Crossfit® x musculação: avaliação da funcionalidade em adultos acima de 40 anos

  • Antônia Beatriz de Sousa Gomes Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza, Ceará, Brasil.
  • Thiago Medeiros da Costa Daniele Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza, Ceará, Brasil; Grupo de estudo em Psicofisiologia do Exercício Físico, Brasil; Centro Universitário Fanor|Wyden, Fortaleza, Ceará, Brasil.
  • Diane Nocrato Esmeraldo Rebouças Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza, Ceará, Brasil.
  • Caio Vieira Nunes Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza, Ceará, Brasil; Grupo de estudo em Psicofisiologia do Exercício Físico, Brasil.
  • Rosane Andrade de Almeida Centro Universitário Fanor|Wyden, Fortaleza, Ceará, Brasil.
Palavras-chave: Treinamento intervalado de alta intensidade, Musculação, Aptidão física, Saúde

Resumo

A prática de exercícios físicos é considerada indispensável para melhorar a saúde e a qualidade de vida, tendo grande importância para a funcionalidade do corpo em tarefas diárias e para a prevenção de doenças metabólicas e osteomusculares. O objetivo do presente estudo foi analisar os níveis de aptidão física de adultos, acima dos 40 anos, e suas correlações com o treinamento de CrossFit® ou de musculação tradicional. Participaram do estudo 30 voluntários, sendo 15 praticantes de CrossFit® e 15 de musculação. Utilizou-se uma bateria de testes de Fullerton, do protocolo de Rikli e Jones. Os testes consistem em: Levantar e sentar; flexão de cotovelo; sentar e alcançar; IMC; sentar, caminhar e sentar novamente; alcançar atrás das costas; caminhar durante 6 minutos. No teste de mobilidade, foi constatado que 23(76,7%), dos 30 participantes, demonstraram um nível adequado. Na avaliação de flexibilidade, 28(93,3%) apresentaram resultados satisfatórios. Também foi observada uma relação positiva entre o teste de caminhada e o teste de sentar e levantar. Não houve diferença considerável entre os praticantes das modalidades em questão. Com a presente pesquisa, conclui-se que tanto o CrossFit® quanto a musculação proporcionam resultados positivos em relação à capacidade física dos praticantes com idade mais avançada. Dessa forma, ambas as atividades podem ser consideradas válidas para melhoria da funcionalidade do corpo na vida diária desse público, contribuindo, também, para a manutenção da saúde.

Referências

-Azevedo Filho, E.R.; Chariglione, I.P.F.S.; Silva, J.T.C.; Vale, A.M.S.; Araújo, E.K.H.S.; Santos, M.F.R. Percepção dos idosos quanto aos benefícios da prática da atividade física: um estudo nos Pontos de Encontro Comunitário do Distrito Federal. Rev. Bras. Ciênc. Esporte. Vol. 41. Num.2. p.142-149. 2019.

-Batista, A.C. Self-rated health and functional capacity of physically active elderly people. Dissertação de Mestrado. PUC-SP. São Paulo. 2012.

-Ferreira Filho, F.E.S. Percepção do bem-estar e da qualidade de vida em acadêmicos do curso de Educação Física. Cinergis. Vol.17. Num.1. p.56-60. 2016.

-Fleck, S; Kraemer, W. Fundamentos do treinamento de força muscular: 4ª edição. Rio Grande do Sul. Artmed. 2017.

-Franchi, K.M.B.; Montenegro Jr, R.M. Atividade física: Uma necessidade para a boa saúde na terceira idade. Revista Brasileira em Promoção da Saúde. Vol.18. Num.3. p.152-156. 2005.

-Oliveira, D.R.; Mesquita, M.L.C.; Azevedo, N.A.; Rocha, A.W.O. Musculação e HIIT: uma proposta válida no tratamento da obesidade. Lecturas: Educación Física y Deportes. Vol. 23, Num. 241. 2018.

-Pedrazzi, E.C.; Rodrigues, R.A.; Schiaveto, F.V. Morbidade referida e capacidade funcional de idosos. 2007. Disponível em <http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude> Acesso em 23 out. 2018.

-Quintero, L.M.; Moore, J.W.; Yeager, M.G.; Rowsey, K.; Olmi, D.J.; Britton-Slater, J.; Harper, M.L.; Zezenski, L.E. Reducing risk of head injury in youth soccer: An extension of behavioral skills training for heading. Journal of Applied Behavior Analysis. Vol.53. Num.1. p.237-248. 2019. doi: 10.1002/jaba.557.

-Rikli, R.E.; Jones, C.J. Development and Validation of a Functional Fitness Test for Community-Residing Older Adults. Journal of Aging and Physical Activity. Vol. 7. Num. 2. p.129-161. 1999.

-Silva, B.V.; Simim, M.A.; Júnior, M.F.; Melo, E.S.; Ide, B.N.; Mota, G.R. Os benefícios do levantamento de peso olímpico. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol.11. Num. 66. p.377-385. 2017.

-Silva, N.S.L.; Venturini, G.R.O.; Damasceno, J.; Farinatti, P.T.V. Influência do treinamento resistido sobre a aptidão cardiorrespiratória em idosos. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol.10. Num.60. p.486-496. 2016.

-Silva, S.G.; Lopes, D.T.; Rabay A.A.N.; Santos, R.M.L.; Moura, S.K.M.S.F. Os benefícios da atividade física para pessoas com autismo. Revista Diálogos em Saúde. Vol.1. Num.1. p.127-145. 2018.

-Storey, A.; Smith, H. K. Aspectos únicos do levantamento de peso olímpico. Med. Vol.42. Núm.9. p.769-790. 2012.

-Tricolli, V.; Lamas, L; Carnevale, R.; Ugrinowitsch, C. Short-term effects on lower-bodyfunctional power development: weightlifting vs. Vertical jump training programs. Journal of Strength and Conditining Research. Vol.19. Num.2. p. 433-7. 2005.

-Tully, M.A.; Cunningham, C.; Wright, A.; McMullan, I.; Doherty, J.; Collins, D.; Tudor-Locke, C.; Morgan, J.; Phair, G.; Laventure, B.; Simpson, E.E.A.; McDonough, S.M.; Gardner, E.; Knee, F.; Murphy, M.H.; Agus, A.; Hunter, R.F.; Hardeman, W.; Cupples, M.E. Peer-led walking program to increase physical activity in inactive 60- to 70-year-olds: Walk with me pilot RCT. Public Health Research. Vol.7 Num.10. 2019. doi: 10.3310/phr07100.

Publicado
2021-10-10
Como Citar
Gomes, A. B. de S., Daniele, T. M. da C., Rebouças, D. N. E., Nunes, C. V., & Almeida, R. A. de. (2021). Crossfit® x musculação: avaliação da funcionalidade em adultos acima de 40 anos. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 14(92), 602-610. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2117
Seção
Artigos Científicos - Original