Comportamento sedentário e estado nutricional em mulheres fisicamente ativas usuárias de academia pública

Alessandro Spencer de Souza Holanda, Cristyane Nathália Gomes Mendonça, Alana Carolina Costa Verás, Bruna Fernanda Alves de Oliveira, Leopoldina Augusta Souza Sequeira-de-Andrade, Paulo Roberto Cavalcanti Carvalho, André dos Santos Costa

Resumo


Introdução: O comportamento sedentário correlaciona-se positivamente com o estado nutricional e ambos possuem relação direta com as doenças crônicas não transmissíveis. Bem como exercem um papel de influência para a repercussão da promoção e recuperação da saúde na população. Objetivo: Analisar diferentes níveis de sedentarismo e estado nutricional em mulheres fisicamente ativas usuárias de um polo do programa academia da cidade. Materiais e métodos: Trata-se de um estudo observacional do tipo corte transversal, constituído por uma população composta por 44 participantes mulheres frequentadoras de academia pública. Foram aplicados instrumentos para coleta do perfil socioeconômico, estado nutricional e comportamento sedentário. Para análise estatística foram aplicados testes de normalidade e homogeneidade, intervalo de confiança de 95% e teste t-Student para comparação de grupos, com nível de significância de 5%. Resultados: A amostra apresentou com idade média de 49,84 ± 16,47 anos, das quais apresentam um tempo médio sentado de 184,8 minutos/dia (m/d). A estratificação pelo índice de massa corporal (IMC) apresentou tempo médio sentado de 140 m/d para classificadas com peso ideal, 174 m/d para sobrepeso e 217 m/d para obesidade. Na comparação entre G1 e G2, obteve-se (p < 0,05) entre as variáveis tempo sentado e circunferência da cintura, quadril e peso. Por IMC e tempo sentando, (p < 0,05) comparando-se peso normal e obesidade. Conclusão: O tempo sentando e o estado nutricional possuem uma relação diretamente proporcional na população investigada, quanto o maior comportamento sedentário, pior o estado nutricional. 


Palavras-chave


Estilo de vida sedentário; Estado nutricional; Saúde pública

Texto completo:

PDF

Referências


-Bauman, A.; Ainsworth, B.E.; Sallis, J.F.; Hagströmer, M.; Craig, C.L.; Bull, F.C.; Pratt, M.; Venugopal, K.; Chau, J.; Sjöström, M. The descriptive epidemiology of sitting: A 20-country comparison using the international physical activity questionnaire (IPAQ). Am J Prev Med. Vol. 41. Num. 2. 2011. p. 228-235.

-Cecchini, M.; Sassi, F.; Lauer, J.A.; Lee, Y.Y.; Guajardo-Barron, V.; Chisholm, D. Tackling of unhealthy diets, physical inactivity, and obesity: Health effects and cost-effectiveness. Lancet. Vol. 376. Num. 9754. 2010. p.1775-1784.

-Chaput, J.P.; Carson, V.; Gray, C.E.; Tremblay, M.S. Importance of all movement behaviors in a 24 hour period for overall health. Int J Environ Res Public Health. Vol. 11. Num. 12. 2014. p. 12575-12581.

-Ekelund, U.; Brage, S.; Besson, H.; Sharp, S.; Wareham, N.J. Time spent being sedentary and weight gain in healthy adults: Reverse or bidirectional causality? Am J Clin Nutr. Vol. 88. Num. 3. 2008. p. 612-617.

-Ferreira, R.W.; Rombaldi, A.J.; Ricardo, L.I.C.; Hallal, P.C.; Azevedo, M.R. Prevalence of sedentary behavior and its correlates among primary and secondary school students. Rev Paul Pediatr. Vol. 34. Num. 1. 2016. p. 56-63.

-Gomes, G.A.O.; Kokubun, E.; Mieke, G.I.; Ramos, L.R.; Pratt, M.; Parra, D.C.; Simões, E.; Florindo, A.A.; Bracco, M.; Cruz, D.; Malta, D.; Lobelo, F.; Hallal, P.C. Characteristics of physical activity programs in the Brazilian primary health care system. Cad Saude Publica. Vol. 30. Num. 10. 2014. p. 2155-2168.

-Hallal, P.C.; Gomez, L.F.; Parra, D.C.; Lobelo, F.; Mosquera, J.; Florindo, A.A.; Reis, R.S.; Pratt, M.; Sarmiento, O.L. Lessons learned after 10 years of IPAQ use in Brazil and Colombia. J Phys Act Health. Vol. 7. Num. 2. 2010; p. S259-264.

-Healy, G.N.; Matthews, C.E.; Dunstan, D.W.; Winkler, E.A.H.; Owen, N. Sedentary time and cardio-metabolic biomarkers in US adults: NHANES 200306. Eur Heart J. Vol. 32. Num. 5. 2011. p. 590-597.

-Katzmarzyk, P.T.; Church, T.S.; Craig, C.L.; Bouchard, C. Sitting time and mortality from all causes, cardiovascular disease, and cancer. Med Sci Sports Exerc. Vol. 41. Num. 5. 2009. p. 998-1005.

-Matsudo, S.; Araújo, T.; Matsudo, V.; Andrade, D.; Andrade, E.; Oliveira, L.C.; Braggion, G. Questionário Internacional de Atividade Física (Ipaq): Estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Rev Bras Atividade Física Saúde. Vol. 6. Num. 2. 2012. p. 5-18.

-Matthews, C.E.; Chen, K.Y.; Freedson, P.S.; Buchowski, M.S.; Beech, B.M.; Pate, R.R.; Troiano R.P. Amount of time spent in sedentary behaviors in the United States, 2003-2004. Am J Epidemiol. Vol. 167. Num. 7. 2008. p. 875-881.

-Meneguci, J.; Assis, D.; Santos, T.; Silva, RB.; Santos, R.G.; Sasaki, J.E.; Tribess, S.; Damião, R.; Virtuoso Júnior, J.S. Comportamento sedentário: conceito, implicações fisiológicas e os procedimentos de avaliação. Motricidade. Vol. 11. 2015. p. 160-174.

-Mielke, G.I.; Da Silva, I.C.M.; Owen, N.; Hallal, P.C. Brazilian adults’ sedentary behaviors by life domain: Population-based study. PLoS One. Vol. 9. Num. 3. 2014. p. 1-7.

-Mortensen, L.H.; Siegler, I.C.; Barefoot, J.C.; Gronbaek, M.; Sorensen, T.I. Prospective associations between sedentary lifestyle and BMI in midlife. Obes. Vol. 14. Num. 8. 2006. p.1462-1471.

-Mussi, F.C.; Pitanga, F.J.G.; Pires, C.G.S. Cumulative sitting time as discriminator of overweight, obesity, abdominal obesity and lipid disorders in nursing university. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. Vol. 19. Num. 1. 2017. p. 40-49.

-Owen, N.; Sugiyama, T.; Eakin, E.E.; Gardiner, P.A.; Tremblay, M.S.; Sallis, J.F. Adults’ Sedentary Behavior. Am J Prev Med. Vol. 41. Num. 2. 2011. p. 189-196.

-Pate, R.R.; O’Neill, J.R.; Lobelo, F. The evolving definition of “sedentary.” Exerc Sport Sci Ver. Vol. 36. Num. 4. 2008. p. 173-178.

-Quadros, T.M.B.; Gordia, A.P.; Silva, L.R.; Silva, D.A.S.; Mota, J. Inquérito epidemiológico em escolares: determinantes e prevalência de fatores de risco cardiovascular. Cad Saude Publica. Vol. 32. Num. 2. p.e00181514. 2016.

-Rosenberg, D.E.; Bull, F.C.; Marshall, A.L.; Sallis, J.F.; Bauman, A.E. Assessment of sedentary behavior with the International Physical Activity Questionnaire. J Phys Act Health. Vol. 5. Suppl 1. 2008. p. S30-44.

-Sánchez, J.M.P.; Vizuete, A.A.; Mascaraque, M.C.; Ortega, R.M. Physical and sedentary activity as modulating factors of the nutritional status. Nutricion Hospitalaria. Vol. 32. Suppl 1. 2015. p. 20-22.

-Smouter, L.; Da Silva, K.V.; Tozetto, W.R.; Smolarek, A.D.C.; Mascarenhas, L.P.G. O tempo de atividade sedentária em adolescentes de diferentes faixas etárias. Arq Ciências da Saúde. Vol. 24. Num. 1. 2017. p. 65-69.

-Suzuki, C.S.; Moraes, S.A.; Freitas, I.C.M. Média diária de tempo sentado e fatores associados em adultos residentes no município de Ribeirão Preto-SP, 2006: projeto OBEDIARP. Rev Bras Epidemiol. Vol. 13. Num. 4. 2010. p.699-712.

-Tremblay, M.S.; Warburton, D.E.R.; Janssen, I.; Paterson, D.H.; Latimer, A.E.; Rhodes, R.E.; Kho, M.E.; Hicks, A.; Leblanc, A.G.; Zehr, L.; Murumets, K.; Duggan, M. New Canadian Physical Activity Guidelines. Appl Physiol Nutr Metab Appl Nutr Metab. Vol. 36. 2011. p. 36-46.

-World Heal Organization/WHO. Global status report on noncommunicable diseases 2014. Switzerland. 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui