Nível de motivação de adolescentes após seis semanas de treinamento de boxe em ambiente virtual.

  • Jorge Luiz de Brito Gomes Universidade federal do vale do são francisco
  • Leandro Paim Da cruz Carvalho Programa de pós-graduação em Educação Física, Universidade Federal do Vale do São Francisco (UFVSF), Diamantina-MG, Brasil.
  • Mara Jordana Magalhães Costa Departamento de Educação Física, Universidade Federal do Piaui (UFPI), Teresina-PI, Brasil.
  • Ariele Maria de Sousa Moura Escola Superior de Educação Física, Universidade de Pernambuco, Fortaleza-CE, Brasil.
  • Manoel da Cunha Costa Escola Superior de Educação Física, Universidade de Pernambuco, Fortaleza-CE, Brasil.
Palavras-chave: Motivação, Exercício físico, Boxe, Aderência

Resumo

A adesão ao exercício físico depende fortemente de fatores motivacionais. Novas práticas de exercícios físicos, como video games ativos (VGA), são utilizadas como forma de elevar os níveis de atividades físicas também em adolescentes. O objetivo do presente estudo foi analisar o prazer de  adolescentes praticantes de treinamento de boxe em um ambiente virtual ativo e analisar descritivamente a pontuação do jogo. Sete homens participaram do estudo, a motivação foi medida através da escala analógica de motivação visual antes e após seis semanas de treinamento em vídeo game ativo (Kinect Sports Boxing - três sessões por semana). Eles foram caracterizados como motivados e muito motivados no ínicio do estudo. Teste T e cálculo para o tamanho do efeito (p <0,05) foram utilizados. Os resultados mostraram que o nível de motivação aumentou em todos os indivíduos. O subgrupo motivado aumentou mais do que o muito motivado. Seis semanas de treinamento de boxe no VGA é muito prazeroso e aumenta os níveis de motivação dos praticantes.

Referências

-Ahearn, P. The use of Visual Analog Scale in mood Disorders: A critical review. J Psychiatry Research. Vol. 31. Num. 5 1997. p. 569-579.

-Alves, J.G.B. Atividade física em crianças: promovendo a saúde do adulto. Revista Brasileira Saúde Materno Infantil. Vol. 3. Num. 1. 2003. p. 5-6.

-Balbim, G.M.; Vieira, L.F. Motivação em praticantes de atividades de aventura EFDeportes Revista digital. Buenos Aires. Ano 15. Num. 152. 2011. p.1-1.

-Braz, T.V.; Ugrinowitsch, H.; Flausino, N.H.; Freitas, W.Z. O Efeito da Motivação no Desempenho do Teste de Cooper em Jovens Futebolistas. Revista. Treinamento desportivo. Vol. 8. Num 1. 2007. p. 53-59.

-Brito-Gomes, J.L; Perrier-Melo, R.J.; Oliveira, M.S.F.; Costa, M.C. Exergames podem ser uma ferramenta para acréscimo de atividade física e melhora do condicionamento físico. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. Vol. 20. Num. 3. 2015. p.332-242.

-Brito-Gomes, J.L. Efeitos nos parâmetros metabólicos e hemodinâmicos em intervenção com videogames ativos: estudo clínico randomizado. Dissertação de Mestrado. Universidade de Pernambuco. Recife-PE. 2015.

-Christie, B.; Trout, J. Interactive Video Games in Physical Education, rather than contribute to a sedentary lifestyle, these games demand activity from the players. Jorped. Vol. 78. Num 5. 2007. p.29-45.

-Dishman, R.K.; Motl, R.W.; Sallis, J.F.; Dunn, A.L.; Birnbaum, A.S.; Welk, G.J.; Jobe, J.B. Self-management strategies mediate self-efficacy and physical activity. American Journal of Preventive Medicine. Vol. 29. Num. 1. 2005. p.10-18.

-Epstein, L.H.; Beecher, M.D.; Graf, J.L.; Roemmich, J.N. Choice of interative dance and bicycle games in overweight and nonoverweight youth. Annals of Behavioral Medicine. Vol. 33. Num. 2. 2007. p.124-131.

-Finco, M. D. Wii fit: um videogame do estilo de vida saudável. Dissertação de Mestrado. Universidade federal do Rio Grande do Sul. Escola de educação física. Programa de pós-graduação em ciências do movimento humano. 2010.

-Fontana, P.S.; Barbosa M.L.L.; Balbinotti, M.A.A.; Balbinotti, C.A.A. Estudo das motivações à prática da ginástica rítmica: Contribuições da pesquisa para o rendimento desportivo. Pensar a Prática. Vol. 16. Num. 2. 2013. p. 320-618.

-IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. Vol. 8. Num. 1. p. 09-11. 2010.

-Kontou, E.; Thomas, S.A.; Lincoln, N.B. Psychometric properties of a revised version of the Visual Analog Mood Scales. Clinical rehabilitation. Vol. 26. Num.12. 2012. p. 1133-1140.

-Lee, H.H.; Emerson, J.A.; Williams, D.M. The exercise-affect-adherence pathway: An evolutionary perspective. Frontiers in Psychology. Vol. 7. Num. 1285. 2016. p. 1-11.

-Malavasi, L.M.; Both, J. Motivação: uma breve revisão de conceitos e aplicações. Efdeportes revista digital. Buenos Aires. Ano 10. Num. 89. 2005. p.1-1.

-Massarella, F.L.; Winterstein, P.J. Motivação intrínseca e estado de flow no esporte e na atividade física. Congresso de ciência do desporto da faculdade de educação física da Universidade estadual de Campinas. 2005.

-Massarella, F.L.; Winterstein, P.J. Motivação intrínseca e o estado mental flow em corredores de rua. Movimento. Porto Alegre. Vol. 15. Num. 2. 2009. p. 45-68.

-Matsui, A.; Maristela C. A geração vídeo game e o futuro no mundo dos negócios. Revista científica eletrônica de psicologia. Vol. 5. Num. 8. 2007. p. 1-8.

-Moran, A.L.; Meza, V.; Ramírez-Fernández, C.; Grimaldo, A.I.; García-Canseco, E.; Orihuela-Espina, F.; Sucar, L.E. Revisiting the user experience of a virtual rehabilitation tool for the physical activation and cognitive stimulation of elders. International Workshop on Ambient Assisted Living. Springer cham. Vol. 1. Num. 1. 2014. p. 203-210.

-Murray, E J. Motivação e emoção. Rio de Janeiro. Zahar editors. 1978.

-Norton, K.; Olds, T.; Albernaz, N.M.F. Antropométrica: Um livro sobre medidas corporais para o esporte e cursos da área de saúde. Porto Alegre. Artmed. 2005. p.67.

-Perrier-Melo, R.J.; Brito-Gomes, J.L.; Garrido, N.D.; Oliveira, S.F.; Guimarães, F.J.D.S.P.; Costa, M.C. Efeito do treinamento com videogames ativos nas dimensões morfológica e funcional: estudo clínico randomizado. Motricidade. Vol. 12 Num. 2. 2016. p. 70-79.

-Reis, S. Intrinsic and extrinsic motivation. Teaching of Psychology. Vol. 39. Num. 2. 2012. p. 152-156.

-Sales-Nobre, F.S.; Jornada-Krebs, R.; Valentini, N.C. Práticas de lazer, nível de atividade física e aptidão física de moças e rapazes brasileiros. Revista Salud Pública. Vol. 11. Num. 5. 2009. p. 713-723.

-Sena, A.; Coelho, D.K. Motivação dos Jogadores de Videogame: Uma breve visão sobre as Técnicas de Engajamento. Proceedings of SBgames. XI SBGAMES, 2º Ed. Vol. 2. Num. 2. 2012. p. 139-142.

-Siegel, S.R.; Haddock, B.L.; Dubois, A.M.; Wilkin, L.D. Active Video/Arcade e Games (Exergaming) and Energy Expenditure in College Students. International Journal of Exercise Science. Vol. 2. Num. 3 2009. p.165-174.

-Soltani, P.; Salesi, M. Effects of Exergame and Music on Acute Exercise Responses to Graded Treadmill Running. Games for Health Journal. Vol. 2. Num. 2. 2013. p. 75-80.

-Souza, J.C.C.; Oliveira, D.G.; Espírito-Santo, G. Percepções e motivações acerca da prática de musculação de uma academia de ginástica da Baixada Fluminense. Corpus et Scientia. Vol. 8. Num. 2. 2012. p. 66-77.

-Stewart, A.; Marfell-Jones, M.; Olds, T.; Ridder, H. International Standards for Anthropometric Assessment. International Society for the Advancement of Kinanthropometry Australia. 2011.

-Thin, A.G.; Brown, C.; Meenan, P. User Experiences While Playing Dance-Based Exergames and the Influence of Different Body Motion Sensing Technologies. International Journal of Computer Games Technology. Vol. 2013. Num. 603604. 2013. p. 1-7.

-Thivel, D.; Aucoturier, J.; Doucet, E.; Saunders, T.J.; Chauput, J.P. Daily energy balance in children and adolescents. Does energy expenditure predict subsequent energy intake? Appetite. Vol. 60. Num. 1. 2013. p. 58-64.

-Thomas, J.R.; Nelson, J.K.; Silverman, S.J. Métodos de pesquisa em atividade física. 6ª edição. Porto Alegre. Artmed. 2012. p. 50.

-Truccolo, A.B.; Maduro, P.A.; Feijó, E.A. Fatores motivacionais de adesão a grupos de corrida. Motriz. Vol. 14. Num. 2 2008. p.108-114.

Publicado
2020-08-04
Como Citar
Gomes, J. L. de B., Da cruz Carvalho, L. P., Costa, M. J. M., Moura, A. M. de S., & Costa, M. da C. (2020). Nível de motivação de adolescentes após seis semanas de treinamento de boxe em ambiente virtual. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 13(88), 1402-1409. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1907
Seção
Artigos Científicos - Original