Predição da carga do Supino Inclinado através do Supino Horizontal

  • Dagnou Pessoa Moura Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita"
  • Camila Cardoso da Silva Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium
Palavras-chave: Treinamento de Força, Teste de Força, Teste de 1RM

Resumo

Introdução: A força muscular é importante para manutenção e promoção da saúde da população, além de ser essencial no âmbito esportivo, dessa forma o treinamento de força (TF) tem se mostrado uma ferramenta importante para o aumento da força e da massa muscular. Entretanto, para uma prescrição mais segura e eficiente, a carga de treinamento deve prescrita em percentuais da carga de uma repetição máxima (1RM), logo é fundamental realizar testes de 1RM periodicamente para correção da carga de treino. Assim, criar métodos que facilitem ou acelerem o processo de avaliação de carga para 1RM é importante para os profissionais que atuam com TF. Objetivo: Fazer regressão linear entre os aparelhos supino horizontal e o supino inclinado, criando uma fórmula para então facilitar a metodologia na prescrição de treinamento de força. Métodos: A amostra foi composta por 23 sujeitos do sexo masculino com experiência mínima de seis meses em TF. Aleatoriamente realizaram o teste de 1RM nos aparelhos citados, respeitando o tempo de intervalo de cinco minutos entre uma tentativa e outra. Resultados: Houve uma forte correlação (r = 0,93), indicando que a carga alcançada em um aparelho tem relação com o outro. Por seguinte foi realizada uma regressão estatística, na qual foi obtida a seguinte fórmula: y = 0,6944x + 18,389, onde y será o valor do supino inclinado e x o valor do supino horizontal. Conclusão: É possível estimar a carga do supino inclinado pelo teste do supino horizontal.

Biografia do Autor

Dagnou Pessoa Moura, Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita"
Departamento de Fisiologia aplicada ao treinamento físico - Unesp Bauru

Referências

-American College of Sports Medicine-ACSM. Progression Models in Resistance Training for Healthy Adults. Med Sci Sports Exerc. Vol. 34. Num. 2. 2002. p. 364-380.

-American College of Sports Medicine-ACSM. Resource Manual for guidelines for exercise testing and prescription. 4ed. USA. 2003.

-Fleck, S.J.; Figueira Junior, A. Treinamento de força para fitness e saúde. São Paulo. Phorte. 2003.

-Fleck, S.J.; Kraemer, W.J. Fundamentos do treinamento de força muscular. 2ª edição. Porto Alegre. Artmed. 2006.

-Fleck, S.J.; Kraemer, W.J. Fundamentos do treinamento de força muscular. 2003.

-Fletcher, G.; Balady, G.; Amsterdam, E.; Chaityman, B.; Eckel, R.; Fleg, J. Exercise standards for testing and training: a statement for healthcare professionals form the American Heart Association. Circulation. Vol. 104. 2001. p. 1694-1740.

-Fukunaga, T.; Miyatani, M.; Tachi, M.; Kouzaki, M.; Kawakami, Y.; Kanehisa, H. Muscle volume is a major determinant of joint torque in humans. Acta Physiologica Scandinavica. Vol. 172. Num. 4. 2001. p. 249-255.

-Hopkins, W. G. Correlation coefficient. 2009.

-Jackson, A.S.; Pollock, M.L. Generalized equations for prediting body density of men. British Journal Nutrition. Vol. 40. 1978. p. 497-504.

-Maior, A.S.; Alves, A. A contribuição dos fatores neurais em fases iniciais do treinamento de força muscular: uma revisão bibliográfica. Rev Motriz. Vol. 9. Num. 3. 2003. p. 161-168.

-Maior, A.S.; Alves Jr, C.L.; Ferraz, F.M.; Menezes, M.; Carvalheira, S.; Simão, R. Efeito hipotensivo dos exercícios resistidos em diferentes intervalos de recuperação. Rev Socerj. Vol. 20. Num. 1. 2007. p. 53-59.

-Morales, J.; Sobonya, S. Use of submaximal repetition tests for predicting 1rm strength in classathletes. J StrengthCond Res. Vol. 10. 1996. p. 186-9.

-Moura, D.P.; Mattos, D.M.S.; Higino, W.P. Efeitos do treinamento resistido em mulheres portadoras de diabetes mellitus tipo II. Revista Brasileira de Atividade Fisica & Saude. Vol. 11. Num. 2. 2006. p. 33-38.

-Moura, M.A.Q.; Silva Junior, D.B.; Mazini Filho, M.L.; Matos, D.G.; Matos, C.M.G.; Santos, M.S.; Zanella, A.L. A importância da força muscular para o treinamento desportivo. Revista Digital. Vol. 145. Num. 1. 2010.

-Pollock, M.L.; Frankilin, B.A.; Balady, G.J.; Chaitman, B.L.; Fleg, J.L.; Fletcher, B.; Limacher, M.; Piña, I.I.; Stein, R.A.; Williams, M.; Bazzarre, T. Resistance exercise in individual with and without cardiovascular disease: benefits, rationale, safety, and prescription. Circulation. Vol. 101. Num. 7. 2000. p. 828-833.

-Rebelatto, J.R.; Calvo, J.I. Orejuela, J.R.; Portillo, J.C. Influência de um programa de atividade física de longa duração sobre a força muscular manual e a flexibilidade corporal de mulheres idosas. Revista Brasileira de Fisioterapia. Vol. 10. Num. 1. 2006. p. 127-132.

-Silva, C.H.; Rezende, L.S.; Fonseca, M.A.P.V.; Pires, N.M.S. Critérios de prescrição de exercícios através de 1 RM. Revista Digital Vida & Saúde. Vol. 1. 2002. p. 12-17.

-Siri, W.E. Body composition from fluid space and density. In. J. Brozek; A. Hanschel. (Eds). Techniques for measuring body composition. Washington D.C. National Academy of Science. 1961.

Publicado
2020-08-04
Como Citar
Moura, D. P., & Silva, C. C. da. (2020). Predição da carga do Supino Inclinado através do Supino Horizontal. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 13(88), 1434-1439. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1934
Seção
Artigos Científicos - Original