Prevalência de dor no ombro em atletas de natação

  • Ingrid da Costa Lima Bacharel em Educação Física na Universidade Castelo Branco-UCB, Rio de Janeiro-RJ, Brasil.
  • Pedro Estevam Batista Filho Bacharel em Educação Física na Universidade Castelo Branco-UCB, Rio de Janeiro-RJ, Brasil.
  • Moisés Augusto de Oliveira Borges Laboratório de Avaliação e Saúde, UFRRJ, Rio de Janeiro-RJ, Brasil; Grupo de Pesquisa em Biodinâmica do Exercício, Saúde e Performance, Rio de Janeiro-RJ, Brasil.
  • Bruno Lucas Pinheiro Lima Grupo de Pesquisa em Biodinâmica do Exercício, Saúde e Performance, Rio de Janeiro-RJ, Brasil.
  • Vicente Pinheiro Lima Grupo de Pesquisa em Biodinâmica do Exercício, Saúde e Performance, Rio de Janeiro-RJ, Brasil.
Palavras-chave: Inflamação, Natação, Ombro, Atividade Aquática, Lesão

Resumo

Introdução: O alto volume de treino e movimentos em amplitudes extremas na natação geram um alto estresse sobre as estruturas articulares e musculoesqueléticas do atleta, sendo comum as queixas de dores articulares em atletas de natação. Objetivo: Identificar a prevalência de dor no ombro em nadadores federados do estado do Rio de Janeiro na categoria master. Materiais e métodos: 61 atletas masculinos da categoria master, com faixa etária de 51,26 ±15,99 anos, participaram deste estudo. Estes competidores de natação federados por clubes participaram da II Etapa do Circuito Estadual Master de Natação, promovido pela FARJ em 2019. A coleta de dados foi realizada a partir da aplicação do questionário McGill reduzido e da EVA (Escala Visual Analógica). Resultados: A prevalência de dor foi de 73,8%. Na dimensão sensorial, o descritor cólico obteve a menor média (0,08) e o descritor dolorida apresentou a maior (0,74). Na dimensão afetiva, o descritor amedrontado obteve a menor média (0,13), e o descritor cansativo/exaustiva a maior média (0,38). A média da EVA (1,94 ±2,13) sugere que os níveis de dor foram baixos. Conclusão: Embora a alta prevalência de dor identificada, os atletas participantes deste estudo apresentaram baixo nível de dor no ombro.

Referências

-Allegrucci, M.; Whitney, S.L.; Irrgang, J.J. Clinical implications of secondary impingement of the shoulder in freestyle swimmers. J Orthop Sports Phys Ther. Vol. 20. Núm. 6. 1994. p. 307-318.

-Blanch, P. Conservative management of shoulder pain in swimming. Phys Ther Sport. Vol. 5. Núm. 3. 2004. p. 109-124.

-Brasil. Ministério da Saúde. Resolução 466/2012. Diretrizes e normas regulamentadoras que envolvem seres humanos (989). 2012.

-Bruce, J.; Poobalan, A.; Smith, W.C.; Chambers, A. Quantitative assessment of chronic postsurgical pain using the McGill Pain Questionnaire. The Clinical Journal of Pain. Vol. 20. Núm. 2. 2004. p. 70-75.

-Budó, M.L.D.; Nicolini, D.; Resta, D.G.; Büttenbender, E.; Pippi, M.C.; Ressel, L.B. A cultura permeando os sentimentos e as reações frente á dor. Rev Esc Enfer USP. Vol. 41. Núm. 1. 2007. p. 36-43.

-Cangusso, D.F.R.; Rodrigues, D.C.M.; Reis, D.; Venturini, C. Estudo da associação entre dor e desempenho funcional do membro superior de jogadores de vôlei. Rev Bras Ci e Mov. Vol. 15. Núm. 4. 2007. p. 15-20.

-Cohen, M.; Abdalla, R.; Ejnisman, B.; Schubert, S.; Lopes, A.D.; Mano, K.S. Incidência de dor no ombro em nadadores brasileiros de elite. Rev Bras Ortop. Vol. 33. Núm. 12. 1998. p. 930-932.

-Cunha, G.M.; Marchiori, E.; Ribeiro, E.J. Avaliação ulta-sonográfica da articulação do

ombro em nadadores de nível competitivo. Radiol Bras. Vol. 40. Núm. 6. 2007. p. 403–408.

-Diniz, M.F.; Vasconcelos, T.B.; Arcanjo, G.N. Análise da incidência de lesões na articulação do ombro em atletas de natação. Rev Fisioter S Fun. Vol. 4. Núm. 1. 2015. p. 15-22.

-Ejnisman, B.; Andreoli, C.; Carrera, E.; Abdalla, R.; Cohen, M. Lesões músculo-esqueléticas no ombro do atleta: mecanismo de lesão, diagnóstico e retorno à prática esportiva. Rev Bras Ortop. Vol. 36. Núm. 10. 2001. p. 389-393.

-Hawkins, R.J.; Misamore, G.W. Shoulder injuries in the athlete, 1st ed. Churchill Livingstone. 1996. p. 417-427.

-Kaasa, S.; e colaboradores. Expert conference on cancer pain assessment and classification--the need for international consensus: working proposals on international standards. BMJ Supportive & Palliative Care. Vol. 1. 2011. p. 281-287.

-Langley, G.B.; Sheppeard, H. The visual analogue scale. Its use in pain measurement. Rheumatology International. Vol. 5. 1985. p. 145-148.

-Medeiros, C. Lesão e dor no atleta de alto rendimento: o desafio do trabalho da psicologia do esporte. Psic Rev. Vol. 25. Núm. 2. 2016. p. 355-370.

-Meliscki, G.A.; Monteiro, L.Z.; Furumoto, M.A.; Lopes, G.H.R.; Carneseca, E.C.; Vasconcelos, E.E. Alterations in strength of the shoulder rotators in young elite swimmers. Fisio em Mov. Vol. 30. Núm. 1. 2017. p. 1-18.

-Meliscki, G.A.; Monteiro, L.Z.; Giglio, C.A. Avaliação postural de nadadores e sua relação com o tipo de respiração. Fisio em Mov. Vol. 24. Núm. 4. 2011. p. 721-728.

-Mello, D.N.; Silva, A.S.; José, F. R. Lesões Musculoesqueléticas em Atletas Competidores da Natação. Fisio em Mov. Vol. 20. Núm. 1. 2007. p. 123-127.

-Melzack, R. The short-form McGill pain questionnaire. Pain [Internet]. Ovid Technologies (Wolters Kluwer Health). Vol. 30. Núm. 2. 1987. p. 191-197.

-Pimenta, C.A.M.; Teixeira, M.J. Questionário de dor McGill: proposta de adaptação para a língua portuguesa. Revista da Associação Médica Brasileira. Vol. 30. Núm. 3. 1996.

-Rocha, A.P.C.; e colaboradores. Dor: aspectos atuais da sensibilização periférica e central. Rev Bras de Anestes. Vol. 57. Núm. 1. 2007. p. 94-105.

-Santos, C.C.; Pereira, L.S.M.; Resende, M.A.; Magno, F.; Aguiar, V. Aplicação da versão brasileira do questionário de dor Mc Gill em idosos com dor crônica. Acta Fisiátrica. Vol. 13. Núm. 2. 2006. p. 75-82.

-Schwartzmann, N.S.; Santos, F.C.; Bernardinelli, E. Dor no ombro em nadadores de alto rendimento: Possíveis intervenções fisioterapêuticas preventivas. Rev Ciênc Méd. Vol. 14. Núm. 2. 2005. p. 199-212.

-Scott, J.; Huskisson, E. Vertical or horizontal visual analogue scales. Annals of the Rheumatic Diseases. Vol. 38. Núm. 6. 1979. p. 560-560.

-Sein, M.L.; e colaboradores. Shoulder pain in elite swimmers: primarily due to swim-volume-induced supraspinatus tendinopathy. Br J Sports Med. Vol. 2. Núm. 44. 2010. p. 105-113.

-Souza, K.M.; Borges, M.A.O.; Lima, B.L.P.; Lima, V.P. Percepção de dor em pilotos de motocross amadores. Revista Brasileira de Prescição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 13. Núm. 85. 2019. p. 861-865.

-Venâncio, B.O.; Tacani, P.M.; Deliberato. P.C. Prevalência de Dor nos Nadadores de São Caetano do Sul. Rev. Bras. Med. Esporte. Vol. 18. Núm. 6. 2012. p. 394-399.

-Vieira, S. Introdução a biostatística. 5ª edição. Elsevier. 2016. 264p.

-Walker, H.; Gabbe, B.; Wajswelner, H.; Blanch, P.; Bennell, K. Shoulder pain in swimmers: A 12-month prospective cohort study of incidence and risk factors. Phys Ther Sport. Vol. 13. Núm. 4. 2012. p. 1-7.

-Weldon, III, E.J.; Richardson, A.B. Upper extremity overuse injuries in swimming. Clin Sport Med. Vol. 20. Núm. 3. 2001. p. 423-238.

Publicado
2021-10-10
Como Citar
Lima, I. da C., Batista Filho, P. E., Borges, M. A. de O., Lima, B. L. P., & Lima, V. P. (2021). Prevalência de dor no ombro em atletas de natação. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 14(93), 752-757. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2198
Seção
Artigos Científicos - Original