Capacidade neuromotora e morfológica correlacionada ao desempenho entre corredores de rua

  • Renata Mesquita Centro Universitário de Anápolis-UniEVANGÉLICA, Educação Física, Anápolis, Goiás, Brasil.
  • Karoline Bernardes Rosa Centro Universitário de Anápolis-UniEVANGÉLICA, Educação Física, Anápolis, Goiás, Brasil.
  • Tiago Silva dos Passos Centro Universitário de Anápolis-UniEVANGÉLICA, Educação Física, Anápolis, Goiás, Brasil.
  • Fabio Santana Centro Universitário de Anápolis-UniEVANGÉLICA, Educação Física, Anápolis, Goiás, Brasil.
Palavras-chave: Corredores de Rua, Desempenho, Força Muscular, Gordura Corporal, Resistência Muscular

Resumo

O objetivo do estudo foi identificar a composição corporal dos avaliados e correlacionar com a força muscular e resistência muscular, que podem interferir no desempenho dos corredores.  Tratou-se de uma pesquisa quantitativa transversal com delineamento experimental, realizada com 40 pessoas de amos os sexos que participavam do grupo de corrida da UniEvangélica. Para a coleta de dados aferiu-se a pesagem e estatura para calcular o IMC, após, mensurou-se a composição corporal utilizando o protocolo de Pollock 7 dobras. Para os testes de força muscular dos membros inferiores, realizou-se o teste de uma Repetição Máxima no Leg Press e para a resistência muscular utilizando-se um estímulo ativo de 60% da carga de 1RM realizando repetições até a falha. Quanto aos resultados ouve uma diferença significativa de 0,05 na estatura. Ao analisar o Índice de Massa Corporal, ambos os grupos se classificaram como “Eutrófico”. Ao avaliar a massa magra a população masculina obteve média de 47,507kg, já as mulheres 38,270kg. Na resistência muscular do teste Abdominal os homens obtiveram média de 36,0, já as mulheres alcançaram 19,33 repetições. Quanto aos resultados obtidos através do Teste de força, os homens obtiveram valores maiores, tanto RMs, quanto em 1RM. Dessa forma concluiu-se que quanto maior o percentual de gordura menor é a resistência e força muscular, sendo, essas variáveis inversamente proporcionais. Observou-se também que os homens obtiveram médias de peso gordo menor que o grupo feminino, alcançando resultados superiores em todas as variáveis analisadas.

Referências

-Abreu, P.; Leal-Cardoso, J.H.; Ceccatto, V.M. Adaptação do músculo esquelético ao exercício físico: considerações moleculares e energéticas. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 23. Num. 1. 2017. p. 60-65.

-Brocherie, F.; Girard O.G.; Forchino, F.; Haddad, H.A.; Santos, G.A.; Millet, G.G.P. Relationships between anthropometric measures and athletic performance, with special reference to repeated-sprint ability, in the Qatar national soccer team. Journal of Sports Sciences. Vol. 13. Num. 32. 2014. p.1243-1254.

-Dias, P.C.; Henruique, P.; Anjos, L.A.; Burlandy, L. Obesidade e políticas públicas: concepções e estratégias adotadas pelo governo brasileiro. Cadernos de Saúde Pública. Vol.33 Num. 1. 2017. p. 1-12.

-Euclides, M.F.; Barros, C.L.; Coêlho, J.C.A. Benefícios da corrida de rua. Revista Conexão Eletrônica. Vol. 13. Num. 1. 2016.p.

-Felipe, J.; Rodrigues, M.V.P.; Ferreira, A.D.; Fonseca, E.S.; Ribeiro, G.G.S.; Arana, A.R.A. Atividade física e ambiente: a influência dos parques verdes urbanos na saúde. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol.25. Num. 4. 2019. p 305-309

-Ferreira, V. R.; Bento, A. P. N.; Silva, M. R. Consumo alimentar, perfil antropométrico e conhecimentos em nutrição de corredores de rua. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 21. Num. 6. 2015. p. 457-461.

-Giovanella, J.; Marder, G.; Rempel, C.; Dalbosco, S.M.; Contini, V. Avaliação da força relativa de 30 frequentadores de ambos os sexos de uma academia de musculação de Lajeado‐RS. Revista Brasileira de Reabilitação e Atividade Física. Vol.3. Num.1. 2014. p.19-23.

-Gomes, M.J.; Pagan, L.U.; Okoshi, M.P. Tratamento Não Medicamentoso das Doenças Cardiovasculares Importância do Exercício Físico. Arquivos Brasileiros de Cardiologia.São Paulo. Vol. 113. Num. 1. 2019. p. 9-10.

-Gonçalves, R.A.; Navarro, A.C. A influência do treinamento de força especial explosiva pliométrica para membros inferiores em saltos e velocidade. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. São Paulo. Vol. 9. Num. 32. 2017. p. 64-69. http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/view/454

-Guimarães, L.F.V. Análise cinemática no teste incremental de corrida e sua relação com a força e resistência do core. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia. 2016. http://repositorio.ufu.br/handle/123456789/18065

-Hood, D.A.; Irrcher, I.; Ljubicic, V.; Joseph, A. Coordination of metabolic plasticity in skeletal muscle. Journal of Experimental Biology. Toronto. Vol. 209. Num. 1. 2006. p. 2265-2272.

-Ishida, J.C.; Turi, B.C.; Silva, M.; Amaral, S.L. Presença de fatores de risco de doenças cardiovasculares e de lesões em praticantes de corrida de rua. Revista brasileira de educação física e esporte. Vol. 27. Num. 1. 2013. p. 55-65.

-Mendes, C.M.L.; Cunha, R.C.L. As novas tecnologias e suas influências na prática de atividade física e no sedentarismo. Revista Interfaces: Saúde, Humanas e Tecnologia. São Paulo. Vol. 1. Num. 3. 2013. p.1-23.

-Neves, A.M.; Madruga, S.W. Alimentação complementar, consumo de alimentos industrializados e estado nutricional de crianças menores de 3 anos em Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil, 2016: um estudo descritivo. Epidemiologia e Serviço de Saúde. Vol..28. Num.1. 2019. p. 1-12.

-Oliveira-Rosado, J.; Duarte, J. P.; Sousa-e-Silva, P.; Costa, D.C.; Martinho, D.V.; Sarmento, H.; Santos, J.V.; Rama, L.M.; Tavares, O. M.; Conde, J.; Castanheira, J.; Gonçalves, R.S.; Agostinete, R.R.; Silva, M.J.C. Perfil fisiológico de corredores de trilhas de longa distância adultos do sexo masculino: variações segundo o nível competitivo (nacional ou regional). Einstein. Vol.18. Num.1. 2020. p. 1-7.

-Oliveira-Terra, C.M.; Peres, A.l.; Leite, R.S.; Mendes, V.H.S.; Cerrone, L.A. Treinamento e condicionamento do core, força e desempenho atlético: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 12. Num. 74. 2018. p. 289-296. http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1393

-Pereira, R.H.F.A.; Carnaveli, L.C.; Caetano, D.; Éder, R.R.; Lima, W.P. Influência do treinamento de força na economia de corrida em corredores de endurance. Revista Corpoconsciência. São Paulo. Vol. 13. Num. 1. 2009. p. 29-52.

-Pollock, M. L.; Wilmore, J. H. Exercício na Saúde e na Doença: Avaliação e Prescrição para Prevenção e Reabilitação. 2ª edição São Paulo. MEDSI. 1993.

-Sanfelice, R.; Souza, M.K.; Neves, R.V.P.; Rosa, T.S.; Olher, R.R.; Souza, L.H.R.; Navarro, F.; Evangelista, A.L.; Moraes, M.R. Análise qualitativa dos fatores que levam à prática da corrida de rua. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol.11. Num.64. 2017. p.83-88. http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1080

-Santos, M.A.M.; Costa, M.C.; Brito-Gomes, J.L.; Perrier-Melo, R.J.; Oliveira, S.L.M.; Farah, B.Q. Fatores associados ao desempenho em uma corrida de 10.000 metros em corredores amadores. Journal of Physical Education. Recife. Vol. 28. Num.1. 2017. p. 1-10.

-Silveira, E.A.; Vieira, L.L.; Souza, J.D. Elevada prevalência de obesidade abdominal em idosos e associação com diabetes, hipertensão e doenças respiratórias. Ciência & Saúde Coletiva. Goiânia. Vol. 23. Num. 1. 2018. p. 903-912

-Souza, M.S.S.R.; Paulo, F.G.; Cardoso, L.F.A.; Madeira, T.S. Perfil da aptidão física relacionada à saúde em corredores de rua amadores, com e sem orientação profissional. In: Sousa, E.C.; Souza, D.M.; Brito, C.A.F.; Sousa, M.B.; Souza, M.J.M. Pesquisa em Saúde. Belém. 2020. p. 1-276.

-Souza, T.M.F.; Sindorf, M.A.G.; Gonelli, P.R.G.; Simões, R.A.; Montebelo, M.I.L.; Cesar, M.C. Carga para a aplicação de testes de 1-RM em exercícios de membros superiores em mulheres jovens treinadas e não treinadas. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Vol.35. Num.3. 2013. p. 575-586.

-Teixeira, T.G.; Tibana, R.A.; Vieira, D.C.L.; Tajra, V.; Balsamo, S.; Asano, R.Y.; Silva A.O.; Prestes, J. Comparação da força muscular entre mulheres brasileiras com e sem sobrepeso/obesidade. Revista Brasileira de Ciências e Movimento. Vol.22. Num.1. 2014. p.5-11.

-Torcate, E.F.; Paulack, A.R.; Oliveira, A.G.; Ribas, M.R. Perfil Antropométrico E Dietético de Corredores de Rua da Cidade de Curitiba-PR. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol.10. Num. 61. 2016. p. 670-678. http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/1051.

-Tsuneta, P.; Coelho, K.C.; Mendes-Junior, R.; Coutinho, C.; Perin, O. Análise das alterações morfofuncionais proporcionadas pelo método de treinamento de força carga progressivo em adultos jovens. Revista Científica JOPEF. Curitiba. Vol. 01. Num. 25. 2018. p. 25-35.

-WHO. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Geneva. 1995. WHO. Technical Report Series. 854.

Publicado
2021-11-07
Como Citar
Mesquita, R., Rosa, K. B., Passos, T. S. dos, & Santana, F. (2021). Capacidade neuromotora e morfológica correlacionada ao desempenho entre corredores de rua. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 15(95), 58-67. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2343
Seção
Artigos Científicos - Original