Comparação da aptidão física entre escolares da rede pública e privada de Porto Alegre-RS

  • Priscila Antunes Marques Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre-RS, Brasil.
  • Juliana Oliveira da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre-RS, Brasil.
  • Carlos Filipe Britzz Dias Soares Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre-RS, Brasil.
  • João Vitor Reis Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre-RS, Brasil.
  • Sandro Estácio Paulo Moreira Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre-RS, Brasil.
  • Gabriel Alves Aimi Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre-RS, Brasil.
  • Rogerio da Cunha Voser Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre-RS, Brasil.
Palavras-chave: Aptidão Física, Saúde, Adolescentes

Resumo

A realidade dos escolares atualmente é preocupante, o aumento do sedentarismo e da inatividade física tornou-se problema de saúde pública. Esse quadro tem contribuído para o desenvolvimento de doenças metabólicas precoces. O objetivo deste estudo foi comparar a aptidão física para saúde entre escolares da rede pública e da rede privada da cidade de Porto Alegre-RS. A amostra foi constituída por 75 estudantes, 37 de escola pública e 38 de escola privada, de forma voluntária e não aleatória. As variáveis do estudo foram avaliadas seguindo as orientações do Manual de testes e avaliações do Projeto Esporte Brasil (PROESP, 2016) que constam: peso e estatura para obtenção do índice de massa corporal (IMC), aptidão cardiorrespiratória, flexibilidade e resistência abdominal. Para análise dos dados foi utilizada estatística descritiva, apresentando valores em média, desvio padrão e percentuais. Para comparações entre os grupos distintos utilizou-se o teste t para amostras independentes. O nível de significância para todos os testes foi de 5%. Resultados: A escola privada obteve médias superiores para todas as variáveis analisadas. As meninas de ambas as escolas apresentam médias superiores aos meninos no teste de flexibilidade, e os meninos destacam-se na resistência abdominal e aptidão cardiorrespiratória. Conclusão: A escola privada apresenta médias superiores, porém, ambas as escolas apresentaram percentual de zona de risco mais alto que zona saudável para aptidão cardiorrespiratória, o que ressalta a importância do professor de educação física e das escolas em incentivar a prática de atividade física.

Referências

-AAHPERD. Physical best. Reston, VA: American Alliance for Health, Physical Education, Recreation and Dance. 1998.

-Andreasi, V.; Michelin, E.; Rinaldi, A. E. M.; Burini, R. C. Physical fitness and associations with anthropometric measurements in 7 to 15-year-old school children. Jornal de pediatria. Vol. 86. Num. 6. 2010. p. 497-502.

-Betti, M.; Zuliani, L.R. Educação física escolar: uma proposta de diretrizes pedagógicas. Revista mackenzie de educação física e esporte. Vol. 1. Num. 1. 2009.

-Brasil. Parâmetros Curriculares Nacionais. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Brasília-DF. MEC/SEF. 1998.

-Brasil, L.M.P.; Fisberg, M.; Maranhão, H.S. Excesso de peso de escolares em região do Nordeste Brasileiro: contraste entre as redes de ensino pública e privada. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil. Vol. 7. 2007. p.405-412.

-Carson, V.; Hunter, S.; Kuzik, N.; Gray, C. E.; Poitras, V. J.; Chaput, J. P.; Kho, M. E. Systematic review of sedentary behaviour and health indicators in school-aged children and youth: an update. Applied Physiology, Nutrition, and Metabolism. Vol. 41. Num. 6. 2016. p.S240-S265.

-Cordel, P. T.; Souza, W. C.; Lima, V. A.; Junior, P. H.; Danziato, A. V. H.; Oliveira, V. M.; Mascarenhas, L. P. G. Comparação da aptidão física relacionada à saúde e a prática esportiva entre meninos e meninas. Revista Saúde. Vol. 44. Num. 1. 2018. p. 1-9.

-Darido, S. C. O conteúdo da Educação Física na escola. Educação Física na escola: implicações para a prática pedagógica. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2005. p. 64-78.

-Dumith, S. C.; Júnior, M. R. A.; Rombaldi, A. J. Aptidão Física Relacionada à Saúde de Alunos do Ensino Fundamental do Município de Rio Grande-RS. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 14. Num. 5. 2008.

-Gray, C.; Gibbons, R.; Larouche, R.; Sandseter, E.; Bienenstock, A.; Brussoni, M.; Power, M. What is the relationship between outdoor time and physical activity, sedentary behaviour, and physical fitness in children? A systematic review. International journal of environmental research and public health. Vol. 12. Num. 6. 2015. p. 6455-6474.

-Gu, X.; Chang, M.; Solmon, M. A. Physical activity, physical fitness, and health-related quality of life in school-aged children. Journal of Teaching in Physical Education. Vol. 35. Num. 2. 2016. p. 117-126.

-Guedes, D.P. Atividade física, aptidão física e saúde. In: Carvalho, T.; Guedes, D.P.; Silva, J.G (orgs.). Orientações Básicas sobre Atividade Física e Saúde para Profissionais das Áreas de Educação e Saúde. Brasília: Ministério da Saúde e Ministério da Educação e do Desporto. 1996.

-Guedes, D.P.; Guedes, J.E.R.P. Sugestões de conteúdo programático para programas de educação física escolar direcionados à promoção da saúde. Revista da Associação dos Professores de Educação Física de Londrina. Vol. 9. Num. 16. 1994. p. 3-14.

-Hallal, P. C.; Andersen, L. B.; Bull, F. C.; Guthold, R.; Haskell, W.; Ekelund, U.; Wells, J. C. Global physical activity levels: Surveillance progress, pitfalls, and prospects. The Lancet. Vol. 380. Num. 9838. 2012. p. 247-257.

-Katzmarzyk, P. T.; Barreira, T. V.; Broyles, S. T.; Champagne, C. M.; Chaput, J. P.; Fogelholm, M.; Lambert, E. V. Physical activity, sedentary time, and obesity in an international sample of children. Medicine & Science in Sports & Exercise. Vol. 47. Num. 10. 2015. p.2062-2069.

-Mascarenhas, L. P. G.; Ferreira, A. B.; Lima, V. A.; Grzelczak, M. T. Estudo comparativo da aptidão física entre crianças de escola pública e particular: uma visão regional. Cinergis. Vol. 14. Num. 3. 2013.

-Montoro, A. P. P. N.; Leite, C. R.; Espíndola, J. A.; Alexandre, J. M.; Silva Reis, M.; Capistrano, R.; Beltrame, T. S. Aptidão física relacionada à saúde de escolares com idade de 7 a 10 anos. ABCS Health Sciences. Vol. 41. Num. 1. 2016.

-Nahas, M.V.; Corbin, C.B. Educação para aptidão física e saúde: justificativa e sugestões para implementação nos programas de educação física. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Vol. 6. Num. 3. 1992. p.14-24.

-Nahas, M.V. Atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. 2ª edição. Londrina. Midiograf. 2001.

-Nogueira, J. A. D.; Pereira, C. H. Aptidão física relacionada à saúde de adolescentes participantes de programa esportivo. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. Vol. 28. Num. 1. 2014. p.31-40.

-Pacheco, M. L. Aptidão física relacionada à saúde de escolares do ensino médio de uma escola de Santa Rosa-RS. Universidade Regional do Estado do Rio Grande do Sul. 2017.

-Pereira, C. H.; Ferreira, D. S.; Copetti, G. L.; Guimarães, L. C.; Barbacena, M. M.; Liggeri N.; Castro, O. G.; Lobato, S.; David, A. C. Aptidão física em escolares de uma unidade de ensino da rede pública de Brasília-DF. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. Vol.16. Num.13. 2011.

-Projeto Esporte Brasil. Manual de Testes e Avaliação. Versão 2016. Porto Alegre, 2016. https://www.ufrgs.br/proesp/arquivos/manual-proesp-br-2016.pdf

-Thomas, J. R.; Nelson, J. K.; Silverman, S. J. Métodos de pesquisa em atividade física. 6ª edição. Porto Alegre. Artmed. 2012.

Publicado
2021-11-07
Como Citar
Marques, P. A., Silva, J. O. da, Soares , C. F. B. D., Reis, J. V., Moreira, S. E. P., Aimi, G. A., & Voser, R. da C. (2021). Comparação da aptidão física entre escolares da rede pública e privada de Porto Alegre-RS. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 15(95), 22-28. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2218
Seção
Artigos Científicos - Original