Protocolos usados por personais trainers para aferir a capacidade cardiorrespiratória em academias da cidade de Patos-PB

  • Tiago Almeida de Oliveira Centro Universitário de Patos - Unifip, Brasil.
  • Símio Wendel Martins de Melo Melo Centro Universitário de Patos - Unifip, Brasil.
Palavras-chave: Treinamento de resistência, Personal trainer, Protocolos de Testes, Consumo de Oxigênio

Resumo

O aumento pela procura das salas de musculação no decorrer dos anos está cada vez maior, as pessoas buscam desde estética, qualidade de vida, até fins competitivos. Para que ocorra uma prescrição do treinamento adequado, individual e com embasamento científico, se faz necessário testar, medir e avaliar a condição de cada aluno/cliente. Visando direcionar tais profissionais, o ACSM sugere uma avaliação antropométrica, cardiorrespiratória, neuromuscular e da flexibilidade previamente, antes da prescrição do treinamento. Nosso estudo tem por objetivo conhecer os protocolos usados pelos personal trainers para a avaliação da capacidade cardiorrespiratória (VO2 máx) nas academias da cidade de Patos-PB. Trata-se de uma pesquisa de campo, descritiva e com abordagens qualitativa e quantitativa. Composta por personal trainers que trabalhem nas academias de Patos-PB. O instrumento de nossa pesquisa foi um questionário semiestruturado, com perguntas abertas e fechadas. Para análise dos dados foi utilizado o programa Excel, Statistical Package for the Social Sciences (SPSS), e serão apresentados em média e desvio padrão e na forma de tabelas e gráficos. Os nossos achados mostram apenas 50% avaliados realizam uma avaliação cardiorrespiratória, onde utilizam 8 protocolos diferentes para tal, 2 deles são mais utilizados. Diante disso, uma prática avaliativa incompleta pode trazer alguns efeitos ao aos alunos/clientes, minimização do resultado, até um risco a segurança, ainda mais, se os alunos/clientes possuírem predisposição a doenças cardiovasculares.

Referências

-Al-Mallah, M.H.; Sakr, S.; Al - Qunaibet, A. Cardiorespiratory fitness and cardiovascular disease prevention: an update. Curr Atheroscler Rep. Vol. 20. Núm. 1. 2018.

-Almeida, E.J. Aptidão cardiorrespiratória: Conceitos, protocolos e aplicação. Dissertação de Mestrado. Universidade Pitágoras UNOPAR. Londrina. 2019.

-ACSM. American College of Sports Medicine. Diretrizes do ACSM para os testes de esforço e sua prescrição. 9ª edição. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2014.

-ACSM. American College of Sports Medicine. Diretrizes do ACSM para os testes de esforço e sua prescrição. 10ª edição. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2017.

-Batista, M.B.; Cyrino, E.S.; Milanez, V.F.; Silva, M.J.C.; Arruda, M.; Ronque, R.V. Estimativa do consumo máximo de oxigênio e análise de concordância entre medida direta e predita por diferentes testes de campo. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 19. Núm. 6. 2013. p.404-9.

-Calheiros, S.T.P.; Souza, T.F. Correlação entre medidas indiretas de mensuração de VO2 max em jogadoras de futebol. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. São Paulo. Vol. 5. Núm. 15. 2013. p.60-67.

-Carvalho, C.A.; Fonseca, P.C.A.; Barbosa, J.B.; Machado, S.P.; Santos, A.M.; Silva, A.A.M. Associação entre fatores de risco cardiovascular e indicadores antropométricos de obesidade em universitários de São Luís, Maranhão, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. Vol. 20. Núm. 2. 2015.

-Ceschini, F.L.; Andrade, E.L.; Ramalho, B.T.; Bocalini, D.S.; Figueira Junior, A J. Conhecimento da prescrição do exercício aeróbio para pessoas com doenças cardiovasculares. Revista Brasileira Ciência e Movimento. Vol. 24. Núm. 2. 2016. p.119-128.

-Defina, L.F.; Haskell, W.L.; Willis, B.L.; Barlow, C.E.; Finley, C.E.; Levine, B.D, Physical activity versus cardiorespiratory fitness: two (partly) distinct components of cardiovascular health? Prog Cardiovasc Dis. Vol. 57. Núm. 4. 2015. p.324-9.

-Fleck, S.J.; Kraemer, W.J. Fundamentos do treinamento de força muscular. Porto Alegre. Artmed. 2017. p.471.

-França, E.; Caperuto, E.C.; Hirota, V. B. Testes indiretos de VO2 máximo devem ser escolhidos de acordo com o gênero, variáveis antropométricas e capacidade aeróbica presumida. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 8. Núm. 49. 2014. p. 712-721.

-Giuriato, M.; Nevill, A.; Kawczynski, A.; Lovecchio, N. Body size and shape characteristics for Cooper's 12 minutes run test in 11-13 years old Caucasian children: an allometric approach. J Sports Med Phys Fitness. Vol. 60. Núm. 3. 2020. p.417-42.

-Holbold, E.; Levandoski Junior, L.; Campos, F.S.; Flores, L.J. F.; Arruda, M. Comparação de testes indiretos de avaliação de aptidão cardiorrespiratória com a ergoespirométrica. Caderno de Educação Física e Esporte. Vol. 14. Núm. 2. 2016. p.45-53.

-Kravchychyn, A.C.P.; Alvez, J.C.C.; Kravchychyn, T.P.; Nogueira, G.A.; Machado, F.A. Comparação entre os métodos diretos e indiretos de determinação do VO2 max de praticantes de corrida. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 21. Núm. 1. 2015.

-Lima, F.L.; Abatti, P.J. Formulação de equações preditivas do VO2max baseada em dados que independem de exercícios físicos. Semina. Vol. 27. Núm. 2. 2006. p. 139-149.

-Maranhão Neto, G.A.; Farinatti, P.T.V. Equações de predição da aptidão cardiorrespiratória sem testes de exercício e sua aplicabilidade em estudos epidemiológicos: revisão descritiva e análise dos estudos. Revista Brasileira de Medicina e Esporte. Vol. 9. Núm. 5. 2003.

-Meneghelo, R. S.; Araújo, C. G. S.; Stein, R.; Mastrocolla, L. E.; Albuquerque, P. F.; Serra, S. M. Sociedade Brasileira de Cardiologia. III Diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre teste ergométrico. Arquivos Brasileiro de Cardiologia. São Paulo. Vol. 95. Núm. 5. 2010. p.1-26.

-Miranda, A.L.N.; Lopes, K.C.; Carletti, L.; Perez, A.J.; Mill, J.G.; Linz, W. VO2max estimado por equações preditivas apresenta baixa concordância com o obtido pelo teste cardiopulmonar - Padrão Ouro. Revista de Educação Física/UEM. Vol. 26. Núm. 1. 2015. p.131-145.

-Moreira, O.C.; Oliveira, R.A.R.; Laktin, C.; Oliveira, C.P.P. Risco cardiovascular de ingressantes em academia de musculação. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 6. Núm. 36. 2012. p.604-611.

-Morrow Junior, J.R.; Jackson, A.W.; Disch, J.G.; Mood, D P. Medida e avaliação do desempenho humano. 4ª edição. Artemed. 2014. p.460.

-Myers, J.; McAuley, P.; Lavie, C.J.; Despres, J.P.; Arena, R.; Kokkinos, P. Physical activity and cardiorespiratory fitness as major markers of cardiovascular risk: their independent and interwoven importance to health status. Prog Cardiovasc Dis. Vol. 57. Núm. 4. 2015. p.306-14.

-Oliveira, N.M.; Silva, D.A.S.; Toscano, J.J.O. Programas de avaliação em academias de ginástica: o que se faz? Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. Vol. 19. Núm. 5. 2014. p.568-570.

-Pohl, H.H.; Arnold, E. F.; Dummel, K.L.; Cerentini, T.M.; Reuter, E.M.; Reckziegel, M.B. indicadores antropométricos e fatores de risco cardiovascular em trabalhadores rurais. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 24. Núm. 1. 2018.

-Powers, S. K.; Howley, E. T. Fisiologia do exercício: teoria e aplicação ao condicionamento e ao desempenho. 9ª edição. São Paulo. Manole. 2017. p.638.

-Rosa, D.C.; Profice, C.C. Avaliações antes da prescrição de exercícios físicos em academias de ginástica em uma cidade sul baiana. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 12. Núm. 75. 2018. p.509-514.

-Ross, R.; Blair, S.N.; Arena, R.; Church, T.S.; Després, J.P.; Franklin, B.A.; Haskell, W.L.; Kaminsky, L.A.; Levine, B.D.; Lavie, C.J.; Myers, J.; Niebauer, J.; Sallis, R.; Sawada, S.S.; Sui, X.; Wisløff, U. Importance of assessing cardiorespiratory fitness in clinical practice: a case for fitness as a clinical vital sign: a scientific statement from the American Heart Association. Circulation. Vol.134. Núm. 24. 2016. p.653-99.

-Santos, A.S. Estimar a capacidade aeróbica através do teste de 2400 metros e velocidade crítica após oito semanas de treinamento aeróbico em militares da polícia militar de minas gerais. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 6. Núm. 34. 2012. p.410-417.

-Schaurich, M.; Glanzel, M.H.; Rocha, G.G.; Nepomuceno, P.; Schmidt, L.M.; Pohl, H.H.; Reckziegel, M. B. Utilização de protocolos diretos e indiretos na avaliação do consumo máximo de oxigênio. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol.12. Núm. 78. 2018. p.879-884.

-Silva, D.F.; Sotero, R.C.; Simões, H.G, Machado, F.A. Máxima velocidade aeróbia calculada pelo custo da frequência cardíaca: relação com a performance. Revista Andaluza de Medicina del Deporte. Vol. 8. Núm. 1. 2015. p.7-15.

-Silva, F.I.C.; Santos, A.M.L; Araújo, D. M. E. Perfil profissional do personal trainer atuante em academias de Teresina-PI. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 10. Núm. 61. 2016. p.634-644.

-Silva, J.S.; Oliveira, L. O personal trainer e sua qualificação profissional. Revista Campo do Saber. Vol. 3. Núm. 2. 2017.

-Souza, T.C.; Silva, H.M.; Vieira, A.C.C.; Marinho, A.O.O. Avaliação física: importância e efetividade nas academias de Juazeiro do Norte-CE. Caderno de Cultura e Ciência. Vol. 15. Núm. 1. 2016.

-Stamatakis, E.; Hamer, M.; O'Donovan, G.; Batty, G.D.; Kivimaki, M. A non-exercise testing method for estimating cardiorespiratory fitness: associations with all-cause and cardiovascular mortality in a pooled analysis of eight population-based cohorts, European Heart Journal. Vol. 34. Núm. 10. 2013. p. 750-758.

-Travensolo, C.F.; Polito, M.D. Testes de degrau para avaliação da capacidade de exercícios em pacientes com doenças cardíacas: Revisão da Literatura. Revista Brasileira Cardiologia. Vol. 27. Núm. 6. 2014. p.445-453.

-Uth, N.; Sørensen, H.; Overgaard, K.; Pedersen, P.K. Estimation of VO2max from the ratio between HRmax and HRrest-the Heart Rate Ratio Method. Eur J Appl Physiol. Vol. 91. Núm. 1. 2004. p.111-5.

-Weyhard, V.H. Avaliação física e prescrição do exercício: técnicas avançadas. Artmed. 2013. p.475.

Publicado
2022-08-06
Como Citar
Oliveira, T. A. de, & Melo, S. W. M. de M. (2022). Protocolos usados por personais trainers para aferir a capacidade cardiorrespiratória em academias da cidade de Patos-PB. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 15(97), 328-337. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2440
Seção
Artigos Científicos - Original