Nível de atividade física, índice de adiposidade corporal e sua relação com o estilo de vida de adolescentes do município de Milagres-CE

  • João Paulo da Silva Maciel Centro Integrado de Tecnologia e Pesquisa (CINTEP), Porto Seguro-BA, Brasil; Faculdade Nossa Senhora de Lourdes, Porto Seguro-BA, Brasil; Centro Universitário Dr. Leão Sampaio (UNILEÃO), Juazeiro do Norte-CE, Brasil.
  • João Marcos Ferreira de Lima Silva Centro Universitário Dr. Leão Sampaio (UNILEÃO), Juazeiro do Norte-CE, Brasil.
  • Joelio Lormira Feitosa Centro Universitário Dr. Leão Sampaio (UNILEÃO), Juazeiro do Norte-CE, Brasil.
  • Douglas Leão Lopes Torres Centro Universitário Dr. Leão Sampaio (UNILEÃO), Juazeiro do Norte-CE, Brasil.
  • Valesca Leão Jacinto Torres Centro Universitário Dr. Leão Sampaio (UNILEÃO), Juazeiro do Norte-CE, Brasil.
Palavras-chave: Atividade física, Adiposidade corporal, Estilo de vida

Resumo

O objetivo deste estudo foi de avaliar o nivel de atividade física, o índice de adiposidade corporal e sua relação com o estilo de vida de adolescentes do ensino médio da Escola Estadual de Educação Profissional Irma Ana Zélia da Fonseca (EP) de Milagres, Ceará. O estudo tratou-se de uma pesquisa de cunho quantitativo, descritivo exploratório, de campo com delineamento de corte transversal. Sendo assim a amostra foi constituída de (n=133) adolescentes de ambos os sexos, sendo que foram pesquisados (n=73) adolescentes do sexo masculino e (n=60) adolescentes do sexo feminino. Os instrumentos utilizados foram questionário para avaliar o nível de atividade física, uma avaliação antropométrica para medir a altura e o perímetro de quadril e um questionário para avaliar o estilo de vida. Foi feito análise estatística realizada no pacote estatístico SPSS versão 20.0, sendo utilizados os recursos de estatística descritiva (frequência, média, desvio padrão, percentual).  Os resultados da pesquisa mostram que houve diferença bastante significativa entre os gêneros, sendo no gênero masculino (26,0%) com o percentual baixo, (46,6%) com o percentual de gordura ideal, (19,2%) acima da média, (8,2%) com o percentual muito elevado. No gênero feminino tiveram (20,0%) com o percentual baixo, (41,7%) com o percentual de gordura ideal (25,0%) acima da media, (13,3%) com o percentual muito elevado. Concluiu-se que com os dados analisados houve uma relação considerável de risco a saúde no que se refere a risco moderado de ambos os sexos, demonstrando uma alerta para o sobrepeso e obesidade acarretando risco de doenças crônico-degenerativas.

Biografia do Autor

João Marcos Ferreira de Lima Silva, Centro Universitário Dr. Leão Sampaio (UNILEÃO), Juazeiro do Norte-CE, Brasil.

 

 

Referências

-Amorim, P.R.S.; Silva, S.C.; Dantas, E.H.M.; Fernandes Filho, J. Sensibilidade e especificidade do índice de massa corpórea na determinação da obesidade. Um estudo em brasileiros de ambos os sexos. Journal Fitness e Performance. Vol. 3. Num. 2. 2014. p. 71-75.

-Andrade, D. R. Atividade Física e Promoção da Saúde: conhecimento e prática dos profissionais de saúde das unidades básicas de saúde do Município de São Caetano do Sul. Dissertação de Mestrado em Saúde Pública. Faculdade de Saúde Pública. Universidade de São Paulo. São Paulo. 2001.

-Barbosa, T.; Zica, M.; Quaresma, F.; Sonati, J.; Maciel, E. Relação entre composição corporal e aptidão física em grupo de escolares do ensino médio no Brasil. Revista da UIIPS. Vol. 4. Num. 2. 2016. p. 273-284.

-Baretta, E.; Baretta, M.; Peres, K. G. Nível de atividade física e fatores associados em adultos no Município de Joaçaba, Santa Catarina, Brasil. Caderno de Saúde Pública. Rio de Janeiro. Vol. 23. Num. 7. 2017. p. 1595-1602.

-Buss, P.M.; Pellegrini Filho, A. A saúde e seus determinantes sociais. Physis: Revista de Saúde Coletiva. Vol. 17. Num. 1. 2017. p. 77-93.

-Brasil, M.D.S. Conselho Nacional de Saúde. Manual operacional para comitês de ética em pesquisa. Ministério da Saúde. Brasília-DF. 2002.

-Farias, E.S.; Petroski, E.L. Estado nutricional e atividade física de escolares da cidade de Porto Velho, Rondônia. Revista Brasileira de Cineantropometria Desempenho Humano, São Paulo. Vol. 21. Num. 4. 2013. p. 27-38.

-Gonçalves, H. R.; Pereira-Gonçalves, L. A.; Barros-Filho, A. A. Indicadores dos níveis de atividade física e aptidão física em escolares. Arquivos e Ciências da Saúde, Unipar, Umuarama. Vol. 13. Num. 1. 2014. p. 21-28.

-Gonçalves, R.; Mascarenhas, L.P. Gomes.; Liebl, E.C.; Lima, V.A.; Souza, W.B.; Grzelczak, M.T.; Souza, W.C. Grau de concordância do IMC e do IAC com percentual de gordura corporal. Revista Brasileira de Qualidade de Vida. Vol. 6. Num. 1. 2015. p. 8-16.

-Heyward, V. H. Avaliação da composição corporal. Em: Avaliação física e prescrição de exercício: técnicas avançadas. 4ª edição. Porto Alegre. Artmed. 2014. p. 156.

-Kiss, M. A. P.; Dal´Molin. Avaliação em Educação Física: Aspectos biológicos e educacionais. São Paulo. Manole. 2017. p. 230.

-Leão, L.S.C.S.; Araújo, L.M.B.; Moraes, L.T.L.P. Prevalência de obesidade em escolares de Salvador, Bahia. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia Metabólica. Vol. 47. Num. 2. 2013. p.151-157.

-Lima, V. Ginástica laboral: atividade física no ambiente de trabalho. São Paulo. Phorte. 2013. p. 119.

-Marconi, M.D.; Lakatos, E.M. Fundamento de Metodologia Cientifica. São Paulo. Atlas. 2010. p. 567.

-Matsudo, S. M.; Matsudo, V. R.; Araújo, T.; Andrade, D.; Andrade, E.; Oliveira, L.; Braggion, G. Nível de atividade física da população do Estado de São Paulo: análise de acordo com o gênero, idade, nível socioeconômico, distribuição geográfica e de conhecimento. Revista Brasileira de Ciências do Movimento. Vol. 10. Num. 4. 2016. p. 41-50.

-Matsudo, V.K.R. Sedentarismo: como diagnosticar e combater a epidemia. Revista Diagn Tratamento. Vol. 2. Num. 10. 2015. p. 109-110.

-Mello, E. D. O que significa a avaliação do estado nutricional. Jornal de Pediatria. Vol. 78. Num. 5. 2012. p. 1-22.

-Melin, P.; Araújo, A. M. Transtornos alimentares em homens: Um desafio diagnóstico. Revista Brasileira de Psiquiatria. Vol. 24. Num. 3. 2012. p. 73-76.

-Mendonça, C. P.; Anjos, L. A. Aspectos das práticas alimentares e da atividade física como determinantes do crescimento do sobrepeso/obesidade no Brasil. Caderno de Saúde Pública. Rio de Janeiro. 2014. p. 698-709.

-Nahas, M.V. Atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. 3ª edição. Londrina. Midiograf. 2009. p. 223.

-Organização, P.A.D.S. Doenças crônico-degenerativas e obesidade: Estratégia mundial sobre alimentação saudável, atividade física e saúde. Formatos Design. Brasília-DF. 2013.

-Pate, R.R.; Pratt, M.; Blair, S.N.; Haskell, W.L.; Macera, C.A.; Bouchard, C.; Buchner, D.; Ettinger, W.; Heath, G.W.; King, A.C. Physical activity and public health - a recommendation from the Centers for Disease Control and Prevention and the American College of Sports Medicine. Revista Jama. Vol. 273. Num. 3. 2015. p. 402-407.

-Petroski, E.L.; Silva, D.A.S.; Reis, R.S.; Pelegrini, A. Estágios de mudança de comportamento e percepção positiva do ambiente para atividade física em usuários de parque urbano. Revista Motricidade. Vol. 5. Num. 2. 2015. p. 17-31.

-Rodrigues, R. P. Nível de atividade física, tempo sentado, composição corporal e fatores associados em policiais militares. TCC de Licenciatura em Educação Física do Programa UAB da Universidade de Brasília, Barra do Bugres-MT. 2015.

-Santos, J.F.S.; Alves V.S. Perfil do estilo de vida relacionado à saúde dos adolescentes da Unicentro, Campus Irati-PR. Lecturas: Educación Física y Deportes. Revista Digital, Buenos Aires. Ano 13. Num. 129. 2014. p. 1-1.

-Santos, J. F. S. Estilo de vida e percepção de qualidade de vida de adolescentes de ciências tecnológicas: um estudo de caso. In: Anais do II congresso cientifico latino-americano da FIEP. Foz do Iguaçu. 2014.

-Tassitano, R.M.; Bezerra, J.; Tenório, M.C.M.; Colares, V.; Barros, M.V.G.; Hallal, P.C. Atividade Física em adolescentes brasileiros: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Vol. 9. Num. 1. 2017. p. 55-60.

-Thomas, J.R.; Nelson, J.K.; Silverman, S.J. Métodos de pesquisa em atividade física. 5ª edição. Artmed. 2012. p. 567.

-Von, A. H. D.; Ebert, S.; Ngamvitroj, A.; Park, N.; Kang, D.H. Predictors of health behaviours in college students. Journal Adventure Nurse. Vol. 3. Num. 1. 2014. p. 463-474.

-Weineck, J. Atividade Física e Esporte: para quê?. Manole. 2003. p. 1-200.

Publicado
2021-02-23
Como Citar
Maciel, J. P. da S., Silva, J. M. F. de L., Feitosa, J. L., Torres, D. L. L., & Torres, V. L. J. (2021). Nível de atividade física, índice de adiposidade corporal e sua relação com o estilo de vida de adolescentes do município de Milagres-CE. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 14(89), 1-10. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1918
Seção
Artigos Científicos - Original