Análise da agilidade e força em atletas de futebol sete society

  • Bruno Coelho de Souza dos Santos Universidade da Região de Joinville-UNIVILLE, Joinville, Santa Catarina, Brasil.
  • Luis Fernando da Rosa Universidade da Região de Joinville-UNIVILLE, Joinville, Santa Catarina, Brasil.
  • Vitor Flenik Guimarães Universidade da Região de Joinville-UNIVILLE, Joinville, Santa Catarina, Brasil.
Palavras-chave: Treinamento de força, Força muscular, Força máxima, Força explosiva, Agilidade

Resumo

O presente estudo teve como objetivo principal averiguar a importância do treinamento de força para aumento de impulsão e agilidade de membros inferiores em atletas de futebol sete Society. A amostra foi composta por 11 membros, praticantes da modalidade de Futebol Sete Society entre 18 a 35 anos. Os protocolos utilizados foram dados atrav´és dos testes de 1RM segundo Uchida e colaboradores, (2004), impulsão vertical de Guedes (2006) e teste do quadrado proposto por Proesp (2019). O comparativo das amostras se deu pelo Teste t de Student, bem como a correlação de Pearson, adotando nível de significância p<0,05. Os principais resultados apresentaram uma melhora significativa em ambas as valências (força, explosão e agilidade) quando analisadas em médias gerais, a agilidade obteve um destaque, pois foi a valência que todos os atletas obtiveram melhoras após as oito semanas de treinamento. De uma maneira geral, podemos afirmar que um programa de treinamento de força pode agregar no ganho de potência e agilidade, entretanto as correlações encontradas nesse estudo mostraram relação parcial, e não totalmente direta, entre essas valências.

Referências

-Aimi, G. A organização do futebol sete no Rio Grande do Sul: vestígios históricos (1987-2013). TCC. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. 2013.

-ACSM. American College of Sports Medicine. High-Velocity Training. 2019. Disponível em: www.acsm.org. Acesso em: 09/2019.

-ACSM. American College of Sports Medicine. Progression Models in Resistance Training for Healthy Adults. Medicine. and Science in Sports and Exercise. Vol. 34. Núm. 2. p.364-380. 2002.

-Barbanti, V. J. Treinamento físico: bases científicas. 3ª edição. São Paulo. CLR Balieiro. 1996. p. 116.

-Barbanti, V.J. Esporte e atividade física: interação entre rendimento e qualidade de vida. São Paulo. Manole. 2002.

-Bogdanis, G.C.; Papaspyrou, A.; Souglis, A.G.; Souglis, A.; Theos, A.; Sotiropoulos, A.; Maridaki, M. Effects of two diferente half-squat training programs on fatigue during repeated cycling sprint in soccer players. J Strength Cond Res. Vol. 25. Num 7. 2011. 1849-56.

-Bompa, T. O. Treinamento Total para Jovens Campeões. São Paulo. Manole. 2002.

-Braga, M. L. P. Análise do Rendimento de Jogadores de futebol de diferentes categorias, posições e países em um teste máximo de corrida em trinta metros e impulsão vertical. TCC. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte. 2005.

-Campeiz, J. M.; Oliveira, P. R. Análise comparativa de variáveis antropométricas e anaeróbias de futebolistas profissionais, juniores e juvenis. Revista Movimento & Percepção. Vol. 6. Num. 8. 2006.

-CBF7. Confederação Brasileira de Futebol 7. Futebol 7. 2010. Disponível em: < http://www.cbf7.com.br/origem.asp?id=3>. Acesso: 24/06/2019.

-Chamari, K.; Hachana, Y.; Ahmed, Y. B.; Galy, O.; Sghaier, F.; Chatard, J.C.; Hue, O.; Wisloff, U. Field and laboratory testing in young elite soccer players. Br. J. Sports Med. Vol. 38. Num 2. 2004. 191-6.

-Dancey, C.; Reidy, J. Estatística Sem Matemática para Psicologia: Usando SPSS para Windows. Porto Alegre. Artmed. 2006.

-Fleck, S.; Kraemer, W. Fundamentos do Treinamento de força muscular. 4ª edição. São Paulo. ArtMed. 2017.

-Guedes, D. P.; Guedes, E. R. P. Manual prático para avaliação em Educação Física. Barueri. Manole. 2006.

-Júnior, D. B. D. S. Universidade do futebol, 2012. Disponivel em: <https://universidadedofutebol.com.br/treinamento-de-forca-no-futebol-mais-do-que-uma-realidade-uma-necessidade/>. Acesso em: 28/03/2019.

-Maior, A. S.; Alvêz, A. A contribuição dos fatores neurais em fases iniciais do treinamento de força muscular: uma revisão bibliográfica. Vol. 9. Num. 3. 2003. p.161-68.

-Oliveira, M. C. Influência do ritmo na agilidade em futebol. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de São Paulo. São Paulo. 2000.

-PROESP. Projeto Esporte Brasil. 2019 Disponivel em: <https://www.ufrgs.br/proesp/bat-teste-agilidade.php>. Acesso em: 10/04/2019.

-Romano, J.C. Controle dos níveis de força explosiva nos treinamentos de futsal. 2001 Disponível em < http://www.futsalbrasil.com.br>. Acesso em: 28/04/2019.

-Sargentim, S. Treinamento de Força no Futebol. São Paulo. Phorte. 2010.

-Sargentim, S.; Passos, T. F. A. Treinamento Funcional e Futebol: São Paulo. Phorte. 2012.

-Uchida, M.C.; Charro, M. A.; Bacurau. R. F.; Navarro, F.; Júnior, F. L. P. 2ª edição. São Paulo. Phorte. 2004. p. 36-37.

-Vescovi, D.; Michael, M. Relationships between sprinting, agility, and jump ability in female athletes. Journal of Sports Sciences. Vol. 26. Num. 1. 2008. 97-107.

-Wisloff, U.; e colaboradores. Strong correlation of maximal squat strength with sprint performance and vertical jump height in elite soccer players. Br J Sports Med. Vol. 28. Num. 1. 2004. 191-196.

Publicado
2021-10-10
Como Citar
Santos, B. C. de S. dos, Rosa, L. F. da, & Guimarães, V. F. (2021). Análise da agilidade e força em atletas de futebol sete society. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 14(92), 657-664. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2141
Seção
Artigos Científicos - Original