Análise da hipertrofia do bíceps braquial comparando os métodos de treinamento de força Drop set e oclusão vascular

  • Bruno Henrique Matheus Departamento de Educação Física, Faculdades integradas ASMEC (UNISEP), Ouro Fino-MG, Brasil.
  • Eder Beletato Pereira Departamento de Educação Física, Faculdades integradas ASMEC (UNISEP), Ouro Fino-MG, Brasil.
  • Diego Pereira Jerônimo Departamento de Educação Física, Faculdades integradas ASMEC (UNISEP), Ouro Fino-MG, Brasil. Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas-SP, Brasil.
Palavras-chave: Oclusão vascular, Treinamento com oclusão vascular, Métodos de treinamento, Kaatsu training, Drop set

Resumo

O objetivo do presente estudo foi comparar os parâmetros de força, performance, intensidade e hipertrofia entre dois métodos de treinamento de força: oclusão vascular (OV) e drop set (DS). A amostra foi constituída de 16 homens saudáveis treinados há no mínimo um ano em treino de força, não suplementados, com idade entre 19 e 31 anos. Os sujeitos foram divididos de forma randomizada em dois grupos, grupo oclusão vascular (GOV) e grupo drop set (GDS). Durante 6 sessões de treino de bíceps braquial, foram realizados três exercícios: rosca direta, rosca alternada e rosca martelo. Para avaliar os parâmetros desejados, foi realizado teste de 1 RM em todos os exercícios, também foram coletados dados do Load, frequência cardíaca (FC) e carga interna de treinamento (CIT).  No teste de 1 RM pré e pós período de treino, considerando a média dos três exercícios, observamos que o GOV teve um aumento de 6,4% e o GDS 10,7%. Em relação ao Load médio, o GDS teve um valor de 656,52 kg que foi significativamente maior que o GOV = 420,62 kg, porém a evolução do Load foi similar entre os grupos (GDS evoluiu 12,7% representando 88,54 kg, já o GOV evoluiu 19,7% representando 88,57 kg). A frequência cardíaca da sessão (FC Sessão) do GDS (137,20 bpm) e do GOV (106,35 pbm) foram significativamente maiores em relação ao repouso (GDS = 75,38 bpm e GOV = 72,68 bpm), porém o GDS apresentou uma FC Sessão maior que o GOV. A CIT do GDS foi significativamente maior que o GOV. O presente estudo identificou FC baixa e CIT menor no GOV, porém obteve evolução similar ao método DS nos parâmetros de força e performance, sendo assim, o método OV pode ser muito eficaz na prescrição do treinamento para indivíduos com restrições.

Referências

-Antualpa, K.F.; Moraes, H.; Shiavon, L.M.; Arruda, A.F.; Moreira, A. Carga interna de treinamento e respostas comportamentais em jovens ginastas. Rev. Educ. Fís/UEM. Vol. 26. Núm. 4. p. 583-592. 2015.

-Fahs, C.A.; Loeneke, J.P.; Rossow, L.M.; Thiebaud, R.S.; Bembem, M.G. Methodological considerations for blood flow restricted resistance exercise. Journal of Trainology. Vol. 1. Núm. 1. p. 14-22. 2012.

-Ferreira, M.R.A.; Cruz, M.S.A.; Paz, G.A.; Miranda, H. Método dropset versus tradicional: o efeito hipotensivo pós-exercício em mulheres treinadas. Ciência Atual-Revista Cientifica Multidisciplinar das Faculdades São José. Vol. 8. Núm. 2. 2016.

-Letieri, R.V.; Efeito agudo do treino de força com oclusão vascular periférica no parâmetro sanguíneo relacionado ao dano muscular. Dissertação de Mestrado. Universidade de Coimbra. Coimbra. 2012.

-Marchetti, P.H.; Lopes, C.R. Planejamento e prescrição do treinamento personalizado: do iniciante ao avançado. São Paulo: Mundo. 1ª edição. Vol.1. p.40-54. 2014.

-Martín-Hernández, J.; Marin, P.J.; Menédez, H.; Ferrero, C.; Loeneke, J.P.; Herrero, A.J. Muscular adaptations after two different volumes of blood flow‐restricted training. Scandinavian Journal of Medicine & Science in Sports. Vol. 23. Núm. 2. p. 114-120. 2013.

-Nakamura, F.Y.; Moreira, A.; Aoki, M.S. Monitoramento da carga de treinamento: a percepção subjetiva do esforço da sessão é um método confiável?. R. da Educação Física/UEM. Vol. 21. Núm. 1. p. 1-11. 2010.

-Nascimento, M.A.; Cyrino, E.S.; Nakamura, F.Y.; Romanzini, M.; Pianca, H.J.C.; Queiróga, M.R. Validação da equação de Brzycki para a estimativa de 1-RM no exercício supino em banco horizontal. Revista brasileira de medicina do esporte. Vol. 13. Núm. 1. p. 47-50. 2007.

-Ohta, H.; Kurosawa, H.; Ikeda, H.; Iwase, Y.; Satou, N.; Nakamura, S. Low-load resistance muscular training with moderate restriction of blood flow after anterior cruciate ligament reconstruction. Acta Orthopaedica Scandinavica. Vol. 74. Núm. 1. p. 62-68. 2003.

-Pinho, R.W.S.; Braz, T.V.; Cruz, W. A.; Santos, A.B.; Ribeiro, C.; Germano, M.D.; Aoki, M.S.; Lopes, C.R. Efeito da carga interna de treinamento sobre o VO2 máx de mulheres adultas. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Vol. 24. Núm. 1. p. 43-51. 2016.

-Polito, M.D.; Farinatti, P.D.T.V. Considerações sobre a medida da pressão arterial em exercícios contra-resistência. Revista Brasileira Medicina Esporte. Vol. 9. Núm. 1. p. 25-33. 2003.

-Pope, Z.K.; Willardson, J.M.; Shoenfeld, B.J. Exercise and blood flow restriction. Journal os Strength and & Conditioning Research. Vol. 27. Núm. 10. p. 2914-2926. 2013.

-Salles, B.F.; Simão, R. Bases científicas dos métodos e sistemas de treinamento de força. Revista Uniandrade. Vol. 15. Núm. 2. p.127-133. 2014.

-Sato, Y. The history and future of Kaatsu training. International Journal of Kaatsu Training Research. Vol. 1. Núm. 1. p.1-5. 2005.

-Soares, E.G.; Lopes, C.R.; Marchetti, P.H. Efeitos agudos e adaptações neuromusculares decorrente da manipulação de volume e densidade no treinamento de força. Centro de Pesquisas Avançadas em Qualidade de Vida. Vol. 9. Núm. 2. p. 2-23. 2017.

-Suga, T.; Okita, K.; Morita, N.; Yokota, T.; Hirabayashi, K.; Horiuchi, M.; Takada, S.; Omokawa, M.; Kinugawa, S.; Tsutsuil, H. Dose effects on intramuscular metabolic stress during low-intensity resistance exercise with blood flow restriction. Journal of applied physiology. Vol. 108. Núm. 6. p.1563-1567. 2010.

-Teixeira, E.L.; Hespanhol, K.C.; Marquez, T.B. Efeito do treinamento resistido com oclusão vascular em idosas. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 6. Núm. 36. p. 560-568. 2012.

-Togashi, G.B. Dano muscular induzido pelo sistema de treinamento de cargas descendentes em exercícios resistidos. 2009. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de São Carlos. São Carlos. 2009.

-Uchôa, P.A.G. Efeito do volume na temperatura superficial da pele e no edema muscular após realização de exercício de treino de força com a metodologia de Drop-Sets. Dissertação de Mestrado. Vila Real. 2015.

-Yasuda, T.; Ogasawara, R.; Sakamaki, M.; Ozaki, H.; Sato, Y.; Abe, T. Combined effects of low-intensity blood flow restiction training and high-intensity resistance training on muscle strength and size. European Journal of Applied Physiology. Vol. 111. Núm. 10. p. 2525-2533. 2011.

Publicado
2020-07-25
Como Citar
Matheus, B. H., Pereira, E. B., & Jerônimo, D. P. (2020). Análise da hipertrofia do bíceps braquial comparando os métodos de treinamento de força Drop set e oclusão vascular. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 13(88), 1332-1339. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1850
Seção
Artigos Científicos - Original