Prevalência de lesões e fatores associados em atletas da seleção brasileira de remo

  • Thainá Korpalski Programa de pós-graduação em Ciências do Movimento Humano, Centro de Ciências da Saúde e do Esporte, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis-SC, Brasil.
  • Adriana Coutinho de Azevedo Guimarães Programa de pós-graduação em Ciências do Movimento Humano, Centro de Ciências da Saúde e do Esporte, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis-SC, Brasil.
  • Joris Pazin Centro de Ciências da Saúde e do Esporte, Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis-SC, Brasil.
Palavras-chave: Remo, Seleção brasileira, Treinamento, Lesão

Resumo

O movimento do remo, é caracterizado como um movimento muscular coordenado com uma aplicação de força repetitiva e máxima; sendo um movimento cíclico, em que os membros superiores e inferiores se movimentam de forma sincronizada. Apesar de não ser um esporte de contato, os remadores apresentam altas taxas de incidência de lesões. Portanto o objetivo foi identificar a prevalência de lesões e fatores associados em remadores da seleção brasileira. Participaram 18 atletas com média de idade de 21,39±5,5 anos, convocados para a seleção Brasileira de Remo no ano de 2017, sendo 11 masculinos. Para obter as informações sobre as lesões e fatores associados foi aplicado um questionário online via Google Docs e utilizada a estatística descritiva e teste exato de Fischer para possíveis associações. Os participantes do estudo em sua maioria foram do sexo masculino (n=11) com 77,8% das lesões totais; sendo as mais graves da região lombar (55,5%) e do joelho (16,6%). Foi identificado uma tendência, dos remadores estarem mais suscetíveis a lesões devido há uma grande quantidade de treinos intensos neste período, quando associado à quantidade de treinos de alta intensidade por semana no período competitivo com as lesões (p=0,026), no qual 92,9% dos que realizavam 3 ou mais treinos intensos por semana apontaram mais lesões. Os resultados deste estudo parecem mostrar que há uma tendência de os atletas de remo da seleção Brasileira apresentarem lesões, predominantemente na região lombar, seguido do joelho; podendo ser devido a uma maior frequência de treinamento de alta intensidade no período competitivo.

Referências

-Beneke, R. Anaerobic threshold, individual anaerobic threshold, and maximal lactate steady state in rowing. Medicine and science in sports and exercise. Vol. 27. Num. 6. 1995. p. 863-867.

-Brosh, S.; Jenner, J. R. Injuries to rowers. British journal of sports medicine. Vol. 22. Num. 4. 1988. p. 169.

-Caldwell, J.S.; McNair, P.J.; Williams, M. The effects of repetitive motion on lumbar flexion and erector spinae muscle activity in rowers. Clinical Biomechanics. Vol. 18. Num. 8. 2003. p. 704-711.

-Confederação Brasileira de Remo. Institui diretrizes que buscam desenvolver e qualificar o remo brasileiro, construindo um esporte inspirador para novas gerações, em âmbito nacional. Inscrita sob portaria Num 648 de 5 de Outubro de 1977. Rio de Janeiro. 1977.

-Costill, D. L.; Maglischo, E. W.; Richardson, A. B. Swimming. Oxford. 1992.

-DiPrampero, P. E.; Cortili, G.; Celentano, F.; Cerretelli, P. Physiological aspects of rowing. Journal of Applied Physiology. Vol. 31. Num. 6. 1971. p. 853-857.

-Bernardes, F.; Mendes-Castro, A.; Ramos, J.; Costa, O. Musculoskeletal injuries in competitive rowers. Acta medica portuguesa. Vol. 28. Num. 4. 2015. p. 427-434.

-Hannafin, J. A. Rowing. In: Drinkwater B, editor. The encyclopedia of sports medicine. Vol 8. Women in sport. Oxford. Blackwell Science. 2000. p. 486-93.

-Hickey, G.J.; Fricker, P. A.; McDonald, W. A. Injuries to elite rowers over a 10-yr period. Medicine and science in sports and exercise. Vol. 29. Num. 12. 1997. p. 1567-1572.

-Howell, D. W. Musculoskeletal profile and incidence of musculoskeletal injuries in lightweight women rowers. The American journal of sports medicine. Vol. 12. Num. 4. 1984. p. 278-282.

-Karlson, K. A. Rowing injuries. Phys Sports Med. Vol. 28. 2000. p.40-50.

-Kleshnev, V. Comparison of on-water rowing with its simulation on Concept2 and Rowperfect machines. Scientific proceedings. XXII International Symposium on Biomechanics in Sports. Beijing. 2005. p. 130-133.

-Mader, A.; Hartmann, U.; Hollmann, W. Der Einfluß der Ausdauer auf die 6minütige maximale anaerobe und aerobe Arbeitskapazität eines Eliteruderers. In: Rudern. Springer. Berlin. Heidelberg. 1988. p. 62-78.

-Maurer, M.; Soder, R. B.; Baldisserotto, M. Spine abnormalities depicted by magnetic resonance imaging in adolescent rowers. The American journal of sports medicine. Vol. 39. Num. 2. 2011 p. 392-397.

-Redgrave, S. editor. Injuries: prevention/cure. London. Partridge Press. 1992. p. 200-201.

-Schubert, M.; Pereira, R. Um programa preventivo da incidência de lesões músculo-esqueléticas em atletas de remo. TCC. Universidade do Vale do Itajaí. Centro de Ciências da Saúde. Curso de Fisioterapia. Itajaí. 2011.

-Silva, J. M. An analysis of the training stress syndrome in competitive athletics. Journal of applied sport psychology, Vol. 2. Num. 1. 1990 p. 5-20.

-Souza, L. L. Fatores de abandono dos atletas na prática do remo competitivo. TCC. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Escola de Educação Física. Curso de Educação Física. Licenciatura. 2010.

-Steinacler, J. M. Physiological aspects of training in rowing. International journal of sports medicine. Vol. 14. 1993 p. S3-S3.

-Taimela, S.; Kankaanpää, M.; Luoto, S. The effect of lumbar fatigue on the ability to sense a change in lumbar position: a controlled study. Spine. Vol. 24. Num. 13.1999 p. 1322.

-Thornton, J. S.; Vinther, A.; Wilson, F.; Lebrun, C. M.; Wilkinson, M.; Di Ciacca, S. R.; Smoljanovic, T. Rowing injuries: an updated review. Sports medicine. Vol. 4. Num. 47. 2017. p. 641-661.

-Wilmore, J.; Costill, D. L. Fisiología del esfuerzo y del deporte. España. Paidotribo. 2001.

-Wilson, F.; Gissane, C.; Gormley, J.; Simms, C. A 12-month prospective cohort study of injury in international rowers. British journal of sports medicine. Vol. 44. Num. 3. 2010. p. 207-214.

Publicado
2020-07-25
Como Citar
Korpalski, T., Guimarães, A. C. de A., & Pazin, J. (2020). Prevalência de lesões e fatores associados em atletas da seleção brasileira de remo. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 13(88), 1340-1347. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1855
Seção
Artigos Científicos - Original