Análise temporal no Voleibol masculino: contribuição dos sistemas energéticos a partir da relação esforço/pausa na dinâmica intermitente do jogo

Juliana Astolpho Lopes, Karina Alves da Silva, Neryano Ferraz Pazetto, Marcos Augusto Rocha, Luiz Cláudio Reeberg Stanganelli

Resumo


O presente estudo objetivou identificar e caracterizar o tempo de duração das ações de esforço e pausa no voleibol. Foram analisados dezessete jogos do Campeonato Mundial Sub19 Masculino do ano de 2009. A duração das partidas foi cronometrada em segundos. Para os rallies foram estabelecidas categorias de tempo em segundos: 0 a 5; 6 a 10; 11 a 15; 16 a 20; e ≥ 21. Já os tempos passivos nas categorias estabeleceram-se a partir de: 0 a 10; 11 a 15; 16 a 20; 21 a 25; 26 a 30; e ≥ 31 segundos. Para a análise estatística foi aplicado o teste Shapiro-wilk   seguido do coeficiente de correlação intraclasse (ICC) e intervalo de confiança (IC). Os resultados mostraram que 87,7% dos rallies permaneceram com até 10 segundos de duração. Já 61,8% do tempo passivo das ações de jogo foram observados entre 16 e 25 segundos. Verificou-se que a tendência da dinâmica intermitente do jogo foi caracterizada por períodos de esforços de curta duração, com o predomínio da via anaeróbia-alática, intercalados com pausas limitadas, com maior utilização da via oxidativa.


Palavras-chave


Voleibol; Desempenho atlético; Metabolismo energético

Texto completo:

PDF

Referências


-Bompa, T.O. Periodização: teoria e metodologia do treinamento. São Paulo. Phorte. 2002.

-Borin, J.P.; Baillo, G.; Del bem, H.; Padovani, C.R.; Padovani, C.R.P.; Vieira, N.A.; Fernandes, M.; Trevisan, D. Alterações de indicadores neuromusculares em diferentes momentos da periodização em atletas de voleibol. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 1. Num. 3. 2007.p.13-20. Disponível em:

-Esper, A. Cantidad y tipos de saltos que realizan las jugadoras de voleibol en un partido. Lecturas Educación Fisica y Deportes. Buenos Aires. Vol. 8. Num. 58. 2003. p.1.

-Gabbett, T.; Georgieff, B. Physiological and anthropometric characteristics of Australian junior national, state, and novice volleyball players. Journal of Strength Condition Research. Salt Lake. Vol. 21. Num 3. 2007. p. 902-908.

-Garganta, J. A análise da performance nos jogos desportivos. Revisão acerca da análise do jogo. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto. Porto. Vol.1. Num 1. 2001.p. 57-64.

-Giatsis, G.; Papadopoulou, S. Effects of reduction in dimensions of the court on timing characteristics for men’s beach volleyball matches. International Journal of Volleyball Research. Colorado. Vol. 6. Num.1. 2003. p.6-9.

-Grigoletto, M.E.S.; Valverde-Esteve, T.; Brito, C.J.; Garcia-Manso, J.M. Capacidade de repetição da força: efeito das recuperações interséries. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. São Paulo. Vol. 27. Num. 4. 2013. p. 689-705.

-Grgantov, Z.; Milić, M.; Katić, R. Identification af explosive power factors as predictors of player quality in young female volleyball players. Collegium Antropologicum. Zagreb. Vol. 2. Num 1. 2013. p.61-68.

-Häyrinen, M.; Mikkola, T.; Honkanen, P.; Lahtinen, P.; Paananen, A.; Blomqvist, M. Biomechanical analysis of the jump serve in men's volleyball. British Journal of Sports Medicine. Londres. Vol. 45. Num. 6. 2011. p. 543.

-Lizana, C.J.R.; Lourenço, T.; Brenzikofer, R.; Macedo, D.V.; Shoitmisuta, M.; Scaglia, A. J. Analysis of aerobic power of soccer players through field test and laboratory test. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. São Paulo. Vol. 20. Num. 6. 2014. p. 447-450.

-Lombardi, G.; Vieira, N.S.; Detanico, D. Efeito de dois tipos de treinamento de potência no desempenho do salto vertical em atletas de voleibol. Brazilian Journal of Biomotricity. Vol. 5. Num. 4. p. 230-238.

-Marques Junior, N.K. Análise cinesiológica dos fundamentos do voleibol: conteúdo para prescrever o treino neuromuscular - força e flexibilidade. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 10. Num. 57. p. 155-191. Disponível em:

-Martínez, N.; Abreu, P.P. Influencias del rally point en la preparación de los voleibolistas. Lecturas Educación Fisica y Deportes. Buenos Aires. Vol. 9. Núm. 62. 2003. p.1.

-Medeiros, A.I.A. Performance desportiva no voleibol de praia masculino de alto rendimento: Estudo aplicado nos escalões sub-19 sub-21 e sênior. Porto. Tese de Doutorado em Ciências do Desporto. Universidade do Porto. 2014.

-Moraes, J.; Mesquita, I.; Costa, G. Análise do jogo: tendências do saque e da recepção no voleibol de elevado rendimento. in Actas do XII Congresso de Ciências do Desporto e Educação Física dos Países de Língua Portuguesa. Porto Alegre. 2008.

-Robergs, R.A.; Roberts, S.O. Princípios fundamentais de fisiologia do exercício para aptidão, desempenho e saúde. São Paulo. Phorte. 2002.

-Sánchez-moreno, J.; Marcelino, R.; Mesquita, I.; Ureña, A. Analysis of the rally length as a critical incident of the game in elite male volleyball. International Journal of Performance Analysis in Sport. Cardiff. Vol 15. Num. 2. 2015. p. 620-631.

-Sheppard, J.M.; Gabbett, T.J.; Stanganelli, L.C.R. An analysis of playing positions in elite men's volleyball: considerations for competition demand sand physiologic characteristics. Journal of Strength Condition Research. Salt Lake. Vol. 23. Num. 6. 2009. p.1858-1866.

-Sheppard, J.M.; Gabbett, T.J.; Taylor, K.L.; Dorman, J.; Lebedew, A.J.; Borgeaud, R. Development of a repeated-effort test for elite men's volleyball. International Journal of Sports Physiology Performance. Pudsey. Vol. 2. Num. 1. 2007. p. 292-304.

-Smith, D.J.; Roberts, D.; Watson, B. Physical, physiological and performance differences bettween Canadian national team and universiade volleyball players. Jounal of Sports Sciences. Londres. Vol. 10. Num 2. 1992. p. 131-134.

-Stanganelli, L.C.R.; Dourado, A.C.; Oncken, P.; Mançan, S. Caracterização da Intensidade e Volume das Sessões de Treino de Voleibolistas de Alto Rendimento. Revista Treinamento Desportivo. Vol. 20. Num. 1. 2006. p. 6-14.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui