Análise dos estimadores de fadiga do eletromiograma durante o treinamento resistido de elevada intensidade executado sob diferentes intervalos de séries

Rayane Maria Pessoa de Souza, José Edgley Guimarães Lopes, Luana De Morais Bernardo, Renata Gomes Gouveia, Marcos Araújo Leite Filho, Ramon Cunha Montenegro, Cybelle de Arruda Navarro Silva, Luís Paulo Nogueira Cabral Borges

Resumo


O objetivo deste trabalho foi analisar em praticantes de musculação (n=20) os estimadores de fadiga eletromiográficos durante o treinamento resistido, avaliado com diferentes intervalos de séries. Os protocolos foram realizados na Escola de Treinamento Resistido e Laboratório de Fisiologia do Movimento do UNIPÊ, sendo coletados os valores de: massa corporal, estatura, carga máxima (1RM), valor RMS e frequência mediana (fmed) do eletromiograma (EMG). Foram avaliados os músculos: quadríceps femoral (vasto lateral- VL), na cadeira extensora e; bíceps braquial (BB), na rosca Scott. Os testes foram executados com 80% de 1RM. Entre as séries, foram avaliados três diferentes intervalos de recuperação: 30, 60 e 90s, com, no mínimo, 48 horas de intervalos entre cada avaliação. A análise do EMG exibiu que o BB, mostrou-se indiferente quanto à variação dos estimadores de fadiga (valor RMS e fmed) quando avaliado sob os três intervalos de recuperação, ou seja, os estimadores variaram na mesma proporção em todas as avaliações. Enquanto para o VL, a avaliação realizada com um intervalo de 30s exibiu uma magnitude de variação dos estimadores significativamente maior (p<0,05) do que quando utilizados os intervalos de 60 e 90s, não havendo diferença significativa entre estas últimas. Os dados do presente estudo sugerem que deve-se adotar intervalos de recuperação diferenciados conforme o grupo muscular trabalhado, com as variações dos estimadores de fadiga eletromiográficos sendo indiferentes aos intervalos de descanso (30, 60 e 90s) para o BB, e estando na dependência de curtos (30s) ou longos intervalos (60 e 90s) para o VL.


Palavras-chave


Eletromiografia; Fadiga muscular; Treinamento de resistência

Texto completo:

PDF

Referências


-Bandeira, C.C.A.; Berni, K.C.S.; Rodrigues-Bigaton, D. Análise eletromiográfica e força do grupo muscular extensor do punho durante isquemia induzida. Revista Brasileira de Fisioterapia. Vol. 13. Num. 1. 2009. p. 31-37.

-Blackwell, J.R.; Kornat, K.W.; Heath, E.M. Effect of grip span on maximal grip force and fatigue of flexor digitorum superficialis. Applied Ergonomics. Vol. 1. Num. 30. 1999. p. 401-405.

-Brzycki, M. Strength Testing - Predicting a One-Rep Max fron Reps-to-fatigue. Jornal of Physical Education. Recreation & Dance. Vol. 64. 1993. p. 88-90.

-Bunout, D.; Barrera, G.; De La Maza, P.; Gattas, V.; Hirsch S. Seasonal variation in insulin sensitivity in healthy elderly people. Nutrition, Vol. 19. Num. 4. 2003. p. 310.

-Claflin, D.R.; Larkin, L.M.; Cederna, O.S.; Worowitz, J.F.; Alexander, N.B.; Cole, N.M.; Galecki, A.T.; Chen, S.; Nyguist, L.V.; Carlson, B.M.; Faulkner, J.A.; Ashton-Miller, J.A.Effects of high- and low-velocity resistance trainingon the contractile properties of skeletal muscle fibers from young and older humans. Journal of Applied Physiology. Vol. 111. Núm. 4. p.1021-1030. 2011.

-Clarke, D.H. The influence on muscular fatigue patterns of the intercontraction rest interval. Med Sci Sports. Vol. 3. Num. 2. 1971. p. 83-88.

-DeVries, H.A. Method for evaluation of muscle fatigue and endurance from electromyographic fatigue curves. Am. J. Phys. Med. Vol. 47. Num. 3. 1968. p. 125-135.

-Dias, R.M.R.; Cyrino, E.S.; Salvador, E.P.; Caldeira, L.F.S; Nakamura, F.Y.; Papst, R.R; Bruna, N.; Gurjão, A.L.D. Influência do processo de familiarização para avaliação da força muscular em testes de 1 RM. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol.11. Num. 1. 2005. p.34-38.

-Diefenthaelerr, F.; Vaz, M.A. Aspectos relacionados à fadiga durante o ciclismo: uma abordagem biomecânica. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 14. Num. 5. 2008. p. 472-477.

-Eason, R.G. Electromyographic study of local and generalized muscular impairment. J. Appl. Physiol. Vol. 15. Num. 3. 1960. p. 479-482.

-Ebersole, K.T.; Housh, T.J.; Johnson, G.O.; Evetovich, T.K.; Smith, D.B.; Perry, S.R. EMG responses of the superficial quadriceps femoris muscles. J. Electromyogr. Kinesiol. Oxford. Vol. 9. Num. 3. 1999. p. 219-227.

-Edwards, R.G.; Lippold, O.C. The relation between force and integrated electrical activity in fatigued muscle. J. Physiol. Vol. 132. Num. 3. 1956. p. 677-681.

-Gentil, P. Bases Científicas do Treinamento de Hipertrofia. Rio de Janeiro. Sprint. 2005.

-Gonçalves, M. Eletromiografia e a identificação da fadiga muscular. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. Vol. 20. Num. 5. 2006. p. 91-93.

-Gonçalves, M. Limiar de fadiga eletromiográfica. In: Denadai, B. S. Avaliação aeróbia: determinação indireta da resposta do lactato sanguíneo. Rio Claro. Motriz. 2000. Cap. 7. p. 129-154.

-Guyton, A.C.; Hall, J.E. Tratado de Fisiologia Médica. 12ª edição. Rio de janeiro. Elsevier. 2012.

-Lind, A.R.; Petrofsky, J.S. Amplitude of the surface electromyogram during fatiguing isometric contractions. Muscle Nerve. Vol. 2. Num. 4. 1979. p. 257-264.

-Marchand, E.A.A. Melhoras na força e hipertrofia muscular, provenientes dos exercícios resistidos. Revista Digital. Buenos Aires. Ano 8. Num. 57. 2003. p. 1-6.

-Moretti, T.; Moretti, M.P.; Moretti, M.; Sakae, D.Y.; Araújo, D. Estado nutricional e prevalência de dislipidemias em idosos. Arquivos Catarinenses de Medicina. Vol. 38. Num. 3. 2009. p. 12-16.

-O’Sullivan, S.B.; Schmitz, T.J. Fisioterapia: avaliação e tratamento. 4ª edição. Manole. 2004.

-Oliveira, A.; Gonçalves, M.; Cardozo, A.; Barbosa, F. Exercício rosca bíceps: influência do tempo de execução e da intensidade da carga na atividade eletromiográfica de músculos lombares. Rev. Port. Cien. Desp. Vol. 6. Num. 2. 2006. p. 170-178.

-Paula, R.H.; Vale, R.G.S.; Dantas, E.H.M. Relação entre o nível de autonomia funcional de adultos idosos com o grau de fadiga muscular aguda periférica verificado pela eletromiografia. Fitness & Performance Journal. Vol. 5. Num. 2. 2006. p. 95-100.

-Sayers, S.P.; Gibson, K.A. Comparison of high-speed power training and traditional slow- speed resistance training in older men and women. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 24. Num. 12. 2010. p.3369-3380.

-Silva, S.R.D.; Fraga, C.H.W.; Gonçalves, M. Efeito da fadiga muscular na biomecânica da corrida: uma revisão. Matriz. Vol. 13. Num. 3. 2007. p. 225-235.

-Silverthorn, D.U. Fisiologia Humana: uma abordagem integrada. 2ª edição. Manole. 2003.

-Simão, R.; Polito, M.; Miranda, H.; Camargo, A.; Hoeller, H.; Elias, M.; Maior, A.S. Análise de diferentes intervalos entre as séries em um programa de treinamento de força. Fitness & Performance Journal. Rio de Janeiro. Vol. 5. Num. 5. 2006a. p. 290-294.

-Simão, R.; Stenbach, C.; Caceres, J.M.; Viveiros, L.; Maior, A. S. Influência do intervalo entre séries e exercícios no número de repetições e percepção subjetiva de esforço no treinamento de força. Fitness & Performance Journal. Rio de Janeiro. Vol. 5.Num. 4. 2006b. p.05-10.

-Tarkka, I.M. Power spectrum of electromyography in arm and leg muscles during isometric contractions and fatigue. J. Sports Med. Phys. Vol. 24. Num. 3. 1984. p. 189-194.

-Thomas, J.R.; Nelson, J.K.; Silverman, S.J. Métodos de Pesquisa em Atividade Física. 6ª edição. São Paulo. Artmed. 2012.

-Watanabe, Y.; Madarame, H.; Oqasawara, R.; Nakazato, K.; Ishii, N. Effect of very low-intensity resistance training with slow movement on muscle size and atrength in healthy older adults. Clinical Physiology and Functional imaging. Vol. 34. Num. 6.2014. p. 463-470.

-West, W.; Hicks, A.; Clements, L.; Dowling, J. The relationship between voluntary eletromyogram, endurance time and intensity of effort in handgrip exercise. Eur J Appl Physiol. Vol. 71. Num. 30.1995. p. 1-5.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Creative Commons License Todo o conteúdo deste periódico, exceto onde está identificado, está licenciado sob uma Licença Creative Commons

RBPFEX - Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício

IBPEFEX - Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercício

Editor-Chefe: Francisco Navarro. E-mail para contato: aqui

Editor Gerente: Francisco Nunes Navarro. E-mail para contato: aqui