventilatório de Mulheres. Dissertação de Mestrado. UNIMEP-SP. Piracicaba, 2007.

-Tomkinson, G.; Olds, T. Secular changes in aerobic fitness test performance of Australasian children and adolescnts. Medicine Sport Science, Vol. 50. Núm. 2. 2007. p.168-182.

-Tubino, M.J.G. Metodologia científica do treinamento desportivo. São Paulo: Ibrasa, 1984.

-Winett, R.A.; Carpinelli, E. D. Potential health-related benefits of resistance training. Preventive Medicine. Vol. 33. Núm. 2. 2001. p.503-513.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui