Risco coronariano entre indivíduos ativos e não ativos

Gleisiléia Cordeiro Ferreira, Elizângela Fernandes Ferreira, Rômulo José Mota Júnior, Renata Aparecida Rodrigues de Oliveira

Resumo


Introdução: As doenças cardiovasculares são uma das maiores causas de mortalidade no Brasil e no mundo, principalmente na população idosa. Estas são influenciadas por um conjunto de fatores de risco. Algumas podem ser prevenidas e evitadas se descobertas precocemente. Objetivo: Comparar os fatores de risco coronariano em indivíduos de meia e terceira idade, ativos e inativos. Matérias e Métodos: Foi realizado um estudo descritivo com um delineamento transversal no ano de 2017, com 80 indivíduos de meia e terceira idade, ativos e inativos, da cidade de Ubá–MG. Foram aplicados dois questionários: Questionário Internacional de Atividade Física e um questionário intitulado Tabela de Risco Coronariano. Resultados: Entre os avaliados, os indivíduos inativos apresentaram média maior de risco coronariano (24,78 ± 4,81) comparado aos ativos (20,15 ± 4,54). Quando classificados, a maioria dos inativos apresentou risco “moderado à alto”, enquanto, entre os ativos foi “abaixo da média à médio” (p<0,001). Quando analisado os fatores de risco isoladamente, houve maior prevalência dos fatores de risco hereditariedade, tabagismo e sedentarismo entre os grupos de inativos (p<0,05). Conclusão: Foi possível observar no presente estudo, que o risco coronariano foi maior entre os indivíduos inativos comparado aos ativos, com estes apresentando risco moderado à alto para a ocorrência das doenças cardiovasculares.


Palavras-chave


Doença cardiovascular; Fator de risco coronariano; Atividade física; Envelhecimento

Texto completo:

PDF

Referências


-Brasil. Ministério da saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde.Vigitel Brasil 2016: Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. 2017. Disponível em: . Acesso em: 28 Ago. 2017.

-Brasil. Ministério da Saúde. Diretrizes e recomendações para o cuidado integral de doenças crônicas não-transmissíveis: promoção da saúde, vigilância, prevenção e assistência. 2008. Disponível em: . Acesso em: 13 Jan. 2013.

-Caetano, J. A.; Costa, A. C.; Santos, Z. M. S. A.; Soares, E. Descrição dos fatores de risco para alterações cardiovasculares em um grupo de idosos. Texto Contexto Enfermagem, Florianópolis. Vol. 17. Núm. 2. p. 327-335. 2008.

-Ceolin, S. U. B.; Marisco, N. Fatores de risco para doenças cardiovasculares em idosos. Seminário Interinstitucional de Ensino, Pesquisa e Extensão, Campos Universitário Unicruz. 2011.

-DECIT. Departamento de Ciência e Tecnologia do Ministério da Saúde. ELSA Brasil: maior estudo epidemiológico da América Latina. Revista de Saúde Pública. Vol. 43. Núm. 1. p. 1-2. 2009.

-Ferreira-Gonzalez, I. Epidemiología de la enfermedad coronaria. Revista Española de Cardiologia, 2014.

-Gomides, P.H.G.; Moreira, O.C.; Oliveira, R.A.R.; Matos, D.G.; Oliveira, C.E.P. Prevalência de fatores de risco coronariano em praticantes de futebol recreacional. Revista Andaluza de Medicina del Deporte. Vol. 9. Núm. 2. p.80-84. 2016.

-Guedes, D. P.; Guedes, J. E. R. P. Atividade Física, Aptidão Cardiorrespiratória, Composição da Dieta e Fatores de Risco Predisponentes às Doenças Cardiovasculares. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Vol. 77. Núm. 3. p.243-250. 2001.

-Guedes, D. P.; Legnani, R. F. S.; Legnani, E. Motivos para a prática de exercício físico em universitários e fatores associados. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. Vol. 26. Núm. 4. p. 679-689. 2012.

-Gus, I.; Fischmann, A.; Medina, C. Prevalência de fatores de risco da doença coronariana no Estado do Rio Grande do Sul. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Vol. 78. Núm. 5. p. 478-483. 2002.

-Gus, I.; Ribeiro, A. R.; Kato, S.; Bastos, J.; Medina, C.; Zazlavsky, C.; Portal, V. L.; Timmers, R.; Markoski, M. M.; Gottschall, C. A. M. Variações na prevalência dos fatores de risco para doença arterial coronariana no rio grande do sul: uma análise comparativa entre 2002-2014. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. 2015.

-Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Percepção Do Estado De Saúde, Estilo De Vida E Doenças Crônicas. Rio de Janeiro. p. 181. 2014.

-International Physical Activity Questionnaire (IPAQ). Scoring Protocol. 2005. Disponível em: . Acesso em: 28 Fev. 2012.

-Matsudo, S. M. Atividade física na promoção da saúde e qualidade de vida noenvelhecimento. Revista Brasileira de Educação Física Esportiva. Vol. 20. p. 135-137. 2006.

-Matsudo, S. M.; Matsudo, V. K. R.; Barros Neto, T. L. Atividade física e envelhecimento: aspectos epidemiológicos. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 7. Núm. 1. p.2-13. 2001.

-Michigan Heart Association (MHA). Risko. Lancet. Vol. 2. p.243-234. 1973.

-Moreira, O.C.; Costa, E.; Oliveira, C.E.P.; Oliveira, R.A.R.; Brito, I.S.S. Fatores de risco coronariano em estudantes de uma universidade privada. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Vol. 19. Núm. 2. p.61-69. 2011.

-Moura, B. P.; Moreira, O. C.; Nunes, N.; Marins, J. C. B. Prevalência de fatores de risco coronarianos em praticantes de atividades aeróbicas no campus da Universidade Federal de Viçosa - MG. Arquivo de Ciências da Saúde da Unipar. Umuarama. Vol. 12. Núm. 3. p. 213-219. 2008.

-Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS). Doenças crônico-degenerativas e obesidade: estratégia mundial sobre alimentação saudável, atividade física e saúde. Brasília. 2003.

-Sociedade Brasileira De Cardiologia. I Diretriz Brasileira de prevenção cardiovascular. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, Rio de Janeiro. Suplemento 2. Vol. 101. Núm. 6. 2013.

-Sociedade Brasileira De Cardiologia. IV Diretriz Brasileira sobre dislipidemias e prevenção da aterosclerose. Departamento de Aterosclerose da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Vol. 88. Supl. 1. 2007.

-World Health Organization (WHO). Global recommendations on physical activity for health. Geneva: WHO, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui