Efeito do descanso ativo no treinamento de circuito sobre a composição corporal de adultos

João Edno de Andrade Araújo, Daniel Vieira Pinto, Júlio César Chaves Nunes Filho, Juan de Sá Roriz Caminha, Robson Salviano de Matos, Marília Porto Oliveira Nunes

Resumo


O treinamento em circuito é amplamente implementado como método de atividade resistida relacionada à perda de peso. O uso ou não de descanso ativo se mostra como possível responsável por uma sobrecarga do sistema energético, podendo tornando o modelo de treinamento mais ou menos apto para a redução de peso. O presente estudo objetivou avaliar a influência do uso de descanso ativo ou passivo na composição corporal de adultos realizando treinamento em circuito. Os voluntários, foram divididos em dois grupos (descanso ativo, GDA, e descanso passivo, GDP) que executaram o protocolo de treinamento por um período de dois meses. Foram avaliados, índice de massa corporal (IMC), índice de adiposidade central (IAC), relação cintura altura (RCA) e níveis de gordura subcutânea. Em ambos os grupos houve redução significativa nos parâmetros de composição corporal no pré e pós treinamento. Contudo, na verificação entre grupos, não foi observado diferença significativa entre o descanso ativo e o passivo, na composição corpórea dos adultos.


Palavras-chave


Educação Física e treinamento; Gordura abdominal; Treinamento de resistência

Texto completo:

PDF

Referências


-American College of Sports Medicine. ACSM. Manual do ACSM para Teste de Esforço e Prescrição de Exercício. 5ª edição. Revinter. 2000.

-Alcaraz, P. E.; Sánchez-Lorente, J.; Blazevich, A. J. Physical Performance and Cardiovascular Responses to an Acute Bout of Heavy Resistance Circuit Training versus Traditional Strength Training. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 22. Núm. 3. 2008, p. 667-671.

-Bergman, N.R.; Stefanovski, D.; Buchanan, T. A.; Sumner, A. E.; Reynolds, J. C.; Sebring, N. G.; Xiang, A. H.; Watanabe, R. M. A Better Index of Body Adiposity. Obesity. Vol. 19. Núm. 5. 2011. p. 1083-1089.

-Dantas, E. H. M. A prática da preparação física, 5ª edição. Rio de Janeiro. Shape. 2003. p. 192-198.

-Fett, C. A.; Fett, W. C. R.; Oyama, S. R.; Marchini, J. S. Composição corporal e somatótipo de mulheres com sobrepeso e obesas pré e pós-treinamento em circuito ou caminhada. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 12. Núm. 1. 2006. p. 45-50.

-Fleck, S. J.; Kraemer, W. J. Designing resistance training programs, 4ª edição. Human Kinetics. 2014. p. 63-151.

-Haltom, R. W.; Kraemer, R. R.; Sloan, R. A.; Hebert, E. P.; Frank, K.; Tryniecki, J. L. Circuit weight training and its effects on excess postexercise oxygen consumption. Medicine and science in sports and exercise. Vol. 31. Núm. 11. 1999. p. 1613-1618.

-Jackson, A. S.; Pollock, M. L.; Ward, A. Generalized equations for predicting body density of women. Medicine and science in sports and exercise. Vol. 12. Núm. 3. 1980. p. 175-181.

-Thornton, M. K.; Potteiger, J. A. Effects of resistance exercise bouts of different intensities but equal work on EPOC. Medicine and science in sports and exercise. Vol. 34. Núm. 4. 2002. p. 715-722.

-Tubino, M. J. G.; Moreira, S. B. Metodologia científica do treinamento desportivo. 13ª edição. Rio de Janeiro. Shape. 2003. p. 312-316.

-World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic, WHO technical report series. 1999. Geneva. 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui