Análise do efeito do treinamento circuit-training sobre a percepção subjetiva de esforço e repetições em homens jovens

  • Samuel Barbosa Mezavila
  • Mateus Medeiros Leite UniCEUB, Brasília-DF
  • Márcio Rabelo Mota UniCEUB, Brasília-DF
Palavras-chave: Exercício resistido, percepção subjetiva de esforço, variáveis do treinamento

Resumo

Profissionais da área de fisiologia aplicado ao desporto, buscam encontrar a melhor maneira de controlar a intensidade de esforço e de métodos eficientes e confiáveis para prescrição e monitoramento de cargas de treino. Uma, de diversas formas para o controle de tais variáveis, vem a ser a percepção subjetiva de esforço (PSE). O objetivo do presente estudo foi analisar os efeitos de uma sessão única de circuit-training em exercício resistido sobre parâmetros de percepção subjetiva de esforço e repetições, bem assim como correlaciona-los. Homens (n=15) saudáveis, fisicamente ativos com idade média de 21,60 ± 3,81, foram submetidos a realizar um protocolo de exercício resistido em circuito. O grupo realizou 8 estações de exercícios alternando braço e perna a 70% de 1RM com 3 voltas de 15 repetições e 1minuto de descanso entre as voltas. Ao final de cada volta foi coletado a PSE através da tabela OMNI-res, ao passo que, o número de repetições em cada exercício foi contado e ao quantificado para cada volta e exercício. Houve diferença significativa na manutenção do número de repetições e no tempo de execução da volta. Na percepção subjetiva de esforço também houve diferença. Conclui-se, portanto, que há uma intima relação entre PSE e o número de repetições, ao passo que, ambas variáveis foram influenciadas pela carga, cadencia de movimento e tempo de descanso e lactato, sendo assim as repetições foram diminuindo ao decorrer das voltas do circuito.

Referências

-Borg, G. A. Psychophysical bases of perceived exertion. Medicine and Science in Sports and Exercise. Madison. Vol. 14. Num. 5. 1982. p.377-381.

-Castinheiras-Neto, A. G.; Costa-Filho, I. R.; Farinatti, P. T. V. Respostas cardiovasculares ao exercício resistido são afetadas pela carga e intervalos entre séries. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Vol. 95. Num. 4. 2010. p. 493-501.

-Cossenza, C.E. Musculação, métodos e sistemas. 3ª edição. Rio de janeiro. Sprint. 2001.

-Evans, N. Anatomia da Musculação. São Paulo. Manole. 2007.

-Farah, B. Q.; Lima, A. H.; Lins-Filho, O. L.; Souza, D. J.; Silva, G. Q.; Robertson, R. J.; Ritti-Dias, R. M. Effects of rest interval length on rating of perceived exertion during a multiple-set resistance exercise. Perceptual and motor skills. Vol. 115. Num. 1. 2012. p. 273-282.

-Fletcher, G. F.; Balady, G.J.; Amsterdam, E.A.; Chaitman, B.; Eckel, R.; Fleg, J.; Simons-Morton, D.A. Exercise standards for testing and training a statement for healthcare professionals from the American Heart Association. Circulation. Vol. 104. Num. 14. 2001. p. 1694-1740.

-Foster, C. A. R. L. Monitoring training in athletes with reference to overtraining syndrome. Medicine and Science in Sports and Exercise. Vol. 30. 1998. p. 1164-1168.

-Kraemer, W. J.; Bush, J.; Wickham, R.B.; Denegar, C.R.; Gomez, A.L.; Gotshalk, L. A.; Sebastianelli, W.J. Continuous compression as an effective therapeutic intervention in treating eccentric-exercise-induced muscle soreness. Journal of Sport Rehabilitation. Vol. 10 Num. 1. 2001. p. 11-23.

-Kraemer, W. J.; Ratamess, N. A. Fundamentals of resistance training: progression and exercise prescription. Medicine and Science in Sports and Exercise. Vol. 36. Num. 4. 2004. p. 674-688.

-Kuling, K.; Powers, C.M.; Shellock, F.G.; Terk, M. The effect of eccentric velocity on activation of elbow flexors: evaluation by magnetic resonance imaging. Medicine and Science in Sports and Exercise. Vol. 33. 2011. p.196-200.

-Monteiro, E. R.; De Melo, L. B.; Gomes, T.G.; Dias, I. B. F.; Paz, G. A.; Salles, B. F.; Miranda, H. L. Efeito da ordem de execução de séries alternadas por segmento comparadas a séries tradicionais sobre o desempenho de repetições máximas em diferentes segmentos corporais. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 9. Num. 55. 2016. p. 519-525.

-Pardini, R.; Matsudo, S.; Araújo, T.; Matsudo, V.; Andrade, E.; Braggion, G.; Raso, V. Validação do questionário internacional de nível de atividade física (IPAQ-versão 6): estudo piloto em adultos jovens brasileiros. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Vol. 9. Num. 3. 2008. p. 45-52.

-Pedretti, A.; Silva Leite, L. L. F.; Vianna, J. M. Estudo comparativo do número de repetições máximas e da percepção subjetiva de esforço. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 9. Num. 52. 2015. p. 181-188.

-Robertson, R. J.; Goss, F. L.; Rutkowski, J.; Lenz, B.; Dixon, C.; Timmer, J.; Andreacci, J. Concurrent validation of the OMNI perceived exertion scale for resistance exercise. Medicine and Science in Sports and Exercise. Vol. 35. Num. 2. 2003. p. 333-341.

-Silva, M. S.; Silva, T. S.; Mota, M. R.; Damasceno, V. O.; Silva, F. Análise do efeito de diferentes intensidades e intervalos de recuperação na percepção subjetiva de atletas. Motricidade. Vol. 7. Num. 1. 2011. p. 3-12.

-Silva, A.J.; Miranda, H.; Salles, B. F.; Freitas, M. Influência da ordem dos exercícios no desempenho do número de repetições com baixa intensidade de carga em homens destreinados. ConScientiae Saúde. Vol. 14. Num. 1. 2015. p. 63-71.

-Teixeira, C. V. L. S.; Ferreira, S. E.; Gomes, R. J. The influence of subjective intensity control on perceived fatigue and capillary lactate in two types of resistance training. Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano. Vol. 17. Num. 3. 2015. p. 309-317.

-Tibana, R. A.; Cunha Nascimento, D.; Landim, G.; Vanni, O.; Petruchelli, Z.; Aguiar, F.; Balsamo, S. Influência de diferentes intervalos de recuperação sobre o volume total de treino e a percepção subjetiva de esforço em indivíduos treinados. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 4. Num. 19. 2010. p. 4.

-Uchida, M. C.; Charro, M. A.; Bacurau, R. F. P.; Navarro, F.; Pontes, F. L. Manual de musculação: Uma abordagem teórico-prática do treinamento de força. 6ª edição. São Paulo. Phorte. 2009.

Publicado
2020-08-04
Como Citar
Mezavila, S. B., Medeiros Leite, M., & Rabelo Mota, M. (2020). Análise do efeito do treinamento circuit-training sobre a percepção subjetiva de esforço e repetições em homens jovens. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 13(88), 1440-1445. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1946
Seção
Artigos Científicos - Original