Os alongamentos estático e dinâmico exibem efeitos distintos sobre a atividade elétrica e os níveis de força isométrica de mulheres jovens

Rayane Maria Pessoa de Souza, Luana de Morais Bernardo, José Edgley Guimarães Lopes, Ramon Cunha Montenegro, Marcos Antônio de Araújo Leite Filho, Renata Gouveia Nunes, Nícia Farias Braga Maciel, Rosa Camila Gomes de Paiva, Luís Paulo Nogueira Cabral Borges

Resumo


O objetivo deste trabalho foi avaliar os efeitos do alongamento estático (AE) e do alongamento dinâmico (AD) sobre o valor RMS do eletromiograma (EMGS) e do nível de força da contração isométrica voluntária máxima (CIVM) de mulheres jovens e saudáveis. Todos os protocolos foram realizados no Laboratório de Fisiologia do Movimento do UNIPÊ. A amostra foi composta por 24 mulheres, 18 e 24 anos, das quais: 14 compuseram o grupo submetido ao protocolo AD (Gdin); e 10 mulheres compuseram o grupo submetido ao protocolo de AE (Gest). O grupo muscular avaliado foi o dos isquiostibiais, com o EMGS sendo captado a partir do bíceps femoral (BF). Para cada captação foram realizadas quatro mensurações de força e EMGS: a primeira, antes da aplicação do alongamento (Tpré); a segunda; imediatamente após o protocolo (Tpós); a terceira, após 10 minutos de aplicação do protocolo (Tpós10) e; a quarta, após 20 minutos (Tpós20) do final do protocolo. O AE não promoveu alteração significativa nos níveis de força. Contudo, o Gest apresentou um aumento significativo no valor RMS do EMGS nos tempos Tpós (p=0,0215), Tpós10 (p=0,0106) e Tpós20 (p=0,0057). Em oposição, o AD promoveu um aumento significativo na CIVM nos tempos Tpós (p=0,0352), Tpós10 (p=0,0183), e Tpós20 (p=0,0006) e no valor RMS do EMGS nos tempos Tpós10 (p=0,0214) e Tpós20 (p=0,0005). Por fim, os resultados sugerem que os protocolos de alongamento utilizados alteram de forma distinta os estimadores de força e atividade elétrica do BF de mulheres jovens e saudáveis.


Palavras-chave


Eletromiografia; Força muscular; Exercícios de Alongamento muscular

Texto completo:

PDF

Referências


-Amiri-Khorasani, M.; Kellis, E. Static vs. Dynamic Acute Stretching Effect on Quadriceps Muscle Activity during Soccer Instep Kicking. Journal of Human Kinetics. Vol. 38. Num. 1. 2013. p. 37-47.

-Bacurau, R.F.P.; Monteiro, G.A.; Ugrinowitsch, C.; Tricoli, V.; Cabral, L.F.; Aoki, M.S. Acute effect of a ballistic and a static stretching exercise bout on flexibility and maximal strength. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 23.Num. 1. 2009. p. 304-308.

-Bley, A.S.; Nardi, P.S.; Marchetti, P.H. The acute passive stretching does not affect the maximal muscular activity of the hamstrings. Motricidade. Vol. 8.Num. 4. 2012. p. 80-86.

-Costa, P.B.; Herda, T.J.; Herda, A.A.; Cramer, J.T. Effects of dynamic stretching on strength, muscle imbalance, and muscle activation. Medicine & Science in Sports & Exercise. Vol. 46.Num. 3.2014. p. 586-594.

-Ferreira, J.O. Efeito de três técnicas de alongamento muscular sobre torque e atividade eletromiográfica. Dissertação de Mestrado em Fisioterapia. Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal. 2009.

-Ferreira, M.G.; Bertor, W.R.R.; Carvalho, A.; Bertolini, G.R.F. Efeitos dos alongamentos estático, balístico e facilitação neuromuscular proprioceptiva sobre variáveis de salto vertical. SciMed. Vol. 25. Num. 4. 2015. p. 1-5.

-Fowles, J.R.; Sale, D.G.; MaCDougall, J.D. Reduced strength after passive stretch of the human plantarflexors. Eur J Appl Physio. Vol. 89. Num. 3. 2000. p. 1179-1188.

-Freitas, C.D.; Henrichs, M. F. B. Avaliação dos efeitos dos exercícios de movimentos coordenados realizados no equipamento Gyrotonic sobre a flexibilidade. Revista Terapia Manual. Vol. 48. Num. 48. 2012. p. 1-6.

-Herda, T.J.; Cramer, J.T.; Ryan, E.D.; McHugh, M.P.; Stout, J.R. Acute Effects of Static versus Dynamic Stretching on Isometric Peak Torque, Electromyography, and Mechanomyography of the Bíceps Femoris Muscle. Journal of Strenght and Conditioning Research. Vol. 23. Num. 3. 2008. p. 809-817.

-Lima, B.N.; Lucareli, P.R.G.; Gomes, W.A.; Silva, J.J.; Bley, A.S.; Hartigan, H.; Marchetti, P.H. The Acute Effects of Unilateral Ankle Plantar Flexors Static- Stretching on Postural Sway and Gastrocnemius Muscle Activity during Single-Leg Balance Tasks. Journal of Sports Science and Medicine. Vol.1. Num. 13. 2014. p. 564-570.

-Manoel, M.E.; Harris-Love, M.O.; Danoff, J.V.; Miller, T.A. Acute Effects of Static, Dynamic, and Proprioceptive Neuromuscular Facilitation Stretching on Muscle Power in Woman. The Journal of Strength & Conditioning Research. Vol. 22.Num. 5. 2008. p. 1528-1534.

-O’Sullivan, K.; Murray, E.; Sainsbury, D. The effect of warm-up, static stretching and dynamic stretching on hamstring flexibility in previously injured subjects. BMC Musculoskeletal Disorders. Vol. 10.Num. 37. 2009. p. 1-9.

-Sekir, U.; Arabaci, R.; Akova, B.; Kadagan, S.M. Acute effects of static and dynamic stretching on leg flexor and extensor isokinetic strength in elite women athletes. Scand J Med Sci Sports. Vol. 1. Num. 20. 2009. p. 268-281.

-Shier, I. Does stretching improve performance? A systematic and critical review of the literature. Clin J Sport Med. Vol. 14. Num. 5. 2004. p. 267-273.

-Stafilidis, S.; Tilp, M. Effects of short duration static stretching on jump performance, maximum voluntary contraction, and various mechanical and morphological parameters of the muscle-tendon unit of the lower extremities. Eur J Appl Physio. Vol. 1. Num. 115. 2014. p. 607-617.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui