Correlação entre a composição corporal e a potência de membros superiores e inferiores em triatletas

  • Felipe das Neves Souza Instituto de Ensino Superior da Grande Florianópolis (IESGF), curso de Educação Física, São José, Santa Catarina, Brasil.
  • Moacir Pereira Junior Bacharel em Educação Física do Instituto de Ensino Superior da Grande Florianópolis-IESGF, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil; Mestre em Ciências do Movimento Humano pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Brasil.
Palavras-chave: Potência, Composição corporal, Esporte, Avaliação, Triatlo

Resumo

O triatlo é uma modalidade esportiva que inclui três provas disputadas sequencialmente, que são, natação, ciclismo e corrida. A performance pode ser influenciada pela capacidade do atleta gerar potência, que é a junção de duas capacidades motoras condicionantes, que são força e velocidade. Por outro lado, a potência pode estar correlacionada com a composição corporal, nesse sentido o objetivo do presente estudo foi correlacionar a composição corporal e a potência de membros superiores e inferiores em triatletas. Participaram do estudo sete triatletas amadores que fizeram os testes de Salto Horizontal e Medicine Ball para potência, e passaram por um teste de avaliação da composição corporal. Os resultados foram forte correlação positiva nas variáveis de peso muscular e perímetro de braço para potência de membros superiores; apresentaram moderada correlação negativa ou positiva para peso ósseo e total, estatura e comprimento de membros superiores para potência membros superiores, e peso de gordura, percentual de gordura, peso total, estatura e perímetro de coxa para potência de membros inferiores; fraca correlação negativa ou positiva para as variáveis de peso muscular e ósseo e comprimento de membros inferiores para potência de membros inferiores, e peso e percentual de gordura para potência de membros superiores. Esse estudo concluiu que apenas as variáveis de peso muscular e comprimento de membro superior, apresentaram forte correlação com o teste de Medicine Ball. Para o teste de Salto Horizontal, não foi encontrada nenhuma correlação forte.

Biografia do Autor

Moacir Pereira Junior, Bacharel em Educação Física do Instituto de Ensino Superior da Grande Florianópolis-IESGF, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil; Mestre em Ciências do Movimento Humano pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Brasil.

Graduado em Educação Física; Especialista em Fisiologia do Exercício; Especialista em Nutrição Esportiva; Especialista em Treinamento Desportivo; Mestre em Ciência do Movimento Humano.

Referências

-American College Sports Medicine. Manual do American College Sports Medicine para Avaliação da Aptidão Física Relacionada à saúde. 3ª edição. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2011.

-Bacheladenski, M.S.; Cassiano, F.; Queiroga, M.C. Estudo correlacional entre medidas antropométricas e altura de impulsão vertical em jogadoras de voleibol infanto-juvenil. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. 2009. Vol. 3. Num. 13. p. 98-104. 2009.

-Barbanti, V.J. Treinamento esportivo as capacidades motoras dos esportistas. Manole. 2010.

-Bompa, T.O.; Haff, G.G. Periodização teoria e metodologia do treinamento. 5ª edição. São Paulo. Phorte. 2012.

-Confederação Brasileira de Triathlon. Origem do Triathlon. Disponível em: url:http://www.cbtri.org.br/triathlon/. Acessado em 27/02/2019.

-Cruz, E.M. Estudo do salto vertical: Uma análise da relação de forças aplicadas Dissertação de Mestrado. Campinas. Universidade Estadual de Campinas. 2003.

-Dancey, C.P.; Reidy, J. Statistics without maths for Psychology: using SPSS for Windows. 3ª ed. London. Prentice Hall. 2005.

-Dantas, E.M.D. A prática da preparação física. 6ª edição. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2014.

-Domingues, L.A.F.; Lopes, C.R.; Evangelista, A.L.; Mota, G.R.; Gomes, W.A.; Marchetti, P.H.; Pelegrinotti, I.L. Efeito do treinamento de força na performance motora de atletas de triathlon ao longo da temporada esportiva. Rev Cen Pesq Avan Qual Vida. Vol 7. Num. 2. p. 1-9. 2015.

-Duncan, M.J.; Woodfield, L.; Al-Nakeeb,Y. Anthropometric and physiological characteristics of junior elite volleyball players. Br J Sports Med. Vol. 40. Num. 7. p. 649-51. 2006.

-Franken, M.; Carpes, F.P.; Castro, F.A.S. Cinemática do nado crawl, características antropométricas e flexibilidade de nadadores universitários. Motriz Rev Ed Fís. Vol. 14. Num. 3. p. 1-8. 2008.

-Guedes, D.P.; Guedes, J.E.R.P. Manual prático para avaliação em Educação Física. São Paulo. Manole. 2006.

-Jackson, A.S.; Pollock, M.L. Generalized equations for predicting body density of men. Br J nutr. Vol. 40. Num. 3. p. 497-504. 1978.

-Jurimae, J.; Haljaste, K.; Cicchella, A.; Latt, E.; Purge, P.; Leppik, A.; Jurimae, T. Analysis of swimming performance from physical, physiological, and biomechanical parameters in young swimmers. Pediatr Exerc Sci. Vol. 19. Num. 1. p. 70-81. 2007.

-Knechtcle, B.; Duff, B.; Welzel, U.; Kohler, J. Body mass and circumference of upper arm are associated with race performance in ultraendurance runners in a multistage race-the Isarrun 2006. Res Q Exerc Sport. Vol. 80. Num. 2. p. 262-8. 2009.

-Knechtcle, B.; Wirth, A.; Baumann, B.; Knechtcle, P.; Rosemann, T. Personal best time, percent body fat, and training are differently associated with race time for male and female ironman triathletes. Res Q Exerc Sport. Vol. 81. Num. 1. p. 62-8. 2010.

-Knechtcle, B.; Knechtcle, P.; Rosemann, T.; Senn, O. Personal best time and training volume, not anthropometry, is related to race performance in the 'Swiss Bike Masters' mountain bike ultramarathon. J Strenght cond Res. Vol. 25. Num. 5. p. 1312-7. 2011.

-Landers, G.; Blanksby, B.; Ackland, T. Morphology and performance of world championship triathletes. Ann Hum Biol. Vol. 27. Num. 4. p. 387-400. 2000.

-Latt, E.; Jurimae, J.; Maestu, J.; Purge, P.; Ramson, R.; Haljaste, K.; Keskinen, K.L.; Rodriguez, F.A.; Jurimae, T. Physiological, Biomechanical and Anthropometrical Predictors of Sprint Swimming Performance in Adolescent Swimmers. J Sports Sci Med. Vol. 9. Num. 3. p. 398-404. 2010.

-Machado, A.F.; Abad, C.C.C. Manual de avaliação física. 3ª edição. Brasília. Ícone. 2016.

-Matilla, V.M.; Tallroth, K.; Marttinen, M.; Pihlajamaki, H. Physical fitness and performance. Body composition by DEXA and its association with physical fitness in 140 conscripts. Med Sci Sports Exerc. Vol. 39. Num. 12. p. 2242-7. 2007.

-Nasirzade, A.; Ehsanbakhsh, A.; Ilbeygi, S.; Sobhkhiz, A.; Argavani, H.; Aliakbari, M. Relationship between sprint performance of front crawl swimming and muscle fascicle length in young swimmers. J Sports Medicine. Vol. 12. Num. 3. p. 550-6. 2014.

-Nasirzade, A.; Sadeghi, H.; Sobhkhiz, A.; Mohhamadian, K.; Nikouei, A.; Baghaiyan, M.; Fattahi, A. Multivariate analysis of 200-m front crawl swimming performance in young male swimmers. Acta Bioeng Biomech. Vol. 17. Num. 3. p. 137-43. 2015.

-Okano, A.; Cyrino, E.S.; Nakamura, F.Y.; Guariglia, D.A. Alterações na força e área muscular do braço induzidas por 24 semanas de treinamento com pesos. Rev Bras Cinean e Desem Hum. Vol. 10. Num. 4. p. 379-85. 2008.

-Panton, C.D.; Hopkins, W.G. Combining explosive and high-resistence training improves performance in competitive cyclists. J Strenghh Cond Res. Vol. 19. Num. 4. p. 826-30. 2005.

-Pereira Junior, M. Avaliação e prescrição do treinamento de força e de resistência: uma visão prática. São José-SC: Editora Despertando Talentos. 2019.

-Puleo, J.; Milroy, P. Anatomia da corrida. Manole. 2011.

-Piucco, T.; Santos, S.G. Relação entre percentual de gordura corporal, desempenho no salto vertical e impacto em membros inferiores em atletas de voleibol. Fit Perf J. Vol. 8. Num. 1. p. 9-15. 2009.

-Silva, J.A.; Costa, A.M.; Oliveira, P.M.; Reis, V.M.; Saavedra, J.; Pearl, J. Rouboa, A.; Marinho, D.A. The Use of Neural Network Technology to Model Swimming Performance. J Sports Sci Med. Vol. 6. Num. 1. p. 117-25. 2007.

-Silva, R.B.; Boura, N.G.M.V. Perfil antropométrico de uma equipe de natação de Cuiabá-MT. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 5. Num. 28. p. 322-27. 2011.

Publicado
2021-02-24
Como Citar
Souza, F. das N., & Pereira Junior, M. (2021). Correlação entre a composição corporal e a potência de membros superiores e inferiores em triatletas. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 14(89), 131-138. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2001
Seção
Artigos Científicos - Original