Influência de diferentes volumes do método de alongamento facilitação neuromuscular proprioceptiva de antagonistas no desempenho de repetições máximas dos agonistas

  • Fabio Henrique de Freitas Pós-graduação Lato Sensu em Musculação e Treinamento de Força, Universidade Federal do Rio de Janeiro-RJ, Brasil; Laboratório de Desempenho, Treinamento e Exercício Físico-LADTEF, Universidade Federal do Rio de Janeiro-RJ, Brasil; Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola de Educação Física e Desportos, Rio de Janeiro, Brasil.
  • Carlos Alberto Carelli Junior Pós-graduação Lato Sensu em Musculação e Treinamento de Força, Universidade Federal do Rio de Janeiro-RJ, Brasil; Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola de Educação Física e Desportos, Rio de Janeiro, Brasil.
  • Renato de Moraes Santos Fernandes Pós-graduação Lato Sensu em Musculação e Treinamento de Força, Universidade Federal do Rio de Janeiro-RJ, Brasil; Laboratório de Desempenho, Treinamento e Exercício Físico-LADTEF, Universidade Federal do Rio de Janeiro-RJ, Brasil; Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola de Educação Física e Desportos, Rio de Janeiro, Brasil.
  • Victor Corrêa Neto Pós-graduação Lato Sensu em Musculação e Treinamento de Força, Universidade Federal do Rio de Janeiro-RJ, Brasil; Laboratório de Desempenho, Treinamento e Exercício Físico-LADTEF, Universidade Federal do Rio de Janeiro-RJ, Brasil; Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola de Educação Física e Desportos, Rio de Janeiro, Brasil.
  • Humberto Lameira Miranda Pós-graduação Lato Sensu em Musculação e Treinamento de Força, Universidade Federal do Rio de Janeiro-RJ, Brasil; Laboratório de Desempenho, Treinamento e Exercício Físico-LADTEF, Universidade Federal do Rio de Janeiro-RJ, Brasil; Universidade Federal do Rio de Janeiro, Escola de Educação Física e Desportos, Rio de Janeiro, Brasil.
Palavras-chave: Alongamento, Força muscular, Desempenho físico funcional, Exercício

Resumo

Introdução: Estudos prévios evidenciam que o alongamento promove efeitos deletérios no desempenho da força, potência e performance atlética. Entretanto, os potenciais efeitos do alongamento de antagonistas no desempenho de repetições máximas dos agonistas, permanecem não esclarecidos. Objetivo: Verificar o efeito agudo do método de alongamento FNP de Isquiotibiais, com diferentes volumes e números de séries, no desempenho de repetições máximas no exercício cadeira extensora. Materiais e Métodos: 13 homens (33 ± 4,51 anos) treinados participaram de forma voluntária do estudo. Inicialmente, foi realizado o teste e reteste de dez repetições máximas, medidas antropométricas e protocolo de familiarização. Em seguida, foram aplicados três protocolos experimentais: (a) Protocolo controle (PCON) – sem alongamento prévio; (b) Protocolo FNP com volume reduzido (PFNP1) – Método FNP aplicado nos antagonistas; (c) Protocolo FNP com volume ampliado (PFNP2) – Método FNP aplicado nos antagonistas. Em todos os protocolos, foi realizada uma série do exercício cadeira extensora até a falha concêntrica, com cargas para dez repetições máximas. Resultados: O número de repetições máximas não teve diferenças significativas entre os protocolos quer seja o controle, quer seja os experimentais. Conclusão: A utilização do método de alongamento FNP, independente do volume, nos músculos antagonistas não teve efeitos significativos no desempenho de repetições máximas no exercício cadeira extensora, se comparado ao protocolo sem alongamento.

Referências

-American College of Sports Medicine. Quantity and quality of exercise for developing and maintaining cardiorespiratory, musculoskeletal and neuromotor fitness in apparently healthy adults: guidance for prescribing exercise. Medicine and Science in Sports and Exercise. Vol. 43. Num. 7. 2011. p. 1334-1359.

-Baechle, T. R.; Earle, R.W. Essential of strength and conditioning. Illinois. Champaign, Illinois. 2000.

-Bazzucchi, I.; Sbriccoli, P.; Marzattinocci, G. Coactivation of the elbow antagonist muscles is not affected by the speed of movement in isokinetic exercise. Muscle Nerve. Vol. 33. Num. 2. 2006. p. 191-199.

-Behm, D. G.; Chaouachi, A. A review of the acute effects of static and dynamic stretching on performance. European Journal of Applied Physiology. Vol. 111. Num. 11. 2011. p. 2633-2651.

-Busse, M. E.; Wiles, C. M.; Van, D. R.W.M. Co-activation: its association with weakness and specific neurological pathology. Journal of NeuroEngineering and Rehabilitation. Vol. 3. Num. 26. 2006.

-Conselho Nacional de Saúde Resolução nº 466/2012 Sobre respeito pela dignidade humana e pela especial proteção de vida aos participantes de pesquisas científicas envolvendo seres humanos. Brasília. Ministério da Saúde. 2012.

-Costa, B. P.; Ryan, D. E.; Herda, J. T.; Walter, A. A.; Defreitas, M. J.; Stout, R. J.; Cramer, T. J. Acute effects of static stretching on peak torque and the hamstrings-to-quadriceps conventional and functional ratios. Scandinavian Journal of Medicine and Science in Sports. Vol. 23. Num. 1. 2013. p. 38-45.

-Cramer, T. J.; Housh, J. T.; Johnson, O. G.; Miller, M. J.; Coburn, W. J.; Beck, W. T. Acute Effects of Static Stretching on Peak Torque in Women. Journal of Strenght and Conditioning Research. Vol. 18. Num. 2. 2004. p. 236-241.

-Folland, J. P.; Williams, A. G. The adaptations to strength training: Morphological and neurological contributions to increased strength. Sports Medicine. Vol. 37. Num. 2. 2007. p. 145-168.

-Franco, L. B.; Signorelli, R. G.; Trajano, S. G.; Oliveira, G. DE C. Acute Effects of Different Stretching Exercises on Muscular Endurance. Journal of Strength and Condition Research. Vol. 22. Num. 6. 2008. p. 1832-1837.

-Gomes, F. D. D.; Vieira, W.; Souza, L. M.; Paz, G. A.; Lima, V. P. Desempenho de repetições máximas após facilitação neuromuscular proprioceptiva aplicada nos músculos agonistas e antagonistas. Conscientiae saúde. Vol. 13. Num. 2. 2014. p. 252-258.

-Guissard, N.; Jacques, D. Effects of Static Stretch Training on Neural and Mechanical Properties of The Human Plantar-Flexor Muscles. Muscle Nerve. Vol. 29. Num. 2. 2004. p. 248-255.

-Higginson, J. S.; Zajac, F. E.; Neptune, R. R.; Kautz, S. A.; Delp, S. L. Muscle contributions to support during gait in an individual with post-stroke hemiparesis. Journal of Biomechanics. Vol. 39. Num. 10. 2006. p. 1769-1777.

-Miranda, H.; Paz, G. A.; Antunes, H.; Maia, M.; Novaes, J. Efeito agudo do alongamento estático nos antagonistas sobre o teste de repetições máximas para os músculos agonistas. Revista Brasileira de ciência e movimento. Vol. 22. Num. 2. 2014. p. 19-26.

-Paz, G. A.; Leite, T. M. M. F.; Lima, A. F.; Coelho, P. P.; Simão, R.; Miranda, H. Influência do intervalo de recuperação entre alongamento e treinamento de força. Conscientiae Saúde. Vol. 12. Num. 3. 2013. p. 43-51.

-Paz, G. A.; Maia, M. F.; Lima, V. P.; Oliveira, C. G.; Bezerra, E.; Simão, R.; Miranda, H. Maximal exercise performance and eletromiography responses after antagonist neuromuscular proprioceptive facilitation: a pilot study. Journal of Exercise Physiology. Vol. 8. Num. 1. 2012. p. 11-25.

-Paz, G. A.; Maia, M. F.; Santiago, F. L. S.; Lima, V. P.; Miranda, H. Efeito da facilitação neuromuscular proprioceptiva e pré-ativação dinâmica dos antagonistas sobre a força isométrica máxima e sinal eletromiográfico. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Vol. 21. Num. 2. 2013. p. 71-81.

-Paz, G. A.; Willardson, J. M.; Simão, R.; Miranda, H. Effects of different antagonist protocols on repetition performance and muscle activation. Medicina Sportiva. Vol. 17. Num. 3. 2013. p. 106-112.

-Paz, G. A.; Maia, M.; Whinchester, J.; Miranda, H. Strenght performance parameters and muscle activation adopting two antagonist stretching methods before and between sets. Science & Sport. Vol. 31. Num. 6. 2016. p. 173-180.

-Robbins, D. W.; Young, W. B.; Behm, D. G.; Payne, W. R. Agonist-antagonist paired set resistance training: a brief review. Journal of Strenght and Conditioning Research. Vol. 24. Num. 10. 2010. p. 2873-2882.

-Sandberg, J. B.; Wagner, D. R.; Willardson, J. M.; Smith, G. A. Acute effects of antagonist a stretching on jump height, torque and electromyography of agonist musculature. Journal of Strenght and Conditioning Research. Vol. 26. Num. 5. 2012. p. 1249-1256.

-Sharman, J. M.; Cresswell, G. A.; Riek, S. Proprioceptive Neuromuscular Facilitation Stretching: Mechanisms and Clinical Implications. Sports Medicine. Vol. 36. Num. 11. 2006. p. 929-939.

-Shuback, B.; Hooper, J.; Salisbury, L. A comparasion of a self-stretch incorporating proprioceptive neuromuscular facilitation componentes and a therapist-applied PNF-technique on hamstring flexibility. Physioterapy. Vol. 90. Num. 3. 2004. p. 151-157.

-Simic, L.; Sarabon, N. M. G. Does pre-exercise static stretching inhibit maximal muscular performance? A meta-analytical review. Scandinavian Journal of Medicine and Science in Sports. Vol. 23. Num. 2. 2013. p. 131-148.

-World Medical Association. Declaration of Helsinki. Ethical principles for medical research involving human subjects. 2009.

Publicado
2021-10-10
Como Citar
Freitas, F. H. de, Carelli Junior, C. A., Fernandes, R. de M. S., Corrêa Neto, V., & Miranda, H. L. (2021). Influência de diferentes volumes do método de alongamento facilitação neuromuscular proprioceptiva de antagonistas no desempenho de repetições máximas dos agonistas. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 14(92), 588-596. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2100
Seção
Artigos Científicos - Original