Nível de atividade física em idosos residentes em um município de pequeno porte: dados do estudo base

Samara Carolina Rodrigues, Lucas dos Santos, Antonio José Pinheiro Junior, Paulo da Fonseca Valença Neto, Cezar Augusto Casotti

Resumo


Objetivo: Avaliar o nível de atividade física de idosos residentes em um município de pequeno porte. Métodos: Trata-se de um estudo epidemiológico, do tipo corte transversal, censitário, realizado com todos os idosos com idade igual ou superior a 60 anos, cadastrados na Estratégia da Saúde da Família (ESF) residentes na zona urbana do município de Aiquara-BA. A população foi constituída de 232 idosos. Para a coleta de dados foi utilizado um instrumento padronizado contendo informações sobre as características sociodemográficas, informações pessoais e nível de atividade física habitual que foi avaliado pelo IPAQ- versão adaptada para idosos. Para a análise dos dados será utilizada a análise descritiva das variáveis além da inferência estatística, através do teste de qui-quadrado, utilizado para comparação de proporções independentes, através de variáveis categóricas. Todo o protocolo estatístico observou um nível de significância estatística de 5% (p< 0,05). Os dados foram analisados com o auxílio do programa SPSS versão 21.0. Resultados e discussão: A média de idade foi de 71,6 anos (DP + 7,46), com idade máxima de 93 anos. Em relação ao nível de atividade física, 53,9% dos idosos foram classificados como inativos fisicamente. Ao avaliar a associação entre as características sociodemográficas observou-se que houve um maior percentual de homens inativos fisicamente (66,3%). Conclusão: Observou-se uma elevada prevalência de inativos fisicamente, sendo na sua maioria idosos do sexo masculino.


Palavras-chave


Envelhecimento; Saúde do Idoso; Atividade Física

Texto completo:

PDF

Referências


-Alves, J. G. B.; Siqueira, F. V.; Figueiroa, J. N.; Facchini, L. A.; Silveira, D. S. D.; Piccini, R. X.; Tomasi, E.; Thumé E.; Hallal, P. C. Prevalência de adultos e idosos insuficientemente ativos moradores em áreas de unidades básicas de saúde com e sem Programa Saúde da Família em Pernambuco, Brasil. Cadernos de Saúde Pública. Vol. 26. 2010. p. 543-556.

-Alves, L. C.; Rodrigues, R. N. Determinantes da autopercepção de saúde entre idosos do Município de São Paulo, Brasil. Revista Panamericana de Salud Pública. Vol. 17. 2005. p. 333-341.

-Barbosa, A. P.; Teixeira, T. G.; Orlandi, B.; Oliveira, N. T. B. D.; Concone, M. H. V. B. Level of physical activity and quality of life: a comparative study among the elderly of rural and urban areas. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Vol. 18. Num. 4. 2015. p. 743-754.

-Barreto, M. S.; Carreira, L.; Marcon, S. S. Envelhecimento populacional e doenças crônicas: Reflexões sobre os desafios para o Sistema de Saúde Pública. Revista Kairós: Gerontologia. Vol. 18. Num. 1. 2015. p. 325-339.

-Bauman, A.; Merom, D.; Bull, F. C.; Buchner, D. M.; Fiatarone Singh, M. A. Updating the evidence for physical activity: summative reviews of the epidemiological evidence, prevalence, and interventions to promote “active aging”. The Gerontologist. Vol. 56, Num. Suppl 2. 2016. p. S268-S280.

-Benedetti, T. R. B.; Antunes, P. D. C.; Rodriguez-Añez, C. R.; Mazo, G. Z.; Petroski, E. L. Reprodutibilidade e validade do Questionário Internacional de Atividade Física (IPAQ) em homens idosos. Rev Bras Med Esporte Vol. 13. Num. 1. 2007. p. 11-6.

-Brasil. Vigitel Brasil 2015. Saúde Suplementar: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico. 2015.

-Cecilio, H. P. M.; Arruda, G. O. D.; Teston, E. F.; Santos, A. L.; Marcon, S. S. Behaviors and comorbidities associated with microvascular complications in diabetes. Acta Paulista de Enfermagem. Vol. 28. Num. 2. 2015. p. 113-119.

-Chodzko-Zajko, W. J.; Proctor, D. N.; Singh, M. A. F.; Minson, C. T.; Nigg, C. R.; Salem, G. J.; Skinner, J. S. Exercise and physical activity for older adults. Medicine & science in sports & exercise. Vol. 41. Num. 7. 2009. p. 1510-1530.

-Confortin, S. C.; Giehl, M. W. C.; Antes, D. L.; Schneider, I. J. C.; d’Orsi, E. Autopercepção positiva de saúde em idosos: estudo populacional no Sul do Brasil. Cadernos de saude publica. Vol. 31. 2015. p. 1049-1060.

-Craig, C. L.; Marshall, A. L.; Sjorstrom, M.; Bauman, A. E.; Booth, M. L.; Ainsworth, B. E.; Pratt, M.; Ekelend, U.; Yngve, A.; Sallis, J. F.; Oja, P. International physical activity questionnaire: 12-country reliability and validity. Medicine and science in sports and exercise. Vol. 35. Num. 8. 2003. p. 1381-1395.

-Esteves, M.; Vendramini, S. H.; Maria de Lourdes, S. G.; Brandão, V. Z.; Soler, Z. A.; Lourenção, L. G. Qualidade de vida de idosos hipertensos e diabéticos em um serviço ambulatorial. Medicina (Ribeirao Preto. Online). Vol. 50. Num. 1. 2017. p. 18-28.

-Fuezeki, E.; Vogt, L.; Banzer, W. German national physical activity recommendations for adults and older adults: methods, database and rationale. Gesundheitswesen (Bundesverband der Arzte des Offentlichen Gesundheitsdienstes (Germany)). Vol. 79. Num. S 01. 2017. p. S20-S28.

-IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - Cidades@. Aiquara. Informações Estatísticas 2012.

-Lee, I. M.; Shiroma, E. J.; Lobelo, F.; Puska, P.; Blair, S. N.; Katzmarzyk, P. T.; Lancet Physical Activity Series Working Group. Effect of physical inactivity on major non-communicable diseases worldwide: an analysis of burden of disease and life expectancy. The lancet. Vol. 380, Num. 9838, 2012. p. 219-229.

-Lee, P. G.; Jackson, E. A.; Richardson, C. R. Exercise Prescriptions in Older Adults. American family physician. Vol. 95. Num. 7. 2017.

-Lima, B. M.; Araújo, F. A.; Araújo Scattolin, F. A. Qualidade de vida e independência funcional de idosos frequentadores do clube do idoso do município de Sorocaba. ABCS Health Sciences. Vol. 41, Num. 3. 2016.

-Malachias, M. V. B.; Souza, W. K. S. B.; Plavnik, F. L.; Rodrigues, C. I. S.; Brandão, A. A.; Neves, M. F. T. 7ª Diretriz brasileira de hipertensão arterial. Arq Bras Cardio. Vol. 107. Num. 3. 2016. p. 1-103.

-Malta, D. C.; Andrade, S. S. C. D. A.; Stopa, S. R.; Pereira, C. A.; Szwarcwald, C. L.; Júnior, S.; Reis, A. A. C. D. Brazilian lifestyles: National Health Survey results, 2013. Epidemiologia e Serviços de Saúde. Vol. 24. Num. 2. 2015. p. 217-226.

-Milech, A.; e colaboradores. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes (2015-2016). São Paulo. A.C. Farmacêutica. 2016.

-Miranda, G. M. D.; Mendes, A. D. C. G.; da Silva, A. L. A. O envelhecimento populacional brasileiro: desafios e consequências sociais atuais e futuras. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Vol. 19. Num. 3. 2016. p. 507-519.

-Nelson, M. E.; Rejeski, W. J.; Blair, S. N.; Duncan, P. W.; Judge, J. O.; King, A. C.; Macera, C. A.; Castaneda-Sceppa, C. Physical activity and public health in older adults: recommendation from the American College of Sports Medicine and the American Heart Association. Circulation. Vol. 116. Num. 9. 2007. p. 1094.

-Oliveira, M. F. B. D. Relações entre desempenho cognitivo, hipertensão arterial sistêmica, diabetes mellitus e obesidade abdominal em idosos da comunidade. Dissertação de Mestrado. Unicamp. Campinas. 2013.

-Ribeiro, A. Q.; Salgado, S. M. L.; Gomes, I. S.; Fogal, A. S.; Martinho, K. O.; Almeida, L. F. F.; de Oliveira, W. C. Prevalência e fatores associados à inatividade física em idosos: um estudo de base populacional. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Vol. 19. Num. 3. 2016. p. 483-493.

-Rezende, L. F. M.; Rabacow, F. M.; Viscondi, J. Y. K.; Luiz, O. D. C.; Matsudo, V. K. R.; Lee, I. M. Effect of physical inactivity on major noncommunicable diseases and life expectancy in Brazil. Journal of Physical Activity and Health. Vol. 12. Num. 3. 2015. p. 299-306.

-Silva, R. J. D. S.; Smith-Menezes, A.; Tribess, S.; Rómo-Perez, V.; Virtuoso Júnior, J. S. Prevalência e fatores associados à percepção negativa da saúde em pessoas idosas no Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia. Vol. 15. 2012. p. 49-62.

-Silveira, E. A.; Vieira, L. L.; Souza, J. D. D. Elevada prevalência de obesidade abdominal em idosos e associação com diabetes, hipertensão e doenças respiratórias. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 23. 2018. p. 903-912.

-Sun, F.; Norman, I. J.; While, A. E. Physical activity in older people: a systematic review. BMC public health. Vol. 13. Num. 1. 2013. p. 449.

-Taylor, D. Physical activity is medicine for older adults. Postgraduate medical journal. Vol. 90. Num. 1059. 2014. p. 26-32.

-Taylor, D.; Binns, E.; Signal, N. Upping the ante: working harder to address physical inactivity in older adults. Current opinion in psychiatry. Vol. 30. Num. 5. 2017. p. 352-357.

-Veras, R. P. Estratégias para o enfrentamento das doenças crônicas: um modelo em que todos ganham. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Vol. 14. Num. 4. 2011. p. 779-786.

-World Health Organization. Global recommendations on physical activity for health. Genebra. 2010.

-World Health Organization Diet and Physical Activity Factsheet. Secondary Diet and Physical Activity Factsheet, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui