Efeitos da atividade física em hipertensos

  • Gabriella Galera Monteiro Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo, São Paulo, Brasil.
  • Julia Silva Leal Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo, São Paulo, Brasil.
  • Eliana Corrêa dos Santos Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo, São Paulo, Brasil.
  • Natasha de Oliveira Marcondi Universidade Anhembi Morumbi, São Paulo, São Paulo, Brasil.
Palavras-chave: Hipertensão, Atividade física, Qualidade de vida

Resumo

A hipertensão arterial sistêmica é uma condição clínica multifatorial caracterizada por altos e sustentados níveis de pressão arterial, podendo ser desenvolvida ou agravada pela hereditariedade ou maus hábitos de vida e alimentares.  Esta pode ser tratada e/ou controlada via medicamentosa e não-medicamentosa (atividade física e alimentação). O objetivo do estudo foi avaliar os efeitos da prática regular de atividade física no controle da pressão arterial, frequência cardíaca, qualidade de vida e do sono, através de um estudo de caso com observação de 3 meses. No qual as variáveis foram avaliadas, isoladamente e posteriormente comparados, através de testes complementares, exames, questionários e protocolo de exercícios. O trabalho desenvolvido surtiu efeitos positivos, no qual o principal foco do estudo foi observar e atuar nos efeitos do exercício, predominantemente aeróbico, tanto agudo quanto crônico, sobre os índices de pressão arterial e frequência cardíaca. Os efeitos agudos relacionados a pressão arterial sistólica e diastólica foram reduções de 22,7% e 4,6%, respectivamente; já em relação a frequência cardíaca foi redução de 5,7%.  Comparando com pesquisas a pressão arterial sistólica apresentou resposta contrária, explicada através da ação do Oxido Nítrico. Já os efeitos crônicos, em relação a pressão arterial sistólica e diastólica foram reduções de 21,6% e 18,3%, respectivamente; já em relação a frequência cardíaca foi redução de 4,9%. Portanto, conclui-se que hipertensos praticantes de atividade física regular podem apresentar adaptações fisiológicas no sistema cardiovascular.  Dessa forma, os exercícios podem gerar restauração geral da saúde e do corpo, estando estes em constante evolução.

Referências

-Casonatto, J.; Polito, M.D. Hipotensão pós-exercício aeróbio: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol.15. Num. 2. 2009. p. 151-157.

-Gualano, B.; Tinucci, T. Sedentarismo, exercício físico e doenças crônicas. Revista Brasileira de Educação Física do Esporte. Vol. 25. 2011. p. 37-43.

-Martins, P.J.F.; Mello, M.T.; Tufik, S. Exercício e sono. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 7. Num. 1. 2001. p. 28-36.

-Monteiro, M.F.; Filho, D.C.S. Exercício físico e o controle da pressão arterial. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 10. Vol. 6. 2004. p. 513-516.

-Passos, M.H.P.; Silva, H.A.; Pitangui, A.C.R.; Oliveira, V.M.A.; Lima, A.S.; Araújo, R.C. Reliability and validity of the Brazilian version of the Pittsburgh Sleep Quality Index in adolescents. Jornal de Pediatria. Vol. 93. Num. 2. 2017. p. 200-206.

-Rêgo, A.R.O.N.; Gomes, A.L.M.; Veras, R.P.; Júnior, E.D.A.; Alkimin, R.; Dantas, E.H.M. Pressão arterial após programa de exercício físico supervisionado em mulheres idosas hipertensas. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 17. Num. 5. 2011. p. 300-304.

-Silva, R.S.; Silva, I.; Silva, R.A.; Souza, L.; Tomasi, E. Atividade física e qualidade de vida. Revista da Ciência e Saúde Coletiva. Vol. 15. Num. 1. 2010. p. 115-120.

-Sociedade Brasileira de Cardiologia. Sociedade Brasileira de Hipertensão. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão. Arquivo Brasileiro de Cardiologia. Vol. 95. Num. 1. 2010. p.1-51.

-Zago, A.S.; Zanesco, A. Óxido nítrico, doenças cardiovasculares e exercício físico. Arquivo Brasileiro de Cardiologia. Vol. 87. Num. 6. 2006. p.264-270.

Publicado
2021-10-10
Como Citar
Monteiro, G. G., Leal, J. S., Santos, E. C. dos, & Marcondi, N. de O. (2021). Efeitos da atividade física em hipertensos. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 14(93), 852-861. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2268
Seção
Artigos Científicos - Original