Influência da corrida recreativa na capacidade cardiorrespiratória em mulheres de meia idade

  • Franciele Lima Queiroz Gonçalves Centro Universitário do Cerrado Patrocínio-UNICERP, Patrocínio-MG, Brasil.
  • Gisélia Gonçalves de Castro Centro Universitário do Cerrado Patrocínio-UNICERP, Patrocínio-MG, Brasil.
  • Kelly Christina de Faria Centro Universitário do Cerrado Patrocínio-UNICERP, Patrocínio-MG, Brasil.
  • Eduardo Vignoto Fernandes Universidade Federal de Jataí-UFJ, Grupo de Estudo e Pesquisa em Exercício e Nutrição-GEPEN, Jataí-GO, Brasil.
  • Daniel dos Santos Universidade de Franca, Pós-Graduação em Promoção da Saúde, Grupo de Estudos em Fisiologia do Exercício aplicada à Saúde e ao Esporte-GEFESE, Franca-SP, Brasil.
  • David Michel de Oliveira Universidade Federal de Jataí-UFJ, Grupo de Estudo e Pesquisa em Exercício e Nutrição-GEPEN, Jataí-GO, Brasil.
  • Maria Laura Carvalho de Oliveira Centro Universitário do Cerrado Patrocínio-UNICERP, Patrocínio-MG, Brasil.
Palavras-chave: Aptidão Aeróbia, Mulheres, Saúde

Resumo

Introdução:   A prática de corrida é uma importante estratégia para o indivíduo tornar-se fisicamente ativo, entretanto muitos praticam de forma recreacional e sem supervisão profissional, neste sentido a literatura carece de estudos sobre os efeitos sobre esta prática de exercícios para a saúde cardiovascular. Objetivo: Avaliar a influência da corrida recreativa na capacidade cardiorrespiratória em mulheres adultas. Materiais e Métodos: Neste estudo descritivo, comparativo e quase-experimental, a amostra foi composta por 60 mulheres adultas distribuídas em dois grupos: Grupo Não Praticantes (n=29), com idade de (33,17 ± 11,58 anos) e Grupo Praticantes (n=31), com idade de (40,1 ± 10,5 anos). Após avaliação da massa corporal e estatura, foi calculado o índice de massa corporal das participantes. Em seguida, ambos os grupos foram submetidos ao teste de esteira para avaliar a capacidade cardiorrespiratória. A frequência cardíaca e a percepção subjetiva de esforço (0 a 10) foram monitoradas durante todo o teste. Resultados: Em relação ao índice de massa corporal não foram encontradas diferenças significativas entre os grupos. Quanto ao teste de capacidade cardiorrespiratória os resultados foram estatisticamente maiores no grupo praticantes em relação ao grupo não praticantes. Conclusão: A corrida recreativa melhora capacidade cardiorrespiratória contribuindo para prevenção de doenças e proteção a saúde de mulheres de meia idade.

Referências

-American College of Sports Medicine. Guidelines for Exercise testing and Prescription. Baltimore. Lippincott Williams and Wilkins. 2014.

-Aura, O. Komi, P. V. Mechanical efficiency of pure positive and pure negative work with special reference to the work intensity. International Journal of Sports Medicine. Vol. 7. Num. 01. p. 44-49. 1986.

-Balbinotti, M. A. A.; Gonçalves, G. H. T.; Klering, R. T.; Wiethaeuper, D.; Balbinotti, C. A. A. Perfis motivacionais de corredores de rua com diferentes tempos de prática. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. Vol. 37. Num. 1. p. 65-73. 2015.

-Borg, G. Perceived exertion and pain scales. Champaign, IL: Human Kinetics. 1998.

-Colley, R.C.; Hills, A. P.; O'Moore-Sullivan, T. M.; Hickman, I. J.; Prins, J.B.; Byrne, N. M. Variability in adherence to an unsupervised exercise prescription in obese women. International Journal of Obesity. Vol. 32. Num. 5. p. 837-844. 2008.

-D'Silva, A.; Bhuva, A. N.; Van Zalen, J.; Bastiaenen, R.; Abdel-Gadir, A.; Jones, S. e cols. Cardiovascular Remodeling Experienced by Real-World, Unsupervised, Young Novice Marathon Runners. Frontiers in Physiology. Vol. 11. p. 232. 2020.

-Foster, C.; Florhaug, J.A.; Franklin, J.; Gottschall, L.; Hrovatin, L. A.; Parker, S. e cols. A new approach to monitoring exercise training. The Journal of Strength & Conditioning Research. Vol. 15. Num. 1. p. 109-115. 2011.

-Hellsten, Y.; Nyberg, M. Cardiovascular Adaptations to Exercise Training. Comprehensive Physiology. Vol. 6. Num. 1. p. 1-32. 2015.

-Herrmann, F. R.; Graf, C.; Karsegard, V.L.; Mareschal, J.; Achamrah, N.; Delsoglio, M. e cols. Running performance in a timed city run and body composition: A cross-sectional study in more than 3000 runners. Nutrition. Vol. 61. p. 1-7. 2019.

-Hörder, H.; Johansson, L.; Guo, X.; Grimby, G.; Kern, S.; Östling, S; Skoog, I. Midlife cardiovascular fitness and dementia: A 44-year longitudinal population study in women. Neurology. Vol. 90. Num. 15. p. e1298-e1305. 2018.

-Koplan, J. P.; Powell, K. E.; Sikes, R. K.; Shirley, R.W.; Campbell, C. C. An epidemiologic study of the benefits and risks of running. JAMA. Vol. 248. Num. 23. p. 3118-3121.1982.

-Kozlovskaia, M.; Vlahovich, N.; Rathbone, E.; Manzanero, S.; Keogh, J.; Hughes, D. C. A profile of health, lifestyle and training habits of 4720 Australian recreational runners - The case for promoting running for health benefits. Health Promotion Journal of Australia. Vol. 30. Num. 2. 2019. p. 172-179.

-Laukkanen, J. A.; Kurl, S.; Salonen, R.; Rauramaa, R.; Salonen, J. T. The predictive value of cardiorespiratory fitness for cardiovascular events in men with various risk profiles: a prospective population-based cohort study. European Heart Journal. Vol. 25. Num. 16. p. 1428-1437. 2004.

-Lee, D. C.; Artero, E. G.; Sui, X.; Blair, S. N. Mortality trends in the general population: the importance of cardiorespiratory fitness. Journal Psychopharmacol. Vol. 21. Suppl. 4. p. 27-35. 2010.

-Lima, F. S. C.; Amaral Durigan, A. N Perfil e características de treinamento dos praticantes de corrida de rua no município de São José do Rio Preto-SP. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 12. Num. 77. p. 675-685. 2018.

-Marti, B. Health effects of recreational running in women: Some epidemiological and preventive aspects. Sports Medicine. Vol. 11. Num. 11. p. 20-51. 1991.

-Neves, L. N. S.; Gomes, A. R.; Gasparini.; Neto, V.H.; Carletti, L.; Perez, A. J. Perfil de corredores e a relação entre variáveis de treinamento com o VO2 máx em diferentes níveis de desempenho. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício. São Paulo. Vol. 13. Num. 83. p. 397-404. 2019.

-Nystoriak, M. A.; Bhatnagar, A. Cardiovascular Effects and Benefits of Exercise. Frontiers in Cardiovascular Medicine. Vol. 5. p. 135. 2018.

-Olesen, H. L. Accumulated oxygen deficit increases with inclination of uphill running. Journal of Applied Physiology. Vol. 73. Num. 3. p. 1130-1134. 1992.

-Perez, A. J.; Milagre, E. D.; Carletti, L.; Gomes, K. B.; Lourenço, T. F.; Fortes, L. S. Perfil cardiopulmonar de corredores de rua atletas e não atletas caracterizados por nível de desempenho esportivo. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Vol. 26. Num. 1. p. 105-115. 2018.

-Peserico, C. S.; Mezzaroba, P. V.; Nogueira, G.A.; Moraes, S. M. F.; Machado, F. A. Comparação entre os métodos direto e indireto de determinação do consumo máximo de oxigênio em mulheres corredoras. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 17. Num. 4. p. 270-273. 2011.

-Pinho, R. W. S.; Braz, T. V.; Cruz, W. A.; Santos, A.B.; Ribeiro, C.; Germano, M. D.; Aoki, M. S.; Lopes, C. R. Efeito da carga interna de treinamento sobre o VO2 máx de mulheres adultas. Revista Brasileira de Ciência e Movimento. Vol. 24. Num. 1. p. 43-51. 2016.

-Ross, R.; Blair.; SN.; Arena, R.; Church, T. S.; Després, J. P.; Franklin, B. A. e cols. Importance of assessing cardiorespiratory fitness in clinical practice: A case for fitness as a clinical vital sign: A scientific statement form the American Heart Association. Circulation. Vol. 134. Num. 24. p. e653-699. 2016.

-Sawada, S. S.; Lee, I. M.; Naito, H.; Kakigi, R.; Goto, S.; Kanazawa, M; e cols. Cardiorespiratory fitness, body mass index, and cancer mortality: a cohort study of Japanese men. BMC Public Health. Vol. 14. Num. 1. p. 1-9. 2014.

-Strasser, B.; Burtscher, M. Survival of the fittest: VO2max, a key predictor of longevity?. Front Biosci. Vol. 23. Num. 23. p. 1505-1512. 2018.

-Swanson, S. C.; Caldwell, G. E. An integrated biomechanical analysis of high speed incline and level treadmill running. Medicine and Science in Sports and Exercise. Vol. 32. Num. 6. p. 1146-1155. 2000.

-Tavano, J. Análise das respostas fisiológicas em mulheres submetidas a diferentes protocolos de inclinação na esteira. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo. São Carlos. 2010.

-Tschopp, M.; Brunner, F. Diseases and overuse injuries of the lower extremities in long distance runners. Zeitschrift fur Rheumatologie. Vol. 76. Num. 5. p. 443-450. 2017.

Publicado
2022-08-06
Como Citar
Gonçalves, F. L. Q., Castro, G. G. de, Faria, K. C. de, Fernandes, E. V., Santos, D. dos, Oliveira, D. M. de, & Oliveira, M. L. C. de. (2022). Influência da corrida recreativa na capacidade cardiorrespiratória em mulheres de meia idade. RBPFEX - Revista Brasileira De Prescrição E Fisiologia Do Exercício, 15(97), 353-359. Recuperado de http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/2448
Seção
Artigos Científicos - Original